Cinefesta: cinema ao ar livre e festinha na laje da Fundição Progresso

Terceira edição de 2020 do projeto exibe filme "Nise - O Coração da Loucura"

05 de março de 2020

Abertura da casa: 19h. Projeção do filme: 20h30. Festa: 22h

Cinema ao ar livre, pipoca, cerveja gelada e fexxxxxxxtchenha! Essa é a combinação I-R-A-D-A prometida pelo projeto “Cinefesta”, que organiza uma vez por mês sessões de filmes a céu aberto na laje da Fundição Progresso, seguidas por bate-papo e uma festa regada a boa música. E o melhor: você pode curtir uma vista incrível dos Arcos da Lapa!

telhado da Fundição Progresso
Crédito: @fundicao/FacebookCinefesta tem sessão de cinema ao ar livre e festinha com uma vista incrível dos Arcos da Lapa

Na terceira edição de 2020, o “Cinefesta” projeta o filme “Nise – O Coração da Loucura” (2015), dirigido por Roberto Berliner, que conta a história de Nise da Silveira, uma das primeiras médicas do país, responsável por revolucionar o atendimento psiquiátrico.

Inconformada com o tratamento de esquizofrênicos à base de eletrochoques e lobotomia, ela propôs uma nova forma de terapia. Suas armas foram as telas, tintas e pincéis. Dentre as diferentes atividades, pintura e modelagem se destacaram como um meio de acesso ao mundo interno dos pacientes. Este foi o marco fundador da Seção de Terapêutica Ocupacional do Centro Psiquiátrico Nacional, em 1946.

Como resultado, esses pacientes apresentaram uma melhora significativa e maior inserção social. Ao mesmo tempo, o valor artístico de muitos deles ganhou reconhecimento internacional. E a produção nos ateliês foi tão intensa que, em 1952, foi criado o Museu de Imagens do Inconsciente, em funcionamento até hoje. Para quem quiser visitar, o endereço é (Rua Ramiro Magalhães, 521, Engenho de Dentro).

Nise da Silveira
Crédito: Centro Cultural da Saúde/ Ministério da SaúdeNise da Silveira revolucionou o tratamento psiquiátrico

No longa, protagonizado por Gloria Pires, o público acompanha toda a luta de Nise, enfrentando, inclusive, a hostilidade dos colegas de trabalho, que discordavam da sua forma de tratamento e a isolaram.

CIRCO VOADOR RECEBE SHOWZÕES COM 50% DE DESCONTO O ANO TODO

Nascida em 1905 em Maceió, Nise foi uma das primeiras mulheres brasileiras a se formar em Medicina. Ela cursou a Faculdade de Medicina da Bahia e era a única mulher entre os 157 homens daquela turma.

Casou-se com o sanitarista Mário Magalhães da Silveira, seu colega de turma na faculdade, com quem viveu até seu falecimento em 1986. Eles se mudaram para o Rio de Janeiro em 1927, onde teriam mais oportunidades de trabalho.

Nos anos 1930, Nise militou no Partido Comunista Brasileiro e foi uma das poucas mulheres a assinar o “Manifesto dos trabalhadores intelectuais ao povo brasileiro”. No entanto, foi expulsa de sua célula, sob a acusação de trotskismo. Em 1933, iniciou a carreira no serviço público ao trabalhar no Serviço de Assistência a Psicopatas e Profilaxia Mental do Hospital da Praia Vermelha.

Nise, o coração da loucura
Crédito: ReproduçãoFilme com Glória Pires retrata toda a luta de Nise da Silveira

Sua sorte mudou em 1935, durante a Intentona Comunista (golpe contra o governo de Getúlio Vargas) ,quando foi denunciada por uma enfermeira por possuir livros marxistas. Por isso, passou 18 meses no presídio Frei Caneca, onde conviveu com Graciliano Ramos e se tornou uma das personagens do livro “Memórias do Cárcere”. Ela só pôde voltar ao serviço público em 1944, quando iniciou a trajetória que a tornou conhecida.

Nise da Silveira morreu aos 94 anos, em 1999, após complicações em decorrência de uma pneumonia.

A sessão do filme no “Cinefesta” acontece no dia 5 de março, a partir das 19h, e é seguida por uma super festa. Os ingressos estão à venda pela internet por R$15, com direito a pipoca. Não perca!!!!

Quer curtir um som na Fundição Progresso? Dá só uma olhada:

Agência Fática

Em parceria com Agência Fática

A Fática é uma agência de comunicação especializada em produzir conteúdos sobre cultura em suas diferentes linguagens.