De show a cinema: programação baratíssima em cartaz no CCSP

Foto de um showzão do grupo Nômade Orquestra no CCSP
Até
31
de março 2019
Terça - Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo
Diversos horários - confira tudo abaixo!

site: www.centrocultural.sp.gov.br

telefone: (11) 3397-4002

email: ccsp@prefeitura.sp.gov.br

facebook: www.facebook.com

Centro Cultural

Para chegar de metrô, basta descer na Estação Vergueiro, Linha 1-Azul

Nascido no ano de 1982, o Centro Cultural São Paulo, conhecido como CCSP, é um dos primeiros equipamentos culturais multidisciplinares do Brasil. Aberto ao público, o local promove diversos eventos gratuitos ou a preços mega acessíveis, além de disponibilizar espaços para uso livre de seus frequentadores, que aproveitam o equipamento para fazer aulas de dança, desenho e muito mais!

A fim de facilitar sua vida em São Paulo, listamos aqui, agora, os destaques da programação de março no CCSP, com direito à peças teatro, cinema, música e exposições.

 Nômade Orquestra no CCSP
Crédito: Pedro MargheritoFoto de um showzão do grupo Nômade Orquestra no CCSP

Informações sobre os eventos foram retiradas do site oficial do Centro Cultural São Paulo.

Confira: 

  • Cinema

Breves & Inéditos 
12 a 31 de março
Sala Lima Barreto (99 lugares)
R$2 – a bilheteria será aberta uma hora antes da primeira sessão do dia
Programação completa aqui

O Centro Cultural São Paulo apresenta a mostra Breves & Inéditos, um panorama retrospectivo de alguns dos melhores filmes lançados em 2018 que não tiveram a merecida exposição dentro do circuito comercial brasileiro. Filmes que tiveram um lançamento comercial restrito nos cinemas, sendo exibidos em poucas salas ou por pouquíssimo tempo.

A programação também reúne filmes que tiveram sucesso no grande circuito dos multiplexes e que merecem algumas exibições dentro do circuito cineclubista (é o caso de ”Podres de ricos” e ”Um pequeno favor”); além dos filmes que permanecem inéditos no Brasil, ou que foram lançados direto em DVD, Blu-ray ou Vídeo On Demand.

  • Espetáculo

Gota D’Água Preta
8 a 24 de março | sextas e sábados, às 20h, e domingos, às 19h
150min – 14 anos -Sala Jardel Filho
R$ 30

Gota D'Água Preta
Crédito: Evandro Macedo | DivulgaçãoGota D’Água Preta

Gota D’água é a transposição musical da Medeia grega para os tempos atuais. Na tragédia, Medeia é uma feiticeira poderosa que se apaixona por Jasão e foge com ele, dando-lhe dois filhos. Mais tarde ele a abandona para casar com a filha de Creonte, rei de Corinto. Como vingança Medeia provoca a morte da noiva e mata as duas crianças. Em Gota d’água preta, Medeia é Joana, mulher madura prestes a ser despejada junto com os dois filhos. Jasão, compromissado com outra que lhe garantirá o futuro, continua jovem, é um sambista que desponta para o sucesso com a composição e gravação de uma canção chamada Gota D’água. Todo o enredo transcorre agora na Vila do meio dia.

Texto: Chico Buarque e Paulo Pontes – direção geral, concepção e idealização do projeto: Jé Oliveira – elenco: Jé Oliveira, Rodrigo Mercadante, Aysha Nascimento, Dani Nega, Marina Esteves, Ícaro Rodrigues e Mateus Sousa – cantora convidada: Juçara Marçal – músico convidado: Salloma Salomão

  • Exposição

Conversas em Gondwana
7 de fevereiro a 7 de abril | Terça a sexta, das 10h às 20h, sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h
Piso Flávio de Carvalho
GRÁTIS

