Imagem do Topo

Letícia Sabatella encena ‘A Vida Em Vermelho’ de graça em SP

O espetáculo promove um encontro improvável entre Bertolt Brecht (1898-1956) e Edith Piaf (1915-1963)

Por: Redação | Comunicar erro
Até
29
de julho 2018
Domingo - Quinta - Sexta - Sábado
Quinta-feira a sábado, às 20h
Domingo, às 19h

Em cartaz até 29 de julho, o espetáculo “A Vida Em Vermelho“, encenado por Letícia Sabatella e Fernando Alves Pinto, ganha curta temporada no palco do Itaú Cultural, em São Paulo. Com texto de Aimar Labaki e direção de Bruno Perillo, a montagem põe em cena o poeta e dramaturgo alemão Bertolt Brecht (1898-1956) e a cantora francesa Edith Piaf (1915-1963), num passeio por reflexões e uma coletânea de grandes canções, interpretadas ao vivo.

Com tradução em Libras, as sessões ocorrem de quinta-feira a domingo, 19 a 22 e 26 a 29 de julho, e contam com entrada inteiramente gratuita. A retirada de ingressos ocorre com 1h de antecedência (limite de um por pessoa).

Peça "A Vida em Vermelho"
Crédito: Flávia CanavarroLetícia Sabatella e Fernando Alves Pinto interpretam texto de Aimar Labaki

Desde 2016 nos palcos, “A Vida em Vermelho” promove o encontro de dois grandes artistas do século XX, com ideologias e visões de mundo radicalmente opostas. Bertolt Brecht conceituou a tragédia do homem, revolucionou o teatro mundial e lançou um olhar profundo para as relações humanas no sistema capitalista, a mesma sociedade que a consumiu. Já Edith Piaf, viveu na miséria ao longo da infância, sofreu as dores do amor, virou uma das cantoras mais amadas da França, viveu com intensidade e encontrou a solidão – poderia ser uma personagem do teatro brechtiano.

Letícia Sabatella
Crédito: Flávia CanavarroLetícia Sabatella cursou escola de arte dramática, mas abandonou ao ser convidada para participar do especial ”Os Homens Querem Paz”, após teste na TV Globo em 1991. Tem formação em balé, canto lírico, teatro e coral, pesquisas sobre o trabalho de ator, de voz e de corpo. Possui mais de 20 novelas e séries no currículo. Em 2008, lançou o documentário ”Hotxuá”. Em 2009, interpretou sua primeira vilã em novelas, em ”Caminho das Índias”. Em 2012, foi confirmada em ”The Mother War”, filme estrangeiro com co-produção dos EUA e Itália, no qual interpretaria a guerreira Anita Garibaldi. Em 2013, retornou às novelas em ”Sangue Bom”, e no ano seguinte participou da série ”Sessão de Terapia”. No teatro, suas montagens mais recentes são ”Alma Boa de Lugar Nenhum”, ”Trágica 3”, ”Haiti Somos Nós” e ”Caravana Tonteria”

Nesse improvável encontro, a dupla se reúne ao entardecer para um ensaio em um antigo cabaret, onde se apresentarão à noite acompanhados por três músicos. Vidas, obras, anseios, medos e realizações são alguns dos temas que conduzem a conversa entre os dois.

Como se estivesse em uma competição, o duo  interpreta suas principais canções, além de músicas de época. Mas, mais do que competir pelo título de melhor cancioneiro, eles disputam pelo melhor modo de vida. A partir de cartas, solilóquios, memórias e autocitações, Brecht coloca o homem em xeque, enquanto Piaf expõe a própria alma – ao longo da encenação, no entanto, esses dois universos mostram que podem coexistir.

Fernando Alves Pinto
Crédito: Flávia CanavarroFernando Alves Pinto começou a fazer teatro ainda na escola. Em 1987, foi morar em Nova York, onde fez interpretação e malabarismo, e atuou em peças como ”LaMama”. Na televisão, em 1997, fez a novela ”Direito de Nascer”, entre outros, e o cinema, elencou mais de 30 longa metragens, a exemplo de ”Terra Estrangeira” (1994), ”Menino Maluquinho 2 – A Aventura” (1998), ”Eu Não Conhecia Tururu” (2000), de Florinda Bolkan, ”Anahy de las Missiones” (1997), de Sergio Silva, e ”Mater Dei” (2001), de Vinicius Mainardi. Atuou também em curtas-metragens como ”Quatro Minutos” (1997), de Sergio Volpi, e ”Negócio Fechado” (2001), de Rodrigo Costa. Em 2004, participou em ”Araguaya – A Conspiração do Silêncio”, de Ronaldo Duque, e em ”Quase Dois Irmãos”, de Lúcia Murat. Em 2007, fez o filme ”A Via Láctea”, em 2009, ”Dois Coelhos”, de Afonso Poyart, e em 2010, ”Nosso Lar”. No teatro, participou de” A Mulher Que Ri” (2008), ”Cartas de Amor” (2012) e mais recentemente fez parte do elenco da montagem teatral de ”Caravana Tonteria”

Também participam do espetáculo os músicos Demian Pinto (piano), Zéli Silva (contrabaixo acústico) e Giba Favery (bateria e percussão).