22º Festival de Cinema Judaico exibe 32 filmes de vários países

Mostra reúne títulos que abordam várias facetas da cultura e do pensamento judaicos

Por: Redação
Até
15
de agosto 2018
Domingo - Segunda - Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado
em diversos horários

A cultura judaica retratada sob diferentes perspectivas é o foco do Festival de Cinema Judaico de São Paulo, que comemora 22 anos com uma seleção de 32 filmes de países como Dinamarca, Rússia, África do Sul, Alemanha, Brasil, Estados Unidos e Espanha. A mostra acontece entre 5 e 15 de agosto, na Hebraica (rua Hungria, 1000, Pinheiros), no MIS  (avenida Europa, 158, Jardim Europa) e no Sesc Bom Retiro (Alameda Nothmann, 185 – Bom Retiro), com sessões em diferentes horários. Os ingressos custam até R$30, de acordo com os valores estabelecidos para cada espaço.

Cena de
"Sobibor"se passa no campo de concentração de mesmo nome, onde dezenas de milhares de judeus foram exterminados entre 1942 e 1943Reprodução
Cena de
"Os Invisíveis" narra drama de quatro jovens que precisam desaparecer para sobreviver na Alemanha pré-Segunda GuerraReprodução
Cena de
"O Último Terno" narra jornada de um costureiro judeu de 88 anos que vai de Buenos Aires até a Polônia com o objetivo de reencontrar um homem que o salvou da morte depois que ele conseguiu sobreviver a AuschwitzReprodução
Cena de
Documentário "Árvores Vermelhas" conta a história da família Willer, que conseguiu sobreviver ao holocaustoReprodução
Cena de
Documentário "Grande Sonia" mostra comovente história de uma senhora de 91 anos que está prestes a ser despejadaReprodução
Cena de
"Um Ato de Desafio" mostra encontro entre judeus e sul-africanos na luta contra o ApertheidReprodução
Cena de
Premiado "O Confeiteiro" é destaque do 22º Festival de Cinema Judaico de São PauloReprodução
Cena de
Nacional "Querido Embaixador" é inspirado na história de um funcionário público que desafiou as ordens de Getúlio Vargas e concedeu vistos a imigrantes judeus durante a Segunda Guerra MundialReprodução

Os títulos da mostra não precisam ser dirigidos por cineastas judeus para fazer parte da seleção, basta que tratem de aspectos do pensamento ou das tradições judaicas. A ideia é criar uma reflexão sobre tolerância e respeito entre culturas a partir de um intercâmbio de experiências cinematográficas.

A programação exibe 12 filmes de ficção, 14 documentários e seis produções no programa especial Panorama de Israel. O grande homenageado na 22ª edição é o cineasta brasileiro David Perlov, com exibição de seus filmes “Infância Protegida”, “Rotina e Rituais” e “Volta ao Brasil”, que foram reunidos na coleção “Diário Revisitado (1990-1999)”.

Um dos destaques é “Um Ato de Desafio” (África do Sul, 2017), de Jean va de Velde, que foi premiado nos festivais da Holanda e da Cidade do Cabo. Inspirado em fatos reais, o longa narra a conspiração de um grupo de negros e judeus contra o Apartheid sul-africano. Liderados por Nelson Mandela, os rebeldes são presos e enfrentam a possibilidade de serem condenados à morte.

Premiado nos festivais de Jerusalém, Karlovy, Wurzburg e Miami, “O Confeiteiro” (Alemanha e Israel, 2017), de Ofir Raul Graizer, narra a história do solitário confeiteiro berlinense Tomas, que se apaixona pelo israelense Oren, um empresário casado. Quando este para de mandar notícias, o protagonista decide ir a Jerusalém para procurá-lo. Nessa jornada, depois de descobrir que Oren faleceu, Tomas aceita emprego em um café da viúva de seu amante.

Outra atração é “Grande Sonia” (Estados Unidos, 2017), de Leah Warshawski e Todd Soliday, vencedor do Barcelona Film Festival na categoria de melhor filme. O documentário mostra a comovente história de Sonia Warshawski, uma sobrevivente do Holocausto que, aos 91 anos, administra uma alfaiataria em um shopping falido. Ela recebe uma ordem de despejo, mas ainda não quer se aposentar.

Já o brasileiro “Querido Embaixador” (2017), de Luiz de Souza Dantas, é inspirado na história real de um embaixador brasileiro que, durante a Segunda Guerra Mundial, opôs-se às ordens secretas de Getúlio Vargas de negar vistos a judeus e outras pessoas perseguidas pelo nazismo. Ele passa a descumprir ordens e enfrenta os governos brasileiro e francês.

Confira aqui a programação completa do 22º Festival de Cinema Judaico.

1
BH: Jetiboca tem café incrível a R$ 3, pão de queijo e muito amor
Um dos lugares mais incríveis e inusitados no centro de Belo Horizonte, em Minas Gerais, é o Mercado Novo. Há …
2
3 trilhas no Rio com vistas de tirar o fôlego
Esse vídeo é para os amantes de ecoturismo, ou mesmo para quem quer começar a fazer trilhas e se conectar …
3
Parque da Pedra Branca no RJ: a maior floresta urbana do país
Pega um calçado confortável, passar protetor e repelente e Colaí nessa caminhada pelas trilhas do Parque da Pedra Branca, a …
4
Roteiro zen para fugir do caos de SP
Viver em SP é estar sempre ligadão no 220. Mas é legal dar uma freada no corre corre, né não? Colaí …
5
3 rolés pra curtir no Baixo Tijuca no Rio de Janeiro
A região do Baixo Tijuca tem muito o que oferecer quando o assunto é cerveja gelada! Colaí que eu tenho as …
6
Arena Digital de Curitiba: cinema e planetário no mesmo lugar
Ver as estrelas, mergulhar no fundo do mar, conhecer de pertinho todo o sistema solar. Tudo isso é possível em …
7
Uma voltinha no Mercado Público de Porto Alegre
Mais do que um ponto turístico, o Mercado Público de Porto Alegre concentra consumo, crença, cultura e tradição no centro …
8
3 jóias gastronômicas antigas de São Paulo
Afinal, panela velha é a que faz comida boa? Se depender da Casa Mathilde, da Padaria Santa Tereza e do …