Conversas em Gondwana é uma plataforma de pesquisa e experimentação em arte contemporânea e apresenta obras colaborativas desenvolvidas ao longo de um ano por cinco duplas de artistas brasileiros e sul-africanos. A mostra conta também com uma seleção de trabalhos intitulada Arquipélago, de vários outros artistas. Gondwana é o nome do supercontinente que há cerca de 200 milhões de anos reunia as massas continentais do que hoje chamamos América do Sul, África, Antártica, Austrália e Índia. O projeto evoca esse passado geológico distante a fim de intensificar o fluxo de práticas e pesquisas entre artistas, curadores e pesquisadores dessas regiões.

curadoras: Juliana Caffé e Juliana Gontijo (realização do Governo de São Paulo e Secretaria de Cultura) – artistas: Aline Xavier & Haroon Gunn-Salie; Ana Hupe & Gabrielle Goliath; Clara Ianni & Mikhael Subotzky; Daniel Lima & Ismail Farouk e Paulo Nimer PJota & Siwa Mgoboza – artistas Arquipelágo: Kemang Wa Lehulere, Penny Siopis, Cinthia Marcelle e Jean Meeran, Thiago Rocha Pitta, Marcelo Moscheta e Renata de Bonis

  • Música

Rashid
1º de março | sexta, às 21h
90min – livre – Sala Adoniran Barbosa
R$25

Acompanhado de banda, o rapper traz o show de sua #CriseTour para divulgar o Crise, lançado em janeiro de 2018. Nas apresentações deste ano, Rashid explora seu repertório com uma setlist que inclui músicas de seus dois discos de estúdio, EPs e mixtapes, e traz, entre outras, composições como Gratidão, Bilhete 2.0, Ruaterapia, além dos singles mais recentes – Interior e Não é desenho.

Stratus Luna
7 de março | quinta, às 21h
90min – livre – Sala Adoniran Barbosa
R$25

O grupo Stratus Luna, formado por Gustavo Santhiago (teclados, flauta e sítar), Ricardo Santhiago (guitarra e lap steel), Giovanni Santhiago Lenti (bateria e percussão) e Gabriel Golfetti (baixo e teclado), lança seu disco de estreia, batizado com o nome da banda, e mostra composições que vão do rock progressivo ao jazz fusion, passando pela música étnica e psicodélica.

Oruã + Marianaa
8 de março | sexta, às 19h
90min – livre – Sala Adoniran Barbosa
R$25

Representantes da cena indie carioca, os dois grupos apresentam-se como parte das comemorações dos 15 anos do selo Transfusão Noise Records. Oruã, do Rio de Janeiro, apresenta o álbum Sem Benção/Sem Crença, que traz músicas como Malquerência, Vitin e Mother Sky (versão para o grupo alemão Can). Já o trio Marianaa vem da cidade de Campos dos Goytacazes e mostra seu disco de estreia, Sdds Role Lixo. Os dois grupos dividiram o EP Marginal Alado, no qual fizeram versões em homenagem a Chorão, ex-vocalista do Charlie Brown Jr,.

Lóki 4.5 – Tributo ao clássico de Arnaldo Baptista
9 de março | sábado, às 19h
90min – livre – Sala Adoniran Barbosa

R$25

O baixista da banda gaúcha Cachorro Grande reuniu artistas como o vocalista do grupo Vanguart, Helio Flanders, e o tecladista Charlie Coombes para um tributo ao clássico disco de estreia da carreira solo do ex-mutante Arnaldo Baptista, Loki, que completa 45 anos de carreira em 2019.

Gross
10 de março | domingo, às 18h
90min – livre – Sala Adoniran Barbosa

R$25

O cantor, compositor e guitarrista gaúcho Marcelo Gross, ex-integrante do grupo Cachorro Grande, mostra músicas de seu segundo disco solo, Chumbo & Pluma, na formação power trio e conta com participações especiais.

Ruido/mm
16 de março | sábado, às 19h
90min – livre – Sala Adoniran Barbosa

R$25

Com 15 anos de trajetória, a banda ruído/mm (pronuncia-se “ruído por milímetro”), originada em Curitiba, faz show de lançamento do álbum A é côncavo, B é convexo. O LP tem oito temas inéditos (Niilismo, Volca, Antílope, Ouroboros, Tesserato, Esporos, Jacó e MMC) e sucede Rasura, disco que está nas listas de melhores de 2014. Frequentemente associado ao post-rock, o ruído/mm vem fazendo escola com um trabalho original e inclassificável.

