O Choro é Livre: projeto do Sesc celebra choro com shows grátis

Por: Redação
Nos dias
05/01 - 12/01
19/01 - 25/01 - 26/01 - 16/02 - 23/02
2019
19h

O Sesc Santana apresenta em janeiro e fevereiro as atividades que integram o projeto O Choro é Livre!, que homenageia o estilo de música popular brasileira. Ao longo do mês acontecem ainda shows com violinistas consagrados.

Crédito: DivulgaçãoBanda Água de Vintém é uma das atrações do projeto

A abertura acontece no sábado, dia 5 de janeiro, com a oficina de choro, e os shows nos sábados, dias 12 e 19 de janeiro e 16 de fevereiro. A entrada é gratuita e as atrações começam às 19h.

Os representantes do choro paulista, Zé Barbeiro e Dinho Nogueira, apresentam em duas partes a história da formação da principal vertente musical brasileira, o Choro. Neste primeiro momento, a dupla de violonistas conta e toca como o gênero surgiu e se desenvolveu, acompanhados por Fabrício Rosil no cavaco e Rafael Toledo no pandeiro. A história começa em meados do século XIX, no Rio de Janeiro, e vai até a era Pixinguinha, apresentando os principais compositores, ritmos, formações e peculiaridades, mesclando música com sociologia e história.

O choro, popularmente chamado de Chorinho, é um gênero que pode ser considerado como a primeira manifestação de música urbana tipicamente brasileira. Ao longo dos anos o gênero se transformou em um dos mais prestigiados da música popular nacional, reconhecido em excelência e requinte. Tem como origens estilísticas o lundu, ritmo de inspiração africana à base de percussão, com mistura de gêneros europeus.

A composição instrumental dos primeiros grupos de choro era baseada na trinca: flauta, violão e cavaquinho – a esse núcleo inicial do choro também se chamava pau e corda, por serem de ébano as flautas usadas -, mas com o desenvolvimento do gênero, outros instrumentos de corda e sopro foram incorporados.

O choro é visto como o recurso do qual se utilizou o músico popular para executar, ao seu estilo, a música importada e consumida nos salões e bailes da alta sociedade do Império a partir da metade do século XIX. Sob o impulso criador e improvisado dos chorões, logo a música resultante perdeu as características dos seus países originários e adquiriu feições genuinamente brasileiras. A improvisação é condição básica do bom chorão, termo ao qual passou a ser conhecido ao músico integrante do choro, bem como requer uma alta virtuosidade de seus intérpretes, cuja técnica de composição não deve dispensar o uso de modulações imprevistas e armadas com o propósito de desafiar e a capacidade ou o senso polifônico dos acompanhantes.

Confira a programação:

O Choro é Livre!
Local: Sesc Santana
End.: Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Jd. São Paulo
Capacidade: 60 lugares.
Ingressos: Grátis. Sem retirada de ingressos.

Oficina do Choro
Zé Barbeiro e Dinho Nogueira, apresentam em duas partes a história da formação da principal vertente musical brasileira, o Choro, acompanhados de Fabrício Rosil no cavaco e Rafael Toledo no pandeiro.
Data: 05/01/2019, sábado
Hora: 19h

Ó do Borogodó
Show do grupo composto por Gian Correa (violão), Ildo Silva (cavaquinho), Alexandre Ribeiro (clarinete) e Roberta Valente (pandeiro), formado no bar de samba e choro da Vila Madalena de mesmo nome.
Data: 12/01/2019, sábado
Hora: 19h

Água de Vintém
O grupo apresenta canções de seus sete anos de carreira e composições inéditas que estarão presentes no próximo álbum, a ser lançado em 2019. Com Vitor Casagrande (bandolim e violão tenor), Xeina Barros (pandeiro), Charles Barreto (cavaquinho), Marcus Godoy (violão) e Guilherme Girardi (violão de 7 cordas).
Data: 19/01/2019, sábado
Hora: 19h

Menina Francisca
Acompanhado de uma pianista e uma flautista, Cristiano apresenta ao público choros presentes no repertório de Chiquinha Gonzaga, incluindo alguns ainda inéditos, como “Fiandeira”.
Data: 25/01/2019, sexta
Hora: 14h

Izaías e seus Chorões
O grupo, surgido em 1974, em reuniões informais entre amigos, amantes e estudiosos do choro tem a finalidade de divulgar este gênero no seu modo mais puro, como fora concebido há mais de cem anos, procurando dessa forma conservar suas raízes.
Data: 26/01/2019, sábado
Hora: 19h

Sacudindo o Choro
A paixão pelo choro e a vontade de mostrar ao público uma música instrumental que se diferencia pelos belos arranjos e versatilidade levaram quatro jovens a formar o ‘Sacudindo o Choro’. Incentivando a permanência do choro enquanto identidade nacional genuína, o grupo lança seu primeiro disco: “Quebra Cabeça”, explorando sonoridades e ritmos diversos em composições autorais. O trabalho vem mostrar um repertório versátil, que passeia por vários gêneros da música brasileira, passando pelo choro sambado até o maxixe. O grupo ainda abre espaço para o choro contemporâneo, em que as melodias e harmonias fogem das vertentes tradicionais, criando uma ponte com ritmos nordestinos como frevo, baião e arrastapé, além de explorar elementos do Blues Americano e o Jazz Cigano.
Data: 16/02, sábado
Hora: às 19h

Quatro a Zero
O Quatro a Zero, que acumula 16 anos de trajetória com 4 discos lançados e apresentações em todo o país e também no exterior, se notabilizou por apresentar uma nova perspectiva ao choro, conciliando ousadia na expansão das fronteiras deste gênero musical e conhecimento profundo de suas particularidades. O repertório da apresentação traz clássicos do choro ao lado de composições dos integrantes do grupo.
Data: 23/02, sábado
Hora: às 19h

Curtiu? Então leia também: