‘Festival Afreaka’ pretende quebrar estereótipos na Biblioteca Mário de Andrade

Por: Redação | Comunicar erro

A Biblioteca Mário de Andrade recebe o “Festival Afreaka: encontros entre Brasil e África Contemporânea”, que acontece entre os dias 9 e 27 de junho com entrada Catraca Livre. A iniciativa multidisciplinar visa romper os estereótipos africanos presentes no Brasil e oferece o melhor das artes visuais e gráficas, literatura e ciências humanas do mundo africano.

A programação conta com três instalações expográficas fixas. A Exposição Protagonistas Africanos oferece ao público um mergulho nas expressões contemporâneas que abordam sustentabilidade, artes e sabedorias complexas do continente. Já a mostra Mulheres Africanas, da artista plástica Surama Caggiano, traz composições em mosaico de belas mulheres negras, que estimulam o povo brasileiro a ir ao encontro de sua origem em África.

E por fim, no terceiro andar, o visitante pode presenciar o encontro explosivo de cores e contrastes, onde as lentes africanas e afro-brasileiras se unem trazendo a sensibilidade e inovação artística na fotografia.

No festival também rolam seis workshops, duas palestras e quatro mesas de debates com grandes nomes africanos e brasileiros das artes contemporâneas para pensar novas formas de discussão sobre a produção cultural e o protagonismo negro. Além disso, cinema e grafitti não ficam de fora, e garantem preencher o festival com cores e imagens.

O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.
O evento é inspirado na proposta do coletivo Afreaka, que se apresenta como uma plataforma de mídia, educação e produção cultural, que comunica para desenvolver e quebrar velhos pensamentos estereotipados acerca de África e tudo que envolve sua história e cultura.

Confira a programação completa:

[tab:9/6]

19h30 – Mesa de debate “Brasil e África: entre tradições e modernidades” Com: Malama Katulwende (Zãmbia) e Raquel Trindade (Brasil)

[tab:10/6]

17h – Sessão de cinema:
Jardim das Folhas Sagradas (Pola Ribeiro)

19h30 – Workshop:
Laboratório Criativo: Inovação digital na Nigéria
Com Bosun Tijani CC Hub (Nigéria)

[tab:11/6]

17h – Sessão de cinema:
Dear Mandela (Dara Kell)

19h30 – Workshop:
O avanço criativo da Arte Digital
Com Jepchumba (Quênia/África do Sul)

[tab:12/6]

19h30 – Sessão de cinema:
Guimba (Cheick Omar Sissoko)

[tab:13 e 14/6]

9h às 17h – Painéis Urbanos: Integração, Arte e Grafite:
Com Docta (Senegal) e Alexandre Keto (Brasil)
Local: Hemeroteca BMA, Rua Dr. Bráulio Gomes, nº.125 (Ao lado da Biblioteca Mário de Andrade:)

[tab:16/6]

14h – Palestra Identidades e Deslocamentos:
Com Alexandra B. Loras – Consulesa da França no Brasil (França)

17h – Sessão de cinema:
Menina Mulher da Pele Preta (Renato Cândido)

19h30 – Otello Burning (Sara Blecher)

[tab:17/6]

17h – Sessão de cinema – CURTAS
Discriminação não é legal (Daniel Caetano)
Yellow Fever (Ng’endo Mukii)
Balé Pé no Chão (Lilian Solá Santiago)
Graffiti (Lilian Solá Santiago)

19h30 – Workshop:
Cabelos como Arte Política
Com Manifesto Crespo (Brasil)

[tab:18/6]

14h – Mesa de Debate: Empoderamento do Cinema Negro no Brasil:
Com Jeferson De (Brasil) e Viviane Ferreira (Brasil)

17h – Sessão de cinema -CURTAS
Narciso Rep (Jeferson De)
Quarto de Despejo (Jeferson De)
O Dia de Jerusa (Viviane Ferreira)

19h30 – Workshop:
Os cortes da estética afro futurística
Com Wale Oyedije (Nigéria)

[tab:20/6]

13h – Palestra Afreaka: Protagonismo em movimento: África fora dos Estereótipos
Com Flora Pereira e Natan de Aquino, Projeto Afreaka (Brasil)

[tab:24/6]

14h00 – Mesa de Debate: A arte afro-brasileira contemporânea: Ativismo como essência
Surama Caggiano (Brasil) e Moisés Patrício (Brasil)

[tab:25/6]

17h – Sessão de cinema:
100% Dakar – More than art (Sandra Krampelhuber)

19h30 – Workshop:
Mídia Alternativa: resistência, inovação e inventividade – Revista Chimurenga Com Graeme Arandse (África do Sul)

[tab:26/6]

18h Workshop:
Artes Performáticas e Experiências Multimídias
Com Ishola Akpo (Costa do Marfim e Benim)
+ performance

[tab:27/6]

13h – Mesa de encerramento:
Manifestações contemporâneas e ativismos literários

Com Paulina Chiziane (Moçambique) e Ana Maria Gonçalves 

Compartilhe: