Mostra Latino-Americana de Dança Contemporânea chega a 5ª edição

Espetáculo "Chulos" é apresentado na Oficina Cultural Oswald de Andrade no dia 29 de julho, às 15h
Até
31
de julho 2018
Diversos horários

Diversos locais em São Paulo

São Paulo, SP, Brasil

Cidade

Publicidade

Treze companhias do Brasil, Colômbia, Chile, Paraguai e México se apresentam no Centro de Referência da Dança e na Oficina Cultural Oswald de Andrade

O que será que os países latino-americanos têm em comum? E o que é particular de cada nação? Como a arte lida com os dilemas cotidianos? O Festival “Dança à Deriva – Mostra Latino-Americana de Dança Contemporânea”, que chega em sua 5ª edição na cidade de São Paulo, pode fornecer algumas respostas.

Foto do espetáculo
Crédito: Paola BertholiniEspetáculo "Mulher Sem Fim" será apresentado no Centro de Referência da Dança no dia 23 de julho, às 19h30
Foto do espetáculo “Solos de Rua”, em que duas dançarinas envoltas em capas preto e brancas andam pelo centro de São Paulo acompanhadas por percussionistas
Crédito: Silvia MachadoEspetáculo “Solos de Rua” será apresentado no Centro de Referência da Dança no dia 24 de julho, às 17h
Foto do espetáculo “Con La boca bien abierta”, em que uma bailarina e diversas bonecas estão deitados no palco
Crédito: Camilo SalazarEspetáculo “Con La boca bien abierta” é apresentado no Centro de Referência da Dança no dia 24 de julho, às 20h
Foto do espetáculo “Satisfação do Cliente”, em que dois dençarinos vestindo roupas pretas estão encostados na parede olhando para a câmera
Crédito: Gislaine SachetEspetáculo “Satisfação do Cliente” será apresentado no Centro de Referência da Dança dia 25 de julho, às 19h
Foto do espetáculo
Crédito: Divulgação "Dança à Deriva"Espetáculo "Indicios Despierta" será apresentado no Centro de Referência da Dança no dia 25 de julho, às 20h
Foto do espetáculo “Sardónico”, em que um dançarino está deitado no chão com uma mão no peito
Crédito: Divulgação "Dança à Deriva"Espetáculo “Sardónico” será apresentado no Centro de Referência da Dança no dia 26 de julho, às 19h
Foto do espetáculo “Entre Tu y Yo
Crédito: Manuel AlvisoEspetáculo “Entre Tu y Yo" será apresentado na Oficina Cultural Oswald de Andrade no dia 27 de julho, às 18h
Foto do espetáculo “Sílfide Transmutada
Crédito: Felipe Becerra DazaEspetáculo “Sílfide Transmutada" será apresentado na Oficina Cultural Oswald de Andrade no dia 27 de julho, às 19h
Foto do espetáculo
Crédito: Divulgação "Dança à Deriva"Espetáculo "Transferência" será apresentado na Oficina Cultural Oswald de Andrade no dia 27 de julho, às 20h
Foto do espetáculo
Crédito: Gil GrossiEspetáculo "Andar Ilha” é apresentado na Oficina Cultural Oswald de Andrade no dia 28 de julho, às 18h
Foto do espetáculo
Crédito: Carlos LemaEspetáculo "Matéria Prima" será apresentado na Oficina Cultural Oswald de Andrade no dia 28 de julho, às 19h
Foto do espetáculo“Corpo sobre Tela”, em que m dançarino todo pintado aparece em close
Crédito: Gal OppidoEspetáculo“Corpo sobre Tela” será apresentado na Oficina Cultural Oswald de Andrade no dia 28 de julho, às 20h
Foto do espetáculo
Crédito: Divulgação "Dança à Deriva"Espetáculo "Chulos" é apresentado na Oficina Cultural Oswald de Andrade no dia 29 de julho, às 15h
Foto do espetáculo
Crédito: RolocombiaEspetáculo "Fragmento de los Cuerpos" será apresentado na Oficina Cultural Oswald de Andrade no dia 30 de julho, às 19h
Foto do espetáculo
Crédito: David SteckEspetáculo "Las Últimas Cosas" será apresentado na Oficina Cultural Oswald de Andrade no dia 30 de julho, às 20h
Foto do espetáculo
Crédito: Divulgação "Dança à Deriva"Espetáculo "Accidental" é apresentado na Oficina Cultural Oswald de Andrade no dia 31 de julho, às 18h
Foto em close do spetáculo
Crédito: Alex MerinoEspetáculo "A Balada da Virgem – Em nome de Deus", da Cia Carne Agonizante, será apresentado na Oficina Cultural Oswald de Andrade no dia 31 de julho, às 20h

