Soul e blues no Parque das Ruínas: dois dias seguidos de música boa!

Músicos e DJs embalam as noites de quinta e sexta no centro cultural mais amado de Santa Teresa

Por: Redação Comunicar erro
Nos dias
12/09 - 13/09
2019
A partir das 18h

Ah, Santa Teresa… O palco perfeito para muita arte e lazer! Lá no bairro queridinho dos cariocas e turistas rolam diversas atrações o ano todo, para todos os gostos e bolsos. Só nessa semana, por exemplo, você pode curtir muito soul e blues no Parque das Ruínas! Tudo na faixa de R$ 10 a R$ 20!

fim de semana no rio
Tem muita música boa no Parque das Ruínas na sexta!@parquedasruinas/Facebook
samba nas ruínas
Centro cultural em Santa Teresa recebe a tradicional roda todo mês Alexandre Macieira/Riotur
  • Dia 12

Soul nas Ruínas embala o happy hour do dia 12 com o melhor da black music, a partir das 18h. Soul, charme, além de flashback e lentinhas. Com um repertório variado, os DJs Marcus Alves e Sergio Alves prometem fazer você voltar no tempo!

O evento é organizado pelo coletivo Top Charme e está com ingressos a R$ R$ 10 (meia) e R$ 20 (clique aqui para garantir o seu!).

  • Dia 13 

Enquanto isso, na sexta-feira 13, às 18h, o Parque das Ruínas apresenta a 5ª edição do projeto Blues nas Ruínas! Mas desta vez, a anfitriã é a Caravana Cigana do Blues, que convida para uma participação especialíssima o guitarrista Otávio Rocha.

Só tem fera entre as influências da banda: Albert King, Buddy Guy, BB King,Willie Dixon, Howlin Wolf, Janis Joplin, Etta James, Blues Etílicos, Igora Prado Band, Big Mama Thornton, Ricardo Werther, Billie Holiday… Colocando seu nome no mural do evento, você só paga R$ 15 se comprar a entrada no dia, até 20h!

Olha que delicinha de som:

Caravana Cigana do Blues feat. Stephan Vidal – I Ain't Got You (Calvin Carter)

Blues nosso de cada sábado!I Ain't Got You (Calvin Carter)Filmagem: Nelson Rocha Dos Santos

Publicado por Caravana Cigana do Blues en Domingo, 14 de julio de 2019

Ruínas, história e cultura

O Parque das Ruínas já foi residência da grande mecenas da Belle Époque carioca Laurinda Santos Lobo. Ela costumava reunir intelectuais e artistas nas dependências do palacete, em encontros com música, poesia, dança… Em 1996, os arquitetos Ernani Freire e Sônia Lopes desenvolveram o projeto final da casa que une as ruínas do palacete neocolonial a estruturas modernistas.

Lá do alto, você tem uma visão privilegiada de vários lugares do Rio: Pão de Açúcar, Ponte Rio-Niterói, Marina da Glória, Lapa, Aeroporto Santos Dumont…

Aposto que você também vai gostar do tributo à Amy Winehouse que rola na próxima semana!