Semana Paulista de Dança leva lindos espetáculos gratuitos ao MASP

O encerramento da programação fica por conta do Balé Folclórico da Bahia, em um espetáculo inspirado em rituais do Candomblé

Por: Redação Comunicar erro
Até
01
de setembro 2019
Quarta - Quinta - Sexta - Sábado - Domingo
De quarta a sábado, às 20h
Domingo, às 16h e às 19h

Com o intuito de aproximar a cidade de São Paulo da dança e apresentar a cena contemporânea, o MASP recebe a segunda edição da Semana Paulista de Dança.

Nesta temporada, o evento tem cinco dias de programação gratuita e seis grupos que se apresentam no palco do museu, entre eles Quasar Cia. de Dança, a Studio3, a São Paulo Companhia de Dança, o Balé Teatro Guaíra, a Companhia de Danças de Diadema e o Balé Folclórico da Bahia, que encerra a semana de dança com o espetáculo “Herança Sagrada – A corte de Oxalá

cena do espetáculo herança sagrada a corte de oxalá do grupo Balé Folclórico da Bahia
Crédito: Vinicius LimaO encerramento da Semana Paulista de Dança fica por conta do Balé Folclórico da Bahia, com um espetáculo em homenagem ao Candomblé

Inspirado em rituais do Candomblé, com cânticos sagrados e reproduções fiéis de importantes manifestações culturais baianas, da capoeira ao samba de roda, o espetáculo já foi aplaudido nos Estados Unidos, Europa, Oceania e Caribe.

PRA VOCÊ QUE CURTE ARTE: EXPOSIÇÃO DE VAN GOGH LEVA VISITANTE PARA DENTRO DAS OBRAS

Além dos grupos, os artistas Miriam Druwe, Marilena Ansaldi e Raymundo Costa fazem espetáculos solos na Semana Paulista de Dança.

Raymundo Costa leva ao MASP uma homenagem póstuma a Hugo Travers, intitulada “O tempo entre o sopro e o apagar da vela” a apresentação toma versos de Paulo Leminski emprestados para o título e transforma em dança o momento em que ouvimos uma má notícia e as emoções que se seguem.

miriam druwe dançando
Crédito: Arnaldo J.G TorresMiriam Druwe apresenta o solo ‘Sei Solo’, com dramaturgia e encenação do diretor e coreógrafo José Possi Neto

A dançarina Marilena Ansaldi apresenta na Semana Palista de Dança “Depois de tudo“, uma coreografia de tom bastante pessoal, onde a artista revê a própria trajetória em seus mais de
60 anos de carreira, e transmite uma mensagem de gratidão.

Já Miriam Druwe criou e interpreta “Sei solo”, um espetáculo que fala do difícil exercício de encontrar a si mesmo. Na trilha, Chaconne, Partita no 2 em Ré menor, de Johann Sebastian Bach.

Por fim, e muito importante, a semana também conta com a “Mesa de Mulheres” para partilhar cinco olhares distintos de modos de existência na dança, permeado por momentos marcantes da carreira de cinco mulheres.

Ana Bottosso comenta como foi substituir a mestra Ivonice Satie na Companhia de Danças de Diadema; Carolina Fagundes fala da idealização do Instituto Satie; Miriam Druwe conta como é retornar aos palcos em novo momento da carreira; e Vera Bicalho pondera como foi reinventar a Quasar Cia de Dança.

cena do espetáculo herança sagrada a corte de oxalá do grupo Balé Folclórico da Bahia
Crédito: Vinicius LimaSeis companhia de dança se apresentam na Semana Paulista de Dança, que fica em cartaz no MASP, de 28 de agosto a 1º de setembro

A Semana Paulista de Dança toma conta do museu de 28 de agosto a 1º de setembro. As sessões de quarta a sábado, acontecem às 20h, e no domingo, às 16h e às 19h.

A programação completa dos espetáculos da programação pode ser conferido no site oficial do MASP.

Mais espetáculos incríveis pra você!

O Palco Giratório, circuito nacional de artes cênicas do Sesc, chega à sua 22ª edição como uma ação integrada que fomenta a circulação de obras. Selecionamos aqui sete espetáculos para você conferir.