9º Festival de Inverno da Cantareira tem programação imperdível

Peça gratuita questiona ideais da Revolução Francesa

Alessandro Hernandez, Vera Monteiro e Amália Pereira em ‘Contrarrevolução’, da Teatro Kaus Cia. Experimental.
Até
22
de setembro 2018
Quinta - Sexta - Sábado
Quintas e sextas, às 20h; sábados, às 18h

Centro cultural

site: www.oficinasculturais.org.br

email: oswalddeandrade@oficinasculturais.org.br

telefone: (11) 3222-2662 | 3221-4704

'Contrarrevolução' tem sessões na Oficina Oswald de Andrade, no Bom Retiro, até setembro

A crise imigratória que se estende pela Europa e pelos EUA é uma das inspirações de Contrarrevolução, novo espetáculo da Cia. Teatro Kaus. Em cartaz na Oficina Cultural Oswald de Andrade até 22 de setembro, a peça questiona se, frente a casos cada vez mais comuns de preconceito por todo o mundo, o slogan “Liberdade, Igualdade, Fraternidade” (tema da Revolução Francesa) continua tão forte quanto pensamos. O espetáculo tem sessões quintas e sextas, às 20h, e sábados, às 18h.

Crédito: Fabíola Galvão/DivulgaçãoAlessandro Hernandez, Vera Monteiro e Amália Pereira em ‘Contrarrevolução’, da Teatro Kaus Cia. Experimental.

Na montagem, os artistas Alessandro Hernandez, Amália Pereira e Vera Monteiro interpretam seres que discutem o vazio contemporâneo enquanto aprisionados em uma espécie de aquário. Como a individualidade e a violência afetam a sociedade?

Os questionamentos surgem em cena através de personagens como uma Europa personificada, que olha para a cultura branca que seus países carregaram para todo o mundo, e uma mulher que relata as práticas pedófilas de seu marido.

Para construir o espetáculo, o grupo se apoia nos textos inéditos da “Trilogia da Revolução”, com peças escritas pelo dramaturgo espanhol Esteve Soler. A desumanização da sociedade, bem como a solidão tecnológica e as consequências do “efeito rebanho” no mundo globalizado são temas das cenas, que transitam entre o pós dramático e o performático.

Reginaldo Nascimento assina a direção e a trilha da montagem. Ao lado de Telumi Hellen (que assina o figurino), ele também é responsável pelo cenário de Contrarrevolução – uma estrutura que busca representar uma prisão transparente.

Compartilhe:

Autor: SP Escola de Teatro

A SP Escola de Teatro é um equipamento cultural da Secretaria do Estado da Cultura e tem por atribuições a formação profissional na arte teatral.