SUSPENSO: Leila Pinheiro e outras feras celebram 70 anos de Guinga

Considerando o cenário de combate ao COVID-19, o CCBB estará fechado ao público por tempo indeterminado. Leia o comunicado oficial:

“Para o Centro Cultural Banco do Brasil não há nada mais valioso que a saúde e a segurança das pessoas. Por isso as atividades serão suspensas, a partir de 14 de março de 2020, a fim de mitigar o risco de propagação do Coronavírus (Covid-19).

INGRESSOS: Para aqueles que compraram no site Eventim, a devolução pode ser feita pelo SAC da empresa. Para aqueles que compraram na bilheteria, o #CCBBRJ solicita que aguardem o funcionamento normal.

Em caso de dúvidas, entre em contato pelo e-mail: ccbbrio@bb.com.br
Acompanhe as redes redes sociais do CCBB para novas informações.
Até breve!”

Gioia Persichetti, Mônica Salmaso, Leila Pinheiro e Anna Paes sobem ao palco do CCBB Rio de Janeiro para comemorar os 70 anos de vida do premiado compositor e instrumentista Guinga.

São quatro noites imperdíveis do espetáculo “Guinga e as Vozes Feminina”, nas quais cada uma dessas cantoras sobe ao palco ao lado do homenageado para lembrar as diferentes fases da trajetória dele.

cantoras Gioia Persichetti, Mônica Salmaso, Leila Pinheiro e Anna Paes ao lado de Guinga
Crédito: DivulgaçãoAs cantoras Gioia Persichetti, Mônica Salmaso, Leila Pinheiro e Anna Paes interpretam grandes sucessos de Guinga em quatro showzões

Na estréia, dia 4 de março, Guinga recebe a cantora italiana Gioia Persichetti e o violonista Jean Charnaux. A jovem intérprete conheceu a obra de Guinga aos 6 anos, quado assistiu a uma apresentação do músico na Itália. A admiração foi instantânea e os dois já dividiram o palco em outras ocasiões. A paixão pela música brasileira fez Gioia trocar Roma por São Paulo.

Mônica Salmaso é a convidada do dia 11 de março, também acompanhada por Charnaux. Ela lançou em 2014 o disco “Corpo de Baile”, no qual interpreta as músicas compostas por Guinga e Paulo César Pinheiro na década de 1970.

Desde então, a parceria e cumplicidade entre os dois só aumenta. Nos anos seguintes, eles dividiram os palcos em várias apresentações e chegaram até a fazer uma turnê pelo Japão em 2019.

Leila Pinheiro e Guinga dividem o palco no dia 18 de março, acompanhados por Marcus Tardelli no violão. A parceria entre os dois vem desde os anos de 1980, quando a paraense conheceu o trabalho do compositor carioca. Juntos eles gravaram o álbum “Catavento e Girassol”, de 1997, responsável por uma virada na carreira da cantora.

Anna Paes é a convidada para o último show da série, no dia 25 de março, acompanhada por Thiago Amud no violão. Cantora, violonista, compositora e professora, ela admite que algumas de suas composições possuem forte influência do estilo de Guinga. Em 2015, lançou o seu primeiro álbum, “Miragem de Inaê”, que contou com a participação do homenageado.

Os shows do projeto “Guinga e As Vozes Femininas” acontecem entre os dias 4 e 25 de março, no CCBB Rio de Janeiro, sempre às quartas-feiras, às 19h30. Os ingressos custam R$30 (inteira) e R$15 (meia-entrada).

O projeto foi idealizado por Fernanda Vogas, que também assina a direção do espetáculo. Após a temporada no Rio, a série segue para os CCBB de Brasília, Belo Horizonte e São Paulo. Corre para garantir o seu ingresso!

O homenageado

Com mais de 50 anos de carreira, Guinga é considerado um dos mais importantes violonistas da MPB e já teve suas composições interpretadas por ninguém menos do que Sérgio Mendes, Chico Buarque e Ivan Lins. Além disso, teve o privilégio de gravar ao lado de Cartola a canção “O Mundo é um Moinho”, que virou um hino da música brasileira.

+Shows irados: SOM DO SESC PROMOVE SHOWZÕES A PARTIR DE R$ 3,75 TODA TERÇA!

A identificação do compositor com vozes femininas faz parte de sua identidade, pois Guinga aprendeu a tocar violão enquanto acompanhava a mãe cantar. E, desde a década de 1970, já dividiu o palco com Clara Nunes, Elis Regina, Elza Soares, Nana Caymmi, Mônica Salmaso e Leila Pinheiro.

O músico é carioca da zona norte do Rio de Janeiro, do bairro de Madureira. Estudou violão clássico e começou a compor aos 16 anos. Dentista de formação, seguiu essa profissão por muitos anos até se dedicar exclusivamente à carreira musical. Seu álbum “Rasgando Seda”, em parceria com o Quinteto Villa-Lobos, foi indicado ao Grammy na categoria Melhor Disco Instrumental do Ano em 2012.

Quer curtiu mais um sonzinho irado e ainda pagar meia-entrada? Então, dá uma olhada no que rola no Circo Voador:

Agência Fática

Em parceria com Agência Fática

A Fática é uma agência de comunicação especializada em produzir conteúdos sobre cultura em suas diferentes linguagens.