Imagem do Topo

Exposição revela maloca de Adoniran Barbosa no Farol Santander

Mostra inédita 'Trem das Onze' reúne mais de 100 itens do acervo pessoal do músico, entre filmes, discos, documentos, fotografias e partituras

Por: Redação | Comunicar erro
Até
30
de dezembro 2018
Domingo - Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado
De terça a sábado, das 9h às 20h, e aos domingos, das 9h às 19h

“Não posso ficar nem mais um minuto com você / Sinto muito amor, mas não pode ser / Moro em Jaçanã | Se eu perder esse trem que sai agora às onze horas / Só amanhã de manhã…”. Sucessos de Adoniran Barbosa como esse não podem faltar em uma autêntica roda de samba paulista. Agora você também terá a oportunidade de conhecer aspectos da vida do sambista mais amado do Bixiga na exposição “Trem das Onze – Uma viagem pelo mundo de Adoniran”, em cartaz no Farol Santander, no Centro de São Paulo, entre 24 de julho e 30 de dezembro.

A visitação acontece de terça a sábado, das 9h às 20h, e aos domingos, das 9h às 19h. Os ingressos custam até R$20, com direito à visitação completa do espaço, com destaque para o mirante, com vista incrível da cidade.

Guarda-chuva estampado com foto de Adoniran Barbosa
Crédito: David Rosseto - Latina Estudio - divulgaçãoA Sala da Garoa revela uma São Paulo que hoje só existe em fotos antigas e nos sambas de Adoniran.
Sala da Garoa iluminada com luz azul
Crédito: David Rosseto - Latina Estudio - divulgaçãoSala da Garoa tem chão espelhado que reflete imagens antigas de São Paulo e fotos de Adoniran
Fotografia de Adoniran na juventude
Crédito: David Rosseto - Latina Estudio - divulgaçãoExposição narra trajetória de João Rubinato, mais conhecido como Adoniran Barbosa
Sala da exposição
Crédito: David Rosseto - Latina Estudio - divulgaçãoA exposição reúne mais de 100 itens do acervo raro de Adoniran Barbosa
Pôster com foto de Adoniran Barbosa
Crédito: David Rosseto - Latina Estudio - divulgaçãoAcervo foi organizado pela esposa de Adoniran ao longo de 40 anos
Sala com fotos de Adoniran Barbosa
Crédito: David Rosseto - Latina Estudio - divulgaçãoA exposição "Trem das Onze" está dividida em 10 salas
Sala que reproduz vagão de metrô, com fotos de Adoniran nas janelas
Crédito: David Rosseto - Latina Estudio - divulgaçãoExposição de Adoniran revela aspectos pouco conhecidos do músico
Sala que reproduz vagão de metrô, com fotos de Adoniran nas janelas
Crédito: David Rosseto - Latina Estudio - divulgaçãoA exposição reúne fotos inéditas de Adoniran Barbosa
Sala com miniaturas feitas pelo sambista
Crédito: David Rosseto - Latina Estudio - divulgaçãoUma faceta pouco conhecida de Adoniran é a de artesão. Ele adorava esculpir miniaturas
Foto de Adoniran Barbosa estampada em uma camiseta
Crédito: David Rosseto - Latina Estudio - divulgaçãoExposição de Adoniran Barbosa reúne objetos pessoais, documentos, recortes de jornais e revistas, filmes, fotografias, partituras e discos, além de trechos do documentário “Adoniran – meu nome é João Rubinato”.
Sala da exposição Trem das Onze
Crédito: David Rosseto - Latina Estudio - divulgaçãoO visitante da mostra tem a oportunidade de conhecer histórias sobre grandes sucessos de Adoniran Barbosa
recortes de jornal e discos de Adoniran Barbosa
Crédito: David Rosseto - Latina Estudio - divulgaçãoO acervo da mostra tem também recortes de jornais e revistas sobre o sambista
Adoniran no filme
Crédito: David Rosseto - Latina Estudio - divulgaçãoO filme "O Sertanejo" não foi rodado, mas seu roteiro pode ser contemplado na exposição
A mostra
Crédito: David Rosseto - Latina Estudio - divulgaçãoA mostra "Trem das Onze" fica em cartaz até 30 de dezembro

Com curadoria do cineasta Pedro Serrano e do jornalista Celso de Campos Jr., biógrafo do sambista, a exposição reúne mais de 100 itens raros do acervo pessoal do músico, que foi organizado ao longo de 40 anos pela esposa dele, Matilde, e mantido preservado desde os anos de 1980. Organizada em dez salas imersivas, essa vasta coleção reúne objetos pessoais, documentos, recortes de jornais e revistas, filmes, fotografias, partituras e discos, além de trechos do documentário “Adoniran – meu nome é João Rubinato”.

Alguns destaques desse acervo são os icônicos chapéu e gravata borboleta, a característica mais marcante no visual de Adoniran; a aliança de noivado feita para a esposa com a corda de um cavaquinho, história conhecida no samba “Prova de Carinho”; roteiros de radionovelas em que atuou, com anotações originais; fotografias inéditas; partituras de canções nunca gravadas; e o roteiro do filme “O Sertanejo”, que nunca foi rodado, com dedicatória de Lima Barreto.

O visitante encontra logo na entrada, na sala Saudosa Maloca, um varal com roupas estampadas com fotos de importantes momentos da vida do compositor e a partitura da música que dá nome ao espaço. Também há objetos de época, como bicicleta, abajur, violão, toca-discos, luminária de taxi e máquina fotográfica. A ideia desse ambiente é narrar a trajetória de João Rubinato, o nome de batismo do sambista, no início da carreira, entre 1920 e 1950.

No espaço Estação de Trem, que reproduz uma estação ferroviária dos anos de 1970, o público conhece a história de “Trem das Onze”, que venceu o prêmio de melhor samba no Carnaval do Rio de Janeiro de 1965 e é considerado o maior sucesso de Adoniran. Por meio de uma miniatura de locomotiva, o visitante conhece a faceta pouco conhecida do músico: a de artesão. Na sala Oficina, uma recriação da garagem de Barbosa, há outras peças feitas por ele, como bicicletinhas, utensílios domésticos e um parque de diversões.

A sala Vagão de Trem reproduz a atmosfera do primeiro LP de Adoniran, de 1974, que conta com os sucessos “As Mariposas”, “Apaga o Fogo Mané”, “Já Fui Uma Brasa” e “Bom Dia Tristeza”; o espaço Plataforma do Metrô destaca o segundo disco, lançado em 1975, com o clássico “Samba do Arnesto”; e no ambiente Vagão do Metro, sobre o terceiro disco, de 1980, há histórias sobre “Tiro ao Álvaro” e “Torresmo à Milanesa”.

Outro destaque é a sala Cine e TV, com entrada através de uma enorme caixa de fósforos, uma referência ao único instrumento que Adoniran tocava e também à época em que os pais dele chegaram a São Paulo, vindos da região do Vêneto na Itália, no final do século 19, quando eram distribuídas caixinhas de fósforo com publicidade para atrair imigrantes italianos ao Brasil. O espaço exibe trechos de filmes e novelas dos quais o artista participou, como os raros longas “Pif-Paf”, “Caídos do Céu” e “O Cangaceiro”.

Assista abaixo ao curta-metragem “Adoniran Barbosa – Dá Licença de Contar”, do cineasta e curador Pedro Serrano, com participação especial de Paulo Miklos no papel do sambista.