Roteiro: Bar da Frente, um tesouro guardado na Tijuca

Uma dica delícia do Cariocando no Rio ;)

Por: Catraca Livre
Bar da Frente é um pequeno tesouro guardado na Tijuca
Bar da Frente é um pequeno tesouro guardado na Tijuca

O Rio de Janeiro é a minha Paris. A verdadeira cidade das luzes. Ao contrário da maioria dos mortais, eu não acho que visitar a Torre Eiffel seja o suprassumo da felicidade humana e nem ligo tanto para a tal Champs-Élysées. O meu negócio é acordar com o Dois Irmãos aos pés, perambular de chinelo na rua e depois finalizar o dia em um autêntico bar carioca. Nesse quesito, destaco o Bar da Frente. Um boteco de respeito que finca suas raízes na Praça da Bandeira e prova que alta gastronomia não precisa vir acompanhada de luxo e requinte. Pelo contrário. Quanto mais informal, mais carioca.

A cozinha do bar é notável. Onde mais poderíamos encontrar porquinho de quimono e fondue de coxinha?! A coxinha é fenomenal, de outro mundo. E, como se não bastasse, ainda vem com um queijo cremoso para a felicidade ser completa (a idéia é que seja exatamente como um fondue). Outra iguaria fina é o “arroz de puta rica”. Sua riqueza consiste em um belíssimo arroz de linguiça, carne seca, palmito, cenoura, milho e dois ovos fritos soberbos.

Fondue de coxinha é um dos destaques do Bar da Frente
Fondue de coxinha é um dos destaques do Bar da Frente

Mas o TROFÉU DE OURO da casa vai para esse cara aí da foto de cima, o Malandrinho! Trata-se de um cachorro quente de croquete. Vem no pão de leite quentinho com croquete de carne assada e provolone derretido por cima. Tem como ser melhor? Aposto que não. Para não dizer que só tenho elogios ao bar, aí vai uma crítica: o espaço é minúsculo e a disputa por mesas é acirradíssima. Deveria ter mais umas 20 mesas ali (no mínimo). Mas para comer o Malandrinho, eu aguento filas de espera, calor e fome. De poucos lugares saio tão feliz. Ah, e o preço é justíssimo. ;)

End.: Rua Barão de Iguatemi, 388 – Praça da Bandeira.

Quer saber o que fazer no Rio?! Baixe o Aplicativo “Cariocando no Rio“. Clicks: Gabriel da Muda. 

Compartilhe: