‘Anatol’, do Tapa, traz reação dos homens à libertação feminina

Texto do austríaco Arthur Schnitzler ganha adaptação dirigida por Eduardo Tolentino de Araujo

Até 26 de agosto de 2018

Domingo - Sexta - Sábado

Sex. e sáb., às 21h; dom., às 19h

R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)

O comportamento masculino frente à libertação social e sexual das mulheres é o tema de Anatol, que o grupo Tapa apresenta entre 3 e 26 de agosto no Teatro João Caetano, na Vila Mariana. A peça é o primeiro texto do polêmico dramaturgo austríaco Arthur Schnitzler (1862-1931), admirado por Freud pela semelhança entre suas ideias sobre a sexualidade humana.

Crédito: Ronaldo Gutierrez/DivulgaçãoGrupo Tapa monta ‘Anatol’, do austríaco Arthur Schnitzler, no Teatro João Caetano

Na peça, metido a Don Juan, Anatol e seu cúmplice Max se relacionam com várias mulheres — de burguesas a prostitutas, das classes mais altas às mais baixas, e de todas as idades. O texto, dividido em seis curtos episódios, traz mulheres já influenciadas pela libertação feminina que se iniciava na época e dava mais elasticidade à moral sexual da sociedade.

A obra busca examinar a vulnerabilidade do homem moderno, colocando em xeque a crença de seu domínio e supremacia sobre as mulheres, ao acompanhar as aventuras de Anatol. A efervescência artística e intelectual que tomou conta da Europa na virada dos séculos 19 para 20 serve como pano de fundo para a trama.

Apesar de ainda ser pouco conhecido no Brasil, a obra de Arthur Schnitzler chamou a atenção em países de língua alemã. O dramaturgo caiu, inclusive, nas graças do psicanalista Sigmund Freud, pela semelhança entre suas ideias sobre o comportamento humano. Um dos trabalhos mais conhecidos de Schnitzler é o conto “Breve Romance de Sonho” (“Traumnovelle”), que inspirou o filme “De Olhos Bem Fechados” (1999), dirigido por Stanley Kubrick.

A montagem de Anatol pelo Tapa tem direção de Eduardo Tolentino de Araujo. No elenco estão Adriano Bedin, Antoniela Canto, Ariel Cannal, Athena Beal, Bruno Barchesi, Camila Czerkes, Cinthya Hussey, Isabella Lemos e Natalía Moço.

Em parceria com SP Escola de Teatro

A SP Escola de Teatro é um equipamento da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo e tem por atribuições a formação profissional na arte teatral.

Compartilhe:

Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do usuário SP Escola de Teatro

A Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.