Instrumental Sesc Brasil leva shows gratuitos ao Sesc Consolação

Iara Gomes, Falsos Conejos e Rafael Martini embalam o mês de outubro!

Por: Redação Comunicar erro
Nos dias
14/10 - 21/10
28/10
2019
às 19h, com distribuição de ingressos uma hora antes das apresentações

Música latina, ritmos experimentais e jazz fazem parte do cardápio musical do Instrumental Sesc Brasil em outubro, no Sesc Consolação, zona central de São Paulo.

A atual edição recebe Iara Gomes, Falsos Conejos e Rafael Martini nas segundas-feiras, dias 14, 21 e 28, sempre às 19h. A entrada é grátis, basta retirar os ingressos com 1h de antecedência.

Sesc Consolação
Crédito: DivulgaçãoSesc Consolação recebe grandes nomes da dramaturgia brasileira e shows para públicos variados, com preços acessíveis

CASA DAS ROSAS: passeio obrigatório na avenida Paulista

Aqui tem tudo o que você precisa saber sobre o Instrumental Sesc Brasil:

Natural de Brasília-DF, Iara Gomes é pianista, compositora e arranjadora atuante na área do Jazz e da Música Instrumental Brasileira, com foco em sua música autoral.

Em 2016, Iara recebeu o titulo de Mestra em Música (Jazz Composition & Arrangement e Jazz Piano Performance) pela University of Louisville (EUA), graduada com honras. Licenciada em Música pela universidade de Brasília (UnB), é atualmente professora de Piano Popular e Arranjo na Escola de Música de Brasília (CEP-EMB).

Em dezembro de 2016 foi vencedora do prêmio de Melhor Intérprete Instrumental no Festival de Música da Nacional FM de Brasília, pela performance de sua composição “Dois Cantos”. Esta música deu nome ao álbum de estreia da musicista, gravado e lançado em 2018, em show lotado, no Clube do Choro de Brasília.

O trio que utiliza a guitarra, baixo e bateria para executar composições que pretendem sintetizar distintos gêneros da música contemporânea. O tango, noise, math rock, minimalismo e a eletrônica se entrecruzam em sua obra, onde virtuosismo é evitado para que a profundidade estética ganhe mais relevo.

Ao vivo, Falsos Conejos é uma viagem sonora de equilíbrio entre força e sutileza, quebras de ritmos à Stravinski, com o minimalismo do cool jazz e o som cru de bandas como Shellac, mesclados com a sonoridade densa do tango.

O músico foi vencedor do Prêmio BDMG Instrumental em 2004 e 2012, além de ter vencido o Prêmio Marco Antônio Araújo, com o CD “Motivo”. Ainda falando sobre conquistas, Rafael venceu em primeiro lugar o 1º Guarulhos Instrumental e se destacou pelo melhor arranjo, além de ter sido finalista do IBEU de composição para Big Band.

Como arranjador e instrumentista, atua ao lado de Sérgio Santos, Silvia Iriondo, Mônica Salmaso, Tatiana Parra e Antonio Loureiro. O belo-horizontino possui CD com a Orquestra Sinfônica da Venezuela, Suíte Onírica, entre outros dois discos lançados. Atualmente, realiza concertos como integrante do Egberto Gismonti Quarteto.

Louis Armstrong, Charlie Parker ou Miles Davis? Ella Fitzgerald, Billie Holliday, Nina Simone ou Sarah Vaughan? Qual lenda você vai ouvir hoje?