Entre os dias 23 e 31 de julho, o Centro de Referência da Dança de São Paulo (Baixos do Viaduto do Chá, s/n – ao lado do Theatro Municipal) e a Oficina Cultural Oswald de Andrade (Rua Três Rios, 363) receberão 20 espetáculos e intervenções artísticas, laboratórios de criação, vídeoarte, “conversatórios” e o 6º Fórum Dança e Sustentabilidade. Tudo com entrada gratuita.

Cerca de 80 artistas de cinco países latino-americanos (Brasil, Colômbia, Chile, Paraguai e México) apresentam seus trabalhos com o objetivo de implodir as fronteiras da latinidade e estabelecer cumplicidades e vínculos políticos, éticos e poéticos.

Acompanhe a programação pelo site.

Além dos espetáculos, o evento tem um caráter de imersão, com a participação integral de todos nas atividades, incentivando processos colaborativos de criação e espaços de compartilhamento. A ideia é que os profissionais envolvidos com dança possam trocar experiências em ações interativas, colaborativas e reflexivas.

No domingo, dia 29, das 10h30 às 18h, acontecerá o 6º Fórum Dança e Sustentabilidade com o tema Modos de Produção em Dança: subsistência e resistência. Ao longo do encontro, diretores e integrantes de cada companhia colocam em pauta as políticas públicas de seus países e a forma como interagem em seus contextos, para produzir reflexões sobre os modos de ser, acreditar e produzir a dança na América Latina.

Além disso, os diretores das companhias participantes desenvolveram sete laboratórios criativos para estabelecer uma investigação mais profunda sobre o corpo, oferecendo estímulos criativos para aumentar o repertório de movimentos e o amadurecimento das habilidades do criador cênico.

Por fim, outra atividade paralela é o “conversatório”, em que artistas e público podem trocar percepções técnicas e estéticas sobre as obras apresentadas na noite anterior. Esses encontros acontecem diariamente.

Espetáculos

Centro de Referência da Dança
23 de julho (segunda), 19h30
“Mulher sem Fim” – Andréia Nhur & Katharsis Teatro (Sorocaba, São Paulo)
Mulher sem fim transita entre teatro, dança, música e performance. No solo, o gênero-mulher é apresentado a partir de um corpo constantemente trespassado por ecos de mulheres presentes nas memórias da cultura, que vão desde Madame Bovary, Lady Macbeth, Carmen Miranda até Dadá, a cangaceira.

www.youtube.com/watch?v=kACVEsg48zc

24 de julho (terça), 17h
“Solos de Rua” – …Avoa Núcleo Artístico (São Paulo/SP)
O trabalho inspira-se no texto manifesto “As Embalagens”, de Tadeusz Kantor. Trata-se de um jogo coreográfico no qual os bailarinos e a lona se afetam mutuamente em espaços públicos de grande circulação, misturando-se à paisagem local. Não é possível saber ao certo o que emerge de dentro da multidão.

24 de julho (terça), 20h
“Com La Boca Bien Abierta” – Andante Danza Conteporánea (Bogotá/Colômbia)
O trabalho baseia-se nas reflexões sobre a violência que faz parte da nossa história passada, presente e muito seguramente futura; a violência que consentimos e aceitamos inconscientemente, culturalmente; a violência que parece natural, enraizada nos corpos e que se justifica, a violência de nosso silêncio.

