8 formas de identificar um comportamento suicida

Com o objetivo de conscientizar sobre o Setembro Amarelo, a psicóloga Camila Reis lista uma série de comportamentos suicidas e como ajudar essas pessoas:

O suicídio é uma das causas de morte mais comum em todo o mundo e é considerado um problema de saúde pública. De acordo com o Mapa da Violência, de 2004 a 2014, a taxa de suicídio entre os adolescentes brasileiros de 10 a 14 anos aumentou 40% e houve também um aumento de 33% entre aqueles com idades entre 15 e 19. Diariamente, 28 pessoas se suicidam no Brasil e estima-se entre 10 e 20 tentativas para cada morte.

O suicídio é fenômeno complexo, com causas variadas. As histórias de vidas individuais, a particularidade que cada um lida com o sofrimento e a influência do ambiente social em que a pessoa está inserida, podem levar a maiores ou menores chances de suicídio. A depressão é a patologia que mais há correlação com o suicídio. O transtorno bipolar e o transtorno de personalidade borderline também são associados.

Devido a todo o seu tabu social e preconceito, por muitos anos o suicídio foi pouco discutido no Brasil e no mundo. Atualmente, a Organização Mundial de Saúde (OMS) tem incentivado países que apresentam dados consideráveis a investirem em políticas públicas que conscientizem e orientem a população para os sinais que demonstram que uma pessoa pode se matar. Em apoio a causa, o Setembro Amarelo, e com objetivo de esclarecer a população, abaixo segue uma lista com 8 formas de se identificar um possível suicida.

1. Observe os padrões comportamentais da pessoa

Entre as pessoas que se matam, há uma forte presença de um sofrimento profundo. Além disso, é comum vê-las remoendo pensamentos de forma obsessiva, sem conseguirem parar de fazê-lo. A vida para elas não tem sentido, dessa forma se sentem sem esperança e incapazes de mudar a sua condição, por isso não encontram outro modo para se livrar desse sofrimento.

É comum ver pessoas depressivas e suicidas sem energia para realizar tarefas básicas. Se você notar uma pessoa está com falta de energia e fica o dia inteiro na cama, com dificuldades para tomar decisões que antes resolvia normalmente e perda de interesse em atividades que antes eram prazerosas, essa pessoa está precisando de ajuda. Tente ouvi-la, conversar em um tom acolhedor e suave e procure uma ajuda profissional. A acompanhe e mostre o quanto você está ao lado dela. Leia o meu artigo “10 frases que só atrapalham pessoas com doenças psicológicas”.

2. Reconheça as drásticas mudanças de humor

Todos têm mudanças de humor durante o dia e isso é natural. Em alguns momentos você pode se sentir ótimo e vem uma notícia ruim ou um feedback negativo e a partir daí você muda de humor:  fica triste ou ainda, se achar que foi injusto, fica com raiva.

Entretanto, algumas pessoas sofrem alterações de humor extremas. Elas podem se sentir com um enorme vazio e tristeza. Pode ocorrer também um forte sentimento de raiva ou vingança, irritabilidade exagerada, intenso sentimento de culpa ou vergonha, como também sentem-se sozinhas, mesmo estando com outras pessoas. Pessoas que têm transtorno Bipolar ou borderline apresentam sentimentos extremos e podem agir de forma impulsiva. Fique atento a essas mudanças repentinas e exageradas. Se acredita que ela corre risco imediato, ligue para a emergência (disque 190).

3. Dê ouvidos aos alarmes e avisos verbais

A dor é tão profunda e o sofrimento tão sufocador, que parece que não há outra saída. Em um ato de desespero e pedido de ajuda, a pessoa que está pensando em tirar a sua própria vida grita por socorro. Ela geralmente fala: “não aguento mais”, “quero sumir”, “quero morrer”, “minha vida não vale a pena”, “não aguento essa dor”, “você vai sentir a minha falta quando eu for”, “vocês vão ficar melhores sem mim”, “era melhor não ter nascido” e outras falas que tem o sentido parecido.

Muitas pessoas não dão ouvidos a esses comentários e acham que são formas de chamar atenção. Já ouvi muito comentários como: “quem quer se matar, se mata, não fica avisando”. Este é um dos maiores absurdos, como citado anteriormente, para cada morte há entre 10 e 20 tentativas. Quem tenta se matar uma vez, pode tentar se matar de novo.

Preste atenção quando ouvir alguém falar assim. Ela pode está querendo te dizer algo e estar com um sofrimento profundo, se sentindo limitada. Procure uma ajuda especializada.

4. Note mudanças inesperadas

Continue lendo aqui: 8 formas de identificar um comportamento suicida 

Compartilhe:

1 / 8
1
03:00
Casa das Rosas: uma viagem no tempo na Avenida Paulista
Tem um cantinho histórico na Avenida Paulista, que é uma verdadeira viagem no tempo. Além de ser uma das construções mais …
2
05:40
Roteiro de férias: o que fazer em SP gastando pouco ou quase nada
Chegaram as férias de julho, e com ela diversos eventinhos lindos rolando em São Paulo! Para te dar aquele empurrãozinho …
3
02:44
Museu Mais Doce do Mundo: conheça o lugar mais instagramável de SP
Já pensou em “nadar” numa piscina de marshmallows, entrar em um donut gigante ou pular numa grande batedeira? Pois sua …
4
03:52
3 lugares em SP para você que é um apaixonado por livros
A cidade de São Paulo reserva ótimas surpresas para os apaixonados por livros. E é por isso que a Catraca …
5
04:21
Conheça um lugar onde criatividade e inovação fazem parte do dia a dia
A EBAC, além de oferecer uma série de cursos de graduação, especialização e iniciação em áreas como arte, design, audiovisual, …
6
03:17
3 bares em São Paulo escondidos em subsolos + 1 bônus imperdível
Entre o pé sujo e o bar classudo, há mais points inusitados do que a nossa mente pode imaginar! Como …
7
05:36
5 festas juninas em SP para comer até sair rolando
Chega junho e o coração até derrete! É tempo de Santo Antônio, forró arrasta pé, milho, fogueira, quentão, vinho quente, …
8
04:26
O melhor do fim de semana em SP: 27 e 28 de abril
Oi, pessoal! Vim aqui só com boas notícias! Tenho dicas maravilhosas para você curtir seu final de semana em São …