Lobotomia social é tema do monólogo ‘Obra Sobre Ruínas’

Com texto e direção de Fernando Aveiro, ‘Obra Sobre Ruínas’ apresenta um Ser, prestes a passar por uma lobotomia social, que tenta se livrar dos padrões impostos e reconstruir sua identidade
Até
10
de setembro 2018
Domingo - Segunda - Sexta - Sábado
Às sextas, aos sábados e às Segundas, às 21h; aos domingos, às 19h

site: spescoladeteatro.org.br

telefone: (11) 3775-8600

facebook: facebook.com/spescoladeteatro

Por: Redação | Comunicar erro

Ganhe 50% de desconto com a Chave VilaMundo.

A lobotomia social metafórica pela qual as pessoas passam para se enquadrar aos padrões arbitrários inventados pela sociedade é o tema de “Obra Sobre Ruínas – Um Experimento Cênico Sobre Amor e Liberdade”, com direção e texto de Fernando Aveiro, que estreia no dia 10 de agosto na SP Escola de Teatro, sede Roosevelt, Sala R1.

Monólogo do Núcleo de Pesquisa Caxote, com atuação de Humberto Caligari, estreia no dia 10 de agosto na SP Escola de Teatro.
Crédito: Marcelo Villas BoasMonólogo do Núcleo de Pesquisa Caxote, com atuação de Humberto Caligari, estreia no dia 10 de agosto na SP Escola de Teatro.
Com texto e direção de Fernando Aveiro, ‘Obra Sobre Ruínas’ apresenta um Ser, prestes a passar por uma lobotomia social, que tenta se livrar dos padrões impostos e reconstruir sua identidade
Crédito: Marcelo Villas BoasCom texto e direção de Fernando Aveiro, ‘Obra Sobre Ruínas’ apresenta um Ser, prestes a passar por uma lobotomia social, que tenta se livrar dos padrões impostos e reconstruir sua identidade

Em parceria com a Chave VilaMundo a peça oferece desconto de 50% para quem apresentar o cupom na hora da compra. Pegue o seu cupom aqui.

Com atuação de Humberto Caligari, o monólogo revela a transformação de um indivíduo que se perdeu da sua verdadeira essência e resolveu aceitar a sina trágica de fazer uma cirurgia de lobotomia para se adequar aos padrões que a sociedade espera dele. Quando está prestes a passar por esse procedimento, entra em um estado onírico e revisita as estrutura que influenciaram a construção de sua identidade. Ao final dessa tentativa de desfragmentar as dores do passado, ele renasce em um ser híbrido e autêntico.

“Este Ser quando enxerga essas formas de aprisionamento, entrega-se para uma morte metafórica. Ele decide assumir sua identidade essencial, o entendimento de que é possível existir independentemente de qualquer imposição. E nesse renascimento ele é capaz de se despir de qualquer tipo de máscara”, revela o diretor Fernando Aveiro.

Sobre o Núcleo de Pesquisa Caxote

Criado em 2013, o Núcleo de Pesquisa Caxote surgiu com a proposta de promover a dramaturgia contemporânea e criar releituras de obras de dramaturgos já consagrados. A pesquisa consiste em fazer o teatro interagir com outras formas de expressões artísticas, a fim de dialogar com a cena teatral contemporânea, sem perder o foco na primazia do trabalho do ator.

A estreia do grupo foi marcada pela peça “Por acaso, navalha – teatro instalação”, com direção de Fernando Aveiro, uma releitura da consagrada “Navalha na Carne”, obra-prima do dramaturgo santista Plínio Marcos. A encenação propunha um diálogo com artes plásticas e instalação, rompendo qualquer distinção entre plateia e cena. O trabalho obteve grande repercussão de mídia, crítica e público e ganhou três indicações ao Prêmio Melhores do Teatro R7, nas categorias de ator e atriz revelação para Humberto Caligari e Bárbara Salomé, e de melhor cenário para Rosângela Ribeiro.

Compartilhe:

Tags: #sp escola de teatro #Teatro #Teatro Acessível
Autor: Por: Redação