25 de julho (quarta), 19h
“Satisfação do Cliente” – Quarta Parede Processos Contemporâneos (Caxias do Sul – RS)
Espero que tenha público. Espero que me surpreenda. Espero que ninguém me explique. Espero que tenha dança. Espero que não seja chato. Não tenho expectativa. Eu espero que tenha peitos. Espero acrobacias. Eu espero que seja bom. Espero que tenha nu frontal. Eu espero que me ensine algo. Espero que tenha unicórnios. Eu espero que não chova. Espero que cantem e dancem. Eu só vim porque me convidaram. Espero por aplausos. Eu espero acabar para aplaudir? Eu espero que minha mãe prepare frango para o jantar hoje. Espero…

25 de julho (quarta), 20h
“Indicios Despierta” – InCorpo Compañia (Ibagué – Colômbia)
Entre confrontos, vícios, alter-egos, memórias, perseguições, amores e desgostos, sinais se tornam silêncio, numa caminhada de eventos, momentos e pistas que às vezes nos deixa o corpo. Quantos corpos temos? Indicações removem memórias que uma vez salvamos; outras vezes, silêncios que tanto nos perseguiram e certamente contemplamos.

26 de julho (quinta), 19h
“Sardónico” – Terser Cuerpo (Bogotá/Colômbia)
Uma tentativa convulsiva de recuperar uma voz interna e distorcer certas fachadas que projetam uma imagem diferente da nossa. “Sardónico” explora o riso como principal ferramenta para encontrar um estado corporal, no qual dois princípios antagônicos coexistem; um interno, autoconsciente, e o outro externo, dominante.

26 de julho (quinta), 20h
“Cumulonimbus” – Plataforma Mono (Chile)
Cumulonimbus são nuvens de grande desenvolvimento vertical, que produzem chuvas intensas e tempestades elétricas. Podem ser formados isoladamente, em grupos ou ao longo de uma frente fria. O trabalho explora a relação entre Ordem e Caos, e como esses dois estados nos dão sentimentos de vitalidade, criatividade, liberdade, ansiedade, estresse, claustrofobia ou estranhamento.

Oficina Cultural Oswald de Andrade
27 de julho (sexta), 18h
“Entre Tu y Yo” – Tercer Espacio Colectivo Artistico (Asunción, Paraguay)
A peça tem ignição em situações cotidianas, levantando costumes e particularidades de uma relação de intimidade, levando em conta as necessidades de cada um e resgatando o valor de um – em e com – o outro.

27 de julho (sexta), 19h
“Sílfide Transmutada” – InCorpo Compañia (Ibagué/Colômbia)
A homossexualidade, o corpo feminino, androginia e a ruptura com a convencionalidade patriarcal. A transmutação. A linha tênue entre feminino e masculino. Reconstrução de outro corpo. Um corpo sem sinal. Um corpo real. Um corpo que toma a forma de água. Um corpo para a vida e mobilidade, não para regra e ordem.

27 de julho (sexta), 20h
“Transferência” – Andante Danza Contemporánea (Bogotá/Colômbia)
A peça apresenta uma cidade que administra uma dinâmica individualista e consumista em seu cotidiano, destruindo espaços para o livre desenvolvimento do ser humano, gerando seres isolados, estressados pelo dinheiro, violentos, egoístas, esgotados pelo tempo, intolerantes e sem consciência de um para o outro.

28 de julho (sábado), 18h
“Andar_Ilha Avoa!” Núcleo Artístico (São Paulo – Brasil)
O coração viajante não se enraíza, antes quer ser braseira ambulante Matsuo Bashô. Um corpo no mundo tateia, com os pés, o caminho das pedras. Vive o intervalo entre suspensão e queda, o equilíbrio precário. Uma mulher oferta o seu próprio caminhar a um ritual: uma dança. Desvela trajetórias de vida inscritas no corpo, na arquitetura óssea, na cidade. É uma ilha, espaço lírico, rodeada de História por todos os lados.

28 de julho (sábado), 19h
“Matéria Prima” – Terser Cuerpo (Bogotá – Colômbia)
A peça aborda, através do exercício cênico, o fenômeno da produção e reprodução em massa gerado pelos processos de industrialização e urbanização, que vêm da segunda metade do século XIX. Neste caso, o corpo é a matéria-prima para a produção indefinida de um modelo humano caracterizado pela alienação de seu ser.

