Publicidade

Informar

Henri Matisse é homenageado em mostra na Caixa Cultural

Por: Redação | Comunicar erro
...
Publicidade

O artista francês Henri Matisse (1869-1954) ganha uma homenagem a partir do dia 25 de outubro, na Caixa Cultural Rio de Janeiro. Chamada “Henri Matisse – Jazz“, a exposição traz 20 pranchas originais impressas com ilustrações o álbum “Jazz”, publicado em 1947.

A mostra tem entrada Catraca Livre e visitação aberta até 22 de dezembro, sempre de terça a domingo, das 10h às 21h. Na abertura, dia 24,às 19h, a curadora Anna Paola Baptista oferece uma visita guiada.

O artista francês Henri Matisse (1869-1954) ganha uma homenagem a partir do dia 25 de outubro, na Caixa Cultural Rio de Janeiro.
O artista francês Henri Matisse (1869-1954) ganha uma homenagem a partir do dia 25 de outubro, na Caixa Cultural Rio de Janeiro.
O artista francês Henri Matisse (1869-1954) ganha uma homenagem a partir do dia 25 de outubro, na Caixa Cultural Rio de Janeiro.
O artista francês Henri Matisse (1869-1954) ganha uma homenagem a partir do dia 25 de outubro, na Caixa Cultural Rio de Janeiro.
O artista francês Henri Matisse (1869-1954) ganha uma homenagem a partir do dia 25 de outubro, na Caixa Cultural Rio de Janeiro.
O artista francês Henri Matisse (1869-1954) ganha uma homenagem a partir do dia 25 de outubro, na Caixa Cultural Rio de Janeiro.
O artista francês Henri Matisse (1869-1954) ganha uma homenagem a partir do dia 25 de outubro, na Caixa Cultural Rio de Janeiro.
O artista francês Henri Matisse (1869-1954) ganha uma homenagem a partir do dia 25 de outubro, na Caixa Cultural Rio de Janeiro.
O artista francês Henri Matisse (1869-1954) ganha uma homenagem a partir do dia 25 de outubro, na Caixa Cultural Rio de Janeiro.
O artista francês Henri Matisse (1869-1954) ganha uma homenagem a partir do dia 25 de outubro, na Caixa Cultural Rio de Janeiro.
O artista francês Henri Matisse (1869-1954) ganha uma homenagem a partir do dia 25 de outubro, na Caixa Cultural Rio de Janeiro.
O artista francês Henri Matisse (1869-1954) ganha uma homenagem a partir do dia 25 de outubro, na Caixa Cultural Rio de Janeiro.

As imagens deste mestre da pintura misturam figuras e desenhos abstratos com textos manuscritos. O próprio autor esclarece que a composição aborda assuntos ligados ao circo, contos populares e viagens, com ritmo identificável aos sons de uma orquestra de jazz.

Segundo o crítico de arte Paulo Harkenhoff, o conjunto de desenhos feitos com tesoura se destaca como “o mais belo livro de arte do século XX”. A técnica foi desenvolvida por Matisse no início da década de 1940, quando, obrigado a passar longos períodos na cama e na cadeira de rodas em recuperação de uma delicada cirurgia, o artista combinou desenho e pintura em colagens feitas com papeis recortados e coloridos com guache.

Durante dois anos, o pintor experimentou cores e formas, utilizando folhas de papel que coloria com vivos e brilhantes tons de guache. Recortava até atingir o resultado que pretendia. O processo de edição do álbum, iniciado em 1942, durou cinco anos. O título foi definido em 1944 e a ideia de incluir texto, dois anos depois. No total, foram publicados 250 exemplares do álbum, dos quais apenas dois estão no Brasil. As obras apresentadas integram o acervo dos Museus Castro Maya, no Rio de Janeiro.

https://catracalivre.com.br/rio/agenda/barato/museu-do-amanha-desvenda-a-olho-nu-misterios-do-corpo-humano/

Compartilhe:

Publicidade
Publicidade

Você sabe o que é feminicídio?

O restaurante de comida havaiana do ex-masterchef Ravi

Conheça o lavandário de Cunha

ASMR: O fenômeno do "orgasmo mental"

Publicidade