Últimas notícias:

Loading...

Pinacoteca resgata ancestralidade na mostra ‘Enciclopédia Negra’

Exposição reúne 103 retratos de personalidades negras que foram apagadas da história, feitos por 36 artistas contemporâneos

Por: Redação
Ouça este conteúdo

Até 08 de novembro de 2021

Segunda - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo

De quarta-feira a segunda, das 11h às 19h (é necessário comprar/reservar ingressos pelo site)

Você sabe quem foi Carucango? As trajetórias desse líder escravo que comandou um dos maiores quilombos do RJ e de outras personalidades negras apagadas da história do Brasil são recontadas pela exposição “Enciclopédia Negra”.

A mostra pode ser conferida entre os dias 1º de maio e 8 de novembro, na Pinacoteca de São Paulo, de quarta-feira a segunda, das 11h às 19h. Os ingressos custam até R$20 (exceto aos sábados, quando a entrada é grátis) e devem ser comprados/reservados no site da instituição.

Enciclopédia Negra - pinacoteca
Crédito: "Curunkango" | Acrílica e spray sobre tela, 50 x 80 cm. Obra feita por Michel Cena7 - divulgaçãoCarucango liderou um dos maiores quilombos do RJ, um poderoso centro de resistência contra a escravidão

Os 103 retratos que compõem a exposição foram criados por 36 artistas contemporâneos para ilustrar a “Enciclopédia Negra”, feita pelos pesquisadores Flávio Gomes e Lilia M. Schwarcz e o artista Jaime Lauriano, publicada em março pela Companhia das Letras.

A obra reúne a biografia de 550 personalidades negras, em 416 verbetes individuais e coletivos. A ideia é reparar, de forma simbólica, a injustiça histórica com essas figuras, cujas narrativas foram simplesmente apagadas ou nunca registradas por conta do racismo que estrutura a nossa sociedade.

Enciclopédia Negra
Crédito: Artista: Panmela Castro | Retratados: Mathias Henrique da Silva/Faustino da Silva (SP) - reprodução de Filipe Berndt/divulgaçãoTambém conhecida pelo seu trabalho com graffiti, a artista Panmela Castro é uma das convidadas para a mostra “Enciclopédia Negra”

A exposição é um desdobramento da publicação e se conecta com o novo olhar apresentado pela coleção do museu, que se apoia em questionamentos contemporâneos e reverbera narrativas mais inclusivas e diversas. Por isso, todas as obras serão incorporadas ao acervo da instituição. Bacana, né?

Entre os artistas convidados, estão Antonio Obá, Arjan Martins, Bruno Baptistelli, Daniel Lima, Desali,  Hariel Revignet,  Igi Ayedun, Jackeline Romio,  Juliana dos Santos, Lidia Lisboa, Marcelo D’Salete,  Micaela Cyrino, Michel Cena7, Mônica Ventura, Mulambö, Nadia Taquary, Nathalia Ferreira, Oga Mendonça, Panmela Castro, Sonia Gomes e Tiago Sant’Ana.

Esse timão poderoso escolheu representar figuras como Carucango, Justina Maria do Espírito Santo, Chico Rei, Zumbi, Francisca Luiz, Mathias Henrique da Silva, Faustino da Silva e muites outres.

Enciclopédia Negra - Pinacoteca
Crédito: Artista: Arjan Martins | Retratado: Zumbi (PE – AL) - reprodução de Filipe Berndt/divulgaçãoÓbvio que o líder quilombola Zumbi dos Palmares não poderia deixar de entrar para a “Enciclopédia Negra”

E as obras estão divididas em seis núcleos temáticos, de acordo com o perfil e a luta de cada figura representada. São eles: “Rebeldes”, “Personagens Atlânticos”, “Protagonistas Negras”, “Artes e Ofícios”, “Projetos de Liberdade” e “Religiosidade e ancestralidades”.

Há registros de quem liderou movimentos de resistência; negociou condições de emprego e de vida; das mulheres que tiveram de ser separadas de seus filhos; daquelas que, com seu trabalho, conseguiram comprar suas alforrias; dos mestres curandeiros, dos professores, advogados, artistas, entre outros.

Além dos trabalhos expostos na “Enciclopédia Negra”, você pode conferir outras obras que foram emprestadas da exposição permanente “Pinacoteca: Acervo”. Algumas delas são assinadas por Arthur Timóteo da Costa, Heitor dos Prazeres, Sidney Amaral, Mestre Didi e Rubem Valentim.

Preserve sua saúde!

Para garantir a sua segurança, a Pinacoteca preparou uma série de cuidados que você deve respeitar durante a visita à exposição, de acordo com as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS). A primeira delas é que a venda/reserva de ingressos será sempre online e o museu funciona com capacidade reduzida. Leve seu voucher impresso ou no celular para facilitar a entrada.

Além disso,  para entrar no espaço você deve vestir máscara (cobrindo toda a boca e nariz) e sua temperatura corporal será medida (quem tiver com mais de 37,5ºC e sintomas visíveis de gripe não poderá ver a exposição). Também não é recomendável usar mochilas, sacolas e bolsas muito grandes, pois o guarda-volumes funciona parcialmente. Não vá à Pina de carro, pois o estacionamento está fechado.

Durante a visitação, respeite a distância de 1,5 metro entre as pessoas, siga o trajeto indicado, não consuma alimentos e bebidas no museu, não tire sua máscara para fotos e não descarte luvas, máscaras e objetos de uso pessoal no lixo do espaço. A instituição disponibiliza álcool em gel 70% em vários cantos.


#DicaCatraca: sempre lembre de usar a máscara de proteção, andar com álcool em gel e sair de casa somente se necessário! Caso pertença ao grupo de risco ou conviva com alguém que precise de maiores cuidados, evite passeios presenciais. A situação é séria! Vamos nos cuidar para sair desta pandemia o mais rápido possível. Combinado? ❤


Quer mais artes poderosas? Dá uma olhada nestas dicas: