Imagem do Topo

Galeria de arte itinerante Ballon Rouge realiza exposição em SP

Mostra 'Deserto Americano', da brasileira Bruna Canepa, mistura fragmentos de arquitetura com noções de paisagem, geografia e tempo

Por: Redação Comunicar erro
Até
16
de setembro 2018
Terça - Quarta - Quinta - Sexta
De terça a domingo, das 12h às 18h (apenas com horário agendado).

A galeria itinerante internacional Ballon Rouge Collective, que organiza mostras de artes plásticas em várias cidades do mundo, desembarca em São Paulo com a exposição “Deserto Americano”, da artista e arquiteta brasileira Bruna Canepa. A mostra fica em cartaz no Espaço Isla, entre 4 e 16 de setembro, com visitação apenas em horários marcados, de terça-feira a domingo, das 12h às 18h. O agendamento é feito pelo telefone (11) 98126-1413 ou pelo e-mail contato@isla-sp.com.

Obra Alvorada, de Bruna Canepa
Crédito: artista Bruna Canepa, Título AlvoradaA curadoria da exposição é da arquiteta e designer Sol Camacho, embaixadora da Ballon Rouge Collective em São Paulo

Com curadoria da arquiteta e designer Sol Camacho, a exposição reúne dez desenhos feitos por Canepa, com ferramentas básicas de sua profissão. No papel, ela mistura as noções de paisagem, geografia e tempo com elementos facilmente reconhecíveis da arquitetura, como colunas, janelas e portas.

Esses fragmentos de arquitetura são projetados pela artista em vários cantos do continente americano, do Arizona, nos Estados Unidos, ao Atacama, no Chile. As obras provocam no espectador uma sensação de já ter visto os lugares reproduzidos, mas não é possível reconhecer ao certo onde eles ficam e nem se a cena se passa no presente, passado ou futuro.

obra Colunas, de Bruna Canepa
Crédito: Artista Bruna Canepa, Título Colunas - divulgaçãoA mostra ‘Deserto Americano’, de Bruna Canepa, reúne desenhos com fragmentos de arquitetura projetados em diferentes paisagens

Criada em 2017, em Istambul, na Turquia, a galeria itinerante Ballon Rouge Collective já passou também por Londres (Inglaterra), Los Angeles (EUA) e Bruxelas (Bélgica); e ainda deve chegar, até o final do ano, a Paris (França) e a Nova York (EUA). Em cada uma dessas cidades há um embaixador do projeto, que é responsável pela curadoria das exposições propostas.