Últimos dias para conferir obras de Tarsila e Lina no MASP!

Lina Bo Bardi e Tarsila do Amaral dão sequência ao ciclo 'Histórias das mulheres, histórias feministas', eixo temático da programação do MASP em 2019

Por: Redação
Até
28
de julho 2019
Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo
Terça, sexta e sábado, das 10h às 21h
Quarta, quinta e domingo, das 10h às 19h

Dando sequência ao ciclo “Histórias das mulheres, histórias feministas”, eixo temático que guia a programação do MASP ao longo de 2019, o museu recebe duas grandes exposições a partir de abril: “Tarsila popular“, sobre a artista que foi figura central do modernismo brasileiro e “Lina Bo Bardi: habitat“, mostra que gira em torno dos projetos fundamentais da carreira da arquiteta que projetou um dos maiores vão livres do mundo.

fachada do masp
Crédito: Eduardo Ortega - divulgaçãoEm 2019, programação do Masp será pautada pelo ciclo “Histórias das Mulheres, Histórias Feministas”

“Tarsila popular” tem curadoria de Adriano Pedrosa e Fernando Oliva, e reúne cerca de 120 obras da artista, entre pinturas e desenhos. O “popular” do título refere-se tanto ao recorte da obra de Tarsila, pelos curadores, como ao programa de revisão da produção de nomes centrais do modernismo brasileiro, empreendido pela atual direção artística do MASP.

Em 2016, por exemplo, o museu realizou Portinari popular, uma seleção de trabalhos de Candido Portinari (1903-1962) relacionados com a cultura popular brasileira. Assim como Portinari, a obra de Tarsila está na base da construção de uma identidade nacional nas artes, ao lado de nomes como Lasar Segall (1891-1957) e Anita Malfatti (1889-1964).

Operários, 1933
Óleo sobre tela, 150 x 205 cm
Operários, 1933 Óleo sobre tela, 150 x 205 cm Acervo Artístico-Cultural dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo
Morro da Favela, 1924 Óleo sobre tela, 63,5 x 75,5 cm Coleção particular, Rio de Janeiro
Morro da Favela, 1924 Óleo sobre tela, 63,5 x 75,5 cm Coleção particular, Rio de Janeiro Jaime Acioli

Sem abdicar por completo da matriz modernista europeia e formal da qual fez parte, Tarsila voltou-se para personagens, temas e narrativas ligados ao popular no Brasil. Esse aspecto se manifestou em diversos trabalhos, como é possível observar em suas cenas de Carnaval, favelas e feiras ao ar livre, além da relação de sua obra com a religiosidade e, ainda, com as lendas populares e indígenas — caso das obras “A cuca” (1924), “Abaporu” (1928) e “Batizado de Macunaíma” (1956).

Paralela à “Tarsila popular”, o MASP apresenta a amplitude produtiva e de pensamento de “Lina Bo Bardi: Habitat”, mostra acompanhada do mais completo catálogo já produzido sobre a obra e o legado da arquiteta. O habitat do título diz respeito também ao mergulho empreendido pela arquiteta no contexto brasileiro, que procurou entender antes de aplicar aqui as ideias modernistas trazidas da Itália.

A mostra é divida em três capítulos. O primeiro deles, “O Habitat de Lina Bo Bardi”, conta com os quinze primeiros exemplares da revista. A revista falava de arte popular, de mobiliário, da educação como transformação social e política, e de sua visão de arte, não eurocêntrica ou estadunidense. No catálogo, esse capítulo é complementado por textos de Lina publicados em outros veículos — prolífica, a arquiteta também produziu um grande volume de escritos.

Mostra reúne 300 peças de arte
Mostra reúne 300 peças de arte

“Repensando o museu”, a segunda parte, revê o envolvimento de Lina com o MASP desde a sede da 7 de Abril, dos Diários Associados, grupo de mídia do empresário e mecenas Assis Chateaubriand, fundador do MASP, com destaque para o edifício-sede da avenida Paulista e sua radical pinacoteca com cavaletes de vidro. O capítulo repassa ainda a experiência da arquiteta na Bahia, onde criou o Museu de Arte Moderna (MAM-BA) nos escombros de um incendiado Teatro Castro Alves, e o Museu de Arte Popular do Solar do Unhão, edifício cuja escada, feita à maneira dos encaixes de carros de boi, se imortalizou na história da arquitetura brasileira.

Lina Bo Bardi_Estudo preliminar – esculturas praticáveis do belvedere Museu de Arte Trianon, 1968_Nanquim e aquarela sobre papel, 56,3 x 76,5 cm_
Crédito: Acervo MASP, doação Instituto Lina Bo e P.Lina Bo Bardi_Estudo preliminar – esculturas praticáveis do belvedere Museu de Arte Trianon, 1968_Nanquim e aquarela sobre papel, 56,3 x 76,5 cm_

A parte final da mostra e do livro, “Da Casa de Vidro à Cabana”, trata da trajetória de Lina como projetista. Sua trajetória se inicia com uma influência mais acentuada do modernismo europeu, com projetos como o da Casa de Vidro, sua primeira obra construída e sua residência até a morte, e com o passar do tempo agrega referências da cultura popular brasileira e das técnicas vernaculares de construção, características que podem ser observadas em projetos como a Casa Valéria Cirell, a Igreja Espírito Santo do Serrado e o SESC Pompéia, um de seus principais projetos.

Ambas as mostras do ciclo “Histórias das mulheres, histórias feministas” ficam abertas até 28 de julho, de terça, sexta e sábado (10h às 21h); e quarta, quinta e domingo (10h às 19h). A entrada no MASP custa até R$ 40, e tem entrada gratuita às terças.

1
Feira Tom Jobim é o melhor lugar pra comer no sábado de manhã em BH
Imagine um sábado suave na nave, sob a sombra de uma árvore, apreciando o sabor de comidas típicas nacionais e …
2
3 lugares para apreciar a paisagem de Curitiba do alto
Curitiba é uma cidade linda, disso já sabemos! Mas ver ela do alto deixa tudo ainda melhor! Colaí pra ver essas …
3
Onde curtir um show de música independente delicinha em São Paulo
Pagar dois salários mínimos pra ver show não dá, né? Ainda mais quando São Paulo é a cidade onde você encontra …
4
RJ: Um mergulho literário no Real Gabinete Português de Leitura
O Rio de Janeiro é a Cidade Maravilhosa não apenas por suas paisagens e praias! Ali no centro fica um dos …
5
Casa Preta: lar da cultura alternativa de Salvador
Um Casarão no Dois de Julho tem cultura saindo pelas janelas! Com eventos do subsolo ao terraço, a Casa Preta …
6
SP: Maior festival de inovação e arte digital do Brasil
Unhide Conference, um festival de inovação e arte digital está em sua segunda edição. Fomos conferir esse encontro de arte, criatividade …
7
Terça do Vinil em Recife: rolê pra gente lisa
Depois de uma temporada granfina lá nas Europa, a minha, a sua, a nossa Terça do Vinil tá de volta …
8
02:19
Vem ver o céu à noite no Planetário da Gávea no Rio
Os amantes do universo têm um rolé para chamar de seu no Rio! Toda quarta e sábado acontece lá no Planetário …