Mostra Mundo Árabe apresenta dezenas de filmes contemporâneos

Filme “Wajib - Um Convite de Casamento” está na 13ª Mostra Mundo Árabe
Até
27
de agosto 2018
Domingo - Segunda - Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado
Diversos horários
array(3) { ["address"]=> string(22) "São Paulo, SP, Brasil" ["lat"]=> string(11) "-23.5505199" ["lng"]=> string(18) "-46.63330940000003" }

Diversos locais em São Paulo

São Paulo, SP, Brasil

Cidade

Com sessões no CCBB, no CineSesc e no Reserva Cultural, evento aproxima países árabes e latino-americanos

Até o dia 27 de agosto, o CCBB – Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo, CineSesc e a Reserva Cultural recebem a 13ª Mostra Mundo Árabe no Cinema. Com ingressos até R$ 12, o evento exibe 23 longas-metragens produzidos por países árabes e latino-americanos, incluindo o Brasil.

Cena do filme “Wajib - Um Convite de Casamento”, com um pai e um filho sorrindo em um carro
Crédito: ReproduçãoFilme “Wajib – Um Convite de Casamento” está na 13ª Mostra Mundo Árabe

A ideia é estimular os diálogos interculturais e romper com estereótipos e simplificações ligados à essas nações. Os filmes foram divididos em quatro núcleos.

Em Diálogos Árabes-Latinos, produções latino-americanas sobre a imigração árabe.O destaque é “Yallah! Yallah!”, de Fernando Romanazzo e Cristian Pirovano. Na história, o cotidiano de sete pessoas ligadas ao futebol é constantemente afetado pelo subjugo que a Palestina vive por parte de Israel.

No núcleo Panorama Cinema Palestino, os filmes refletem como o povo palestino resiste, elaborando e construindo sua própria história O destaque é para “Wajib – Um Convite de Casamento”, da premiada cineasta e poeta palestina Annemarie Jacir. Abu Shadi é um pai divorciado e um professor de 60 anos que mora em Nazaré. Shadi, seu filho arquiteto, chega de Roma após anos no exterior para ajudar seu pai na entrega pessoal dos convites de casamento para cada convidado – costume palestino local. A convivência entre pai e filho fica tensa.

Em Panorama Mundo Árabe, filmes produzidos nos países árabes nos últimos dois anos. Há documentários musicais, contos de amor, dramas e comédias, mas também produções que dialogam com o refúgio e radicalismo.

O destaque é para “Ensiriados”, estrelando Hiam Abbass, e O Gosto do Cimento, de Ziad Kalthoum. Presa dentro de sua própria casa em uma cidade sitiada, Oum Yazan, mãe de três filhos, transformou seu lar em um porto seguro para a família, tentando protegê-la da guerra. Quando as bombas ameaçam destruir o edifício, franco-atiradores transformam os pátios em zonas mortíferas, e os ladrões invadem, reivindicando suas terríveis recompensas. Manter o equilíbrio da rotina dentro das paredes torna-se uma questão de vida ou morte.

Já em Panorama Franco-Árabe, uma cinematografia que dialoga com o pós-Primavera Árabe nos países francófonos do norte da África e com adaptação e identidade em uma Europa pós-colonial.

O destaque é para “A Bela e os Cães”, de Kaouther Ben Hania, e para Assim que Abro Meus Olhos, de Leyla Bouzid. Durante uma festa estudantil, Mariam, uma jovem tunisiana, conhece o misterioso Youssef. Uma longa noite começará, durante a qual ela terá que lutar por seus direitos e dignidade. Mas como pode a justiça ser feita quando está do lado dos atormentadores?

Para completar a aproximação cultural, a mostra também promove bate-papos e atividades especiais com convidados nacionais e internacionais, além de um CineClub. Acompanhe a programação completa no site.

Marília Gabriela transforma-se em personagem feminista no teatro

Compartilhe:

Autor: Por: Redação