CORONAVÍRUS
Tudo o que você precisa saberÚltimas notícias e tudo que você precisa saber

Peça ‘Fronteira’ discute deslocamentos humanos no Sesc Pinheiros

Novo trabalho da Cia. Elevador de Teatro Panorâmico parte da relação entre duas mulheres para criar reflexão sobre os múltiplos significados dessa palavra

Por: Redação
Até
07
de setembro 2019
Quinta - Sexta - Sábado
De quinta a sábado, às 20h30 (exceto no dia 7 de setembro, quando a peça acontece às 18h)

Duas mulheres estão em territórios diferentes e vivem um dilema: enquanto uma quer cruzar para o outro lado, a outra ameaça impedir a sua passagem. Este é o ponto de partida do espetáculo Fronteira, o novo trabalho da Cia. Elevador de Teatro Panorâmico, em cartaz no Auditório do Sesc Pinheiros, entre 8 de agosto e 7 de setembro.

Atrizes Thaís Rossi e Tathiana Botth
Crédito: João Caldas FºA peça explora os múltiplos sentidos implícitos na ideia de fronteira

As sessões acontecem de quinta a sábado, sempre às 20h30 (exceto no feriado do dia 7 de setembro, quando ocorre às 18h). Os ingressos custam até R$25 e já estão à venda pela internet.

Com texto de Carla Kinzo e direção de Marcelo Lazzaratto, a peça apresenta o cotidiano dessas mulheres sem nome, interpretadas por Tathiana Botth e Thais Rossi, que estão presas a um presente imutável, reforçado por uma burocracia paralisante.

Sobreviventes em meio a um território em ruínas, elas precisam uma da outra para ressignificar essa nova realidade, sem deixar ruir a fronteira interpessoal que existe.

Atrizes Thaís Rossi e Tathiana Botth
"Fronteira" tem texto de Carla Kinzo e direção de Marcelo Lazzaratto João Caldas Fº
Atrizes Thaís Rossi e Tathiana Botth
Espetáculo "Fronteira" narra encontro entre duas mulheres no limite de dois territórios João Caldas Fº
Atrizes Thaís Rossi e Tathiana Botth
Em cena, estão as atrizes Thaís Rossi e Tathiana Botth João Caldas Fº

A ideia é trabalhar os múltiplos significados – geográfico, político, psíquico, identitário etc. – escondidos na no conceito de “fronteira”, tratada como uma barreira física e burocrática que limita a circulação de pessoas entre dois territórios, a separação entre culturas e o espaço que preserva as individualidades entre pessoas e povos, preservando a diversidade.

Todo o conflito entre essas duas moças acontece em um tablado industrial de 4mx3,5m. Somente ali, naquele espaço diminuto, as moças existem. E nesse lugar, questões como a necessidade de afeto, a ficção como possibilidade de sobrevivência e a solidão de um lugar sem identidade, são discutidas.

1
5 blocos incríveis para curtir o Carnaval de rua no Rio
Carnaval está aí e é chegada a hora da gente decidir quais blocos nós vamos arrasar as nossas fantasias, confetes, …
2
5 blocos incríveis para curtir o carnaval de rua de SP
O Carnaval está aí! É chegada a hora de escolher os blocos para arrasar na passarela das ruas, ostentando fantasias, …
3
BH: Jetiboca tem café incrível a R$ 3, pão de queijo e muito amor
Um dos lugares mais incríveis e inusitados no centro de Belo Horizonte, em Minas Gerais, é o Mercado Novo. Há …
4
3 trilhas no Rio com vistas de tirar o fôlego
Esse vídeo é para os amantes de ecoturismo, ou mesmo para quem quer começar a fazer trilhas e se conectar …
5
Parque da Pedra Branca no RJ: a maior floresta urbana do país
Pega um calçado confortável, passar protetor e repelente e Colaí nessa caminhada pelas trilhas do Parque da Pedra Branca, a …
6
Roteiro zen para fugir do caos de SP
Viver em SP é estar sempre ligadão no 220. Mas é legal dar uma freada no corre corre, né não?Colaí …
7
3 rolés pra curtir no Baixo Tijuca no Rio de Janeiro
A região do Baixo Tijuca tem muito o que oferecer quando o assunto é cerveja gelada!Colaí que eu tenho as …
8
Arena Digital de Curitiba: cinema e planetário no mesmo lugar
Ver as estrelas, mergulhar no fundo do mar, conhecer de pertinho todo o sistema solar. Tudo isso é possível em …