Últimas notícias:

Loading...

Plataforma online TePI dá visibilidade ao teatro de povos indígenas

Iniciativa idealizada por Andreia Duarte e Ailton Krenak disponibiliza peças, performances, podcast, textos críticos, encontros e vários outros materiais

Por: Redação

Até 31 de março de 2022

Todos os dias

24h

Recursos de acessibilidade para pessoas com deficiência não informados pelo próprio organizador do evento

Mergulhe no riquíssimo universo dos vários povos indígenas do mundo todo, que resistem bravamente para preservar suas terras, culturas e tradições, na plataforma digital TePI – Teatro e os Povos Indígenas (acesse aqui), com conteúdos lançados até março de 2022.

A iniciativa disponibiliza gratuitamente peças, leituras dramáticas, performances, podcasts, textos, conversas e vários outros conteúdos fantásticos, feitos por artistas indígenas e não-indígenas.

TePI - Teatro e os Povos Indígenas
Crédito: Performance "Lithipokoroda" - divulgação - Outra MargemA TePi – Teatro e os Povos Indígenas tem vários conteúdos fantásticos para você conhecer um pouco mais sobre a luta de vários povos indígenas do mundo

Idealizada pela diretora artística Andreia Duarte e pelo filósofo, ambientalista e líder indígena Ailton Krenak, a plataforma é uma forma de resistência em nosso país, que assiste passivamente ao “desfalecimento da cultura, do direito dos povos indígenas e da negação da vida ambiental e plural”, como diz o texto curatorial do projeto.

Além de valorizar o protagonismo indígena, a plataforma tem a missão de reconhecer nesses trabalhos estéticas e conexões que ampliem a percepção sobre a experiência de ser e estar no planeta Terra.

Ao entender o tetro como um espaço de potência criação e reinvenção da vida, a iniciativa reúne obras que tratam de temas urgentes, como a preservação da natureza; a luta dos povos pelo direito à terra e a moradia; as tradições, a cultura e as peculiaridades de cada etnia indígena; e a memória individual e coletiva dessas nações.

Ao que assistir?

Pensada inicialmente como um evento presencial, a TePI – Teatro dos Povos Indígenas reúne cerca de 71 conteúdos em vídeo e outros formatos. No entanto, depois desse período, a plataforma continua a será abastecida a longo prazo.

Os conteúdos são divididos em cinco eixos: mostra artística, com peças, performances e leituras dramáticas; encontros, com conversas, atos para a cura e práticas pedagógicas; internacionalização, com encontros entre programadores e artistas indígenas de vários países; paisagem crítica, com textos e vídeos sobre os trabalhos da plataforma; e publicações sobre o projeto.

Crédito: Paula Gonzalez Seguel - divulgação - Outra MargemA peça “Trewa – Estado-Nação ou o espectro da traição” trata da violência histórica exercida contra o povo Mapuche pelo Estado do Chile

Um dos espetáculos é o chileno “Trewa – Estado-Nação ou o espectro da traição”, da Cia Teatro KIMVN. Na mawida, em meio ao frio e à neve, pessoas próximas de Yudith Macarena Valdés Muñoz, que morreu em 2016, em Tranguil, no sul do Chile, pedem ao ngen mapu permissão para exumar o corpo dela.

Retirar a terra para ir em busca da verdade e da justiça. Em meio às sombras, a violência histórica exercida contra o povo Mapuche pelo Estado do Chile está presente em um nível íntimo e privado nesse espetáculo.

Crédito: “Yepârio e Saberes" - divulgação - Outra Margem“Yepârio e Saberes” acompanha o cotidiano de quatro pessoas indígenas que tentam preservar suas tradições

Outra atração é “Yepârio e Saberes”, de Sandra Nanayna, que retrata o cotidiano de quatro pessoas indígenas residentes no contexto urbano. Elas mantêm viva a oralidade e a memória antepassados ao transmitir saberes de geração a geração. A peça toda é falada na língua tukano.

Já a performance-manifesto “Lithipokoroda”, de Lilly Baniwa, foi produzida por por artistas indígenas da cidade de São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas. Uma mulher ancestral adormece, anda pela floresta e atravessa a cidade em direção à Maloca, a casa do conhecimento dos povos indígenas.

Crédito: Performance "Lithipokoroda" - divulgação - Outra MargemA performance-manifesto “Lithipokoroda” pode ser conferida na plataforma TePI – Teatro e os Povos Indígenas

A floresta está destruída pelas mãos dos brancos. Mas, para os povos indígenas, os conhecimentos ancestrais estão vivos em seus corpos. O trabalho é uma forma de dizer chega para as invasões genocidas, para as violências perpetuadas por séculos pelos missionários, padres e pastores; por tanto sangue derramado, por tantas proibições, preconceitos e perseguições das culturas originárias.

A TePI – Teatro dos Povos Indígenas tem muitos outros conteúdos incríveis para você explorar sem pressa. Então, corre aqui e conheça um pouco melhor o universo e as lutas de vários povos indígenas.

Olha estes outros rolês incríveis:

 

Compartilhe: