Indígenas contam sua própria história em exposição na USP

Na mostra, indígenas falam sobre quem eles são hoje, uma vez que suas histórias costumam ser contadas levando em conta apenas o passado

Por: Redação
Até
01
de março 2020
Segunda - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado
segunda, quarta, quinta e sexta, das 9h às 17h
sábado, das 10h às 16h

“A sabedoria dos nossos povos ancestrais nos une e nos fortalece” é a frase estampada na placa que indica a área da exposição dedicada aos povos indígenas, no Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da USP. Ela está escrita na primeira pessoa, assim como a maioria das inscrições relacionadas aos grupos retratados. A frase introdutória, toda a disposição do espaço e os itens expostos foram feitos conforme a preferência deles.

exposição "Resistência Já! Fortalecimento e União das Culturas Indígenas" do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da USP
Crédito: Cecília Bastos/USP ImagensEntrada do espaço dedicado à cultura kaingang na exposição “Resistência Já! Fortalecimento e União das Culturas Indígenas” do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da USP

A exposição “Resistência Já! Fortalecimento e União das Culturas Indígenas” teve como proposta atender a três reivindicações dos grupos. Além do direito de falar por si, eles buscam um retorno sobre o que foi feito durante tantos anos com os diversos objetos coletados de seus ancestrais entre o fim do século XIX e 1947 na região paulista.

Por fim, esses povos desejam também falar sobre quem eles são hoje, uma vez que suas histórias costumam ser contadas levando em conta apenas o passado.

Além disso, por meio desse projeto é possível ressignificar o papel do museu e ressaltar sua importância para os próprios povos indígenas, uma vez que eles precisam dessa ancestralidade para manter suas culturas vivas, fortes e resistentes.

exposição "Resistência Já! Fortalecimento e União das Culturas Indígenas" do Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da USP
Exposição “Resistência Já! Fortalecimento e União das Culturas Indígenas” apresenta vestimentas tradicionais dos povos indígenas de São Paulo

A exposição fica em cartaz até março de 2020, com portas abertas de segunda, quarta, quinta e sexta, das 9h às 17h, e de sábado, das 10h às 16h. A mostra conta também com duas aberturas, todas com apresentação de dança, artesanato e pintura corporal. No dia 10 de maio, o grupo guarani nhandewa é quem abre o evento e, em 14 de junho, o grupo terena. Em todas as datas, a abertura acontece das 14 às 18 horas, e a entrada é gratuita.

1
5 blocos incríveis para curtir o Carnaval de rua no Rio
Carnaval está aí e é chegada a hora da gente decidir quais blocos nós vamos arrasar as nossas fantasias, confetes, …
2
5 blocos incríveis para curtir o carnaval de rua de SP
O Carnaval está aí! É chegada a hora de escolher os blocos para arrasar na passarela das ruas, ostentando fantasias, …
3
BH: Jetiboca tem café incrível a R$ 3, pão de queijo e muito amor
Um dos lugares mais incríveis e inusitados no centro de Belo Horizonte, em Minas Gerais, é o Mercado Novo. Há …
4
3 trilhas no Rio com vistas de tirar o fôlego
Esse vídeo é para os amantes de ecoturismo, ou mesmo para quem quer começar a fazer trilhas e se conectar …
5
Parque da Pedra Branca no RJ: a maior floresta urbana do país
Pega um calçado confortável, passar protetor e repelente e Colaí nessa caminhada pelas trilhas do Parque da Pedra Branca, a …
6
Roteiro zen para fugir do caos de SP
Viver em SP é estar sempre ligadão no 220. Mas é legal dar uma freada no corre corre, né não?Colaí …
7
3 rolés pra curtir no Baixo Tijuca no Rio de Janeiro
A região do Baixo Tijuca tem muito o que oferecer quando o assunto é cerveja gelada!Colaí que eu tenho as …
8
Arena Digital de Curitiba: cinema e planetário no mesmo lugar
Ver as estrelas, mergulhar no fundo do mar, conhecer de pertinho todo o sistema solar. Tudo isso é possível em …