28 de julho (sábado), 20h
“Corpo Sobre Tela” – Marcos Abranches Companhia de Dança (São Paulo – Brasil)
Inspirado na vida e obra do pintor irlandês Francis Bacon, “Corpo sobre Tela” é um solo criado pelo bailarino Marcos Abranches, em parceria com Rogério Ortiz, que assina a direção artística. “Sou livre para o silêncio das formas, das cores na riqueza de pintar uma obra… Podemos colorir a maneira de pensar e ser mais felizes, pois somos a própria arte. Nossa sociedade trata o deficiente como um coitado. Se eu fosse me basear nesse pensamento, não colocaria meus pés para fora de casa. No meu espaço, não há sofrimento.”

29 de julho (domingo), 15h
“Chulos” – Dual Cena Contemporânea (São Paulo – Brasil)
Três Reis Magos peregrinam pelo mundo e profetizam o nascimento de um novo rei. Em meio à indiferença e a desesperança, testemunham o inusitado: o nascimento de palhaços que celebram e protegem o nascimento do novo que renova o mundo. “Chulos” encontra inspiração nas Folias de Reis para revelar fragilidades sociais escondidas sob o esplendor das festas populares brasileiras.

30 de julho (segunda), 18h
Mostra de Resultados Cênicos
Apresentação dos trabalhos desenvolvidos durante a Mostra, pelos participantes dos Laboratórios De Criação, sob a direção dos artistas que coordenaram as ações.

30 de julho (segunda), 19h
“Fragmento de Dos Cuerpos” – InCorpo Danza Contemporânea (Ibagué – CO)
“Fragmento de dos cuerpos” fala da dor e a melancolia sofridas pelas vítimas do conflito armado na Colômbia. Por meio de uma linguagem poética, o solo procura encontrar as expressões mais sinceras do desespero e do barulho, cruzando sensações entre um corpo físico e um corpo interno que violou seus direitos sociais e humanos. 1

30 de julho (segunda), 20h
“Las Ultimas Cosas” – enNingúnlugar (México/Colômbia)
A obra investiga as necessidades predominantes, incoerentes e caprichosas, que o ser humano apresenta diante da ideia do fim de sua consciência. O público está próximo das ações, desenvolvidas a partir de situações concretas que levam à improvisação e ao estabelecimento de conflitos a serem resolvidos coletiva ou individualmente, a partir dos objetivos que cada intérprete levanta.

31 de julho (terça), 18h
Mostra de Resultados Cênicos
Apresentação dos trabalhos desenvolvidos durante a Mostra, pelos participantes dos Laboratórios De Criação, sob a direção dos artistas que coordenaram as ações.

31 de julho (terça), 19h
“Accidental Acidental” – Pita Torres (Valparaiso/Chile)
O gatilho para a criação de “Accidental Acidental” é uma situação real não estabelecida ou planejada que permaneceu no arquivo de memória. Os corpos produzem um encontro para restaurar e reconciliar outro corpo. Conectam suas intensidades para estar com o outro, se tornarem essenciais, e gerar uma estrutura firme onde não há possibilidade de abandono; Se nos distanciamos, há um corpo que morre.

31 de julho (terça), 20h
“A Balada da Virgem – Em nome de Deus” – Cia Carne Agonizante (São Paulo – Brasil) – Espetáculo de Encerramento
“A Balada da Virgem – Em nome de Deus” se apóia na potente energia simbólica que representa Joana D’Arc – religiosa condenada à fogueira por heresia e depois celebrada como Santa e padroeira da França -, para falar de loucura, transgressão e opressão. O solo que traz noções de tempo e espaço alteradas, onde o real e o não real se confundem, serviu de ignição para Sandro Borelli se auto desafiar em sua constante busca por novas possibilidades coreográficas e trazê-lo de volta aos palcos, depois de quase 10 anos dedicados somente à direção de sua Cia Carne Agonizante, que celebra 20 anos em 2018.

Publicidade

Compartilhe:

Autor: Por: Redação
Publicidade

Você sabe o que é feminicídio?

O restaurante de comida havaiana do ex-masterchef Ravi

Conheça o lavandário de Cunha

ASMR: O fenômeno do "orgasmo mental"

Publicidade