Baleia 
Domingo, às 18h
90min – livre – Sala Adoniran Barbosa
R$25

O grupo carioca apresenta seu novo disco, Coração fantasma, que segue em processo de desenvolvimento e criação na proposta “disco vivo”, que apresenta os capítulos já registrados e lançados, além de intercalar faixas inéditas ainda nem gravadas – que só poderão ser escutadas ao vivo pelo público presente. Coração fantasma propõe um processo mutável, com o repertório sendo incorporado e alterado ao longo dos lançamentos dos capítulos.

Kamau
21 de março | quinta, às 21h
90min – livre – Sala Adoniran Barbosa
R$25

Acompanhado do multicampeão DJ Erick Jay, Kamau apresenta o show Recap, em que repassa peças e passos fundamentais de sua carreira, passando por EPs, participações e o consagrado álbum Non Ducor Duco – além de apresentar uma prévia do que está por vir ainda este ano.

Karol Conká
24 de março | domingo, 18h
90min – livre – Sala Adoniran Barbosa
R$25

Karol Conká
Crédito: Carlos Sales - divulgaçãoKarol Conká apresenta turnê “Ambulante”

O segundo álbum de Karol Conká, Ambulante, foi lançado em novembro, trazendo novidades no som da artista e reforçando ainda mais sua essência. Em parceria com o produtor Boss and Drama, ela misturou beats, flertou com outros estilos e fez um disco de rap no formato pop, fortalecendo sua personalidade. No show ela é acompanhada do DJ Hadji (pick-ups) e mostra tanto novas canções (Kaça, Bem-sucedida, Vida que vale, Vogue do gueto, Dominatrix, Saudade, Fumacê) quanto seus clássicos (Farofei, Tombei e É o poder).

Bixiga 70 
28 de março | quinta, às 19h e às 21h
90min – livre – Sala Adoniran Barbosa
R$25

A big banda paulistana apresenta-se em duas sessões no Centro Cultural São Paulo realizando dois shows distintos. No repertório, músicas de seus quatro álbuns, incluindo o mais recente, o festejado Quebra cabeças, lançado em 2018.

Orquestra Vermelha
29 de março | sexta, às 21h
90min – livre – Sala Adoniran Barbosa
R$25

Projeto do guitarrista, produtor e artista sonoro Matheus Leston (ex-Patife Band), a Orquestra Vermelha é formada por integrantes virtuais. No palco, grandes painéis de LED exibem as silhuetas dos músicos, que executam um repertório original e instrumental, ainda inédito em disco, com influências de krautrock, eletrônica ambiente, jazz e minimalismo contemporâneo. A estrutura paradoxal (ao vivo e, ao mesmo tempo, playback) questiona as relações entre áudio e vídeo e o formato do que se convencionou chamar de show.

Mombojó
30 de março | sábado, às 19h
90min – livre – Sala Adoniran Barbosa
R$25

Com 17 anos de estrada e cinco discos na bagagem, os pernambucanos da Mombojó se reinventam e apresentam uma nova fase de trabalho: o projeto MMBJ12, em que lançam um single inédito a cada mês. As faixas estão saindo desde agosto de 2018 em plataformas digitais, rádios e web. Na apresentação do CCSP, eles lançam a sexta canção do projeto.

Yma + Lau e Eu
31 de março | domingo, às 18h
90min – livre – Sala Adoniran Barbosa
R$15

Dois novos talentos da cena indie brasileira. O sergipano Lau e Eu faz a abertura do show da cantora Yma, que lança seu primeiro disco, Par de olhos. O show terá participações especiais e efeitos visuais.


Compartilhe:

Autor: geovanna

Jornalista imersa de corpo e alma em cada respiro de cultura que a vida proporciona!