Dicas para melhorar a oratória e ter um discurso convincente

Por: Publi | Comunicar erro

O candidato que apresenta uma boa oratória durante uma entrevista de emprego aumenta consideravelmente suas chances de conquistar a vaga, isto porque a fala ajuda a influenciar, convencer e seduzir o recrutador.

Essa habilidade é, inclusive, um diferencial muito valorizado no mercado de trabalho, já que o poder da comunicação é necessário em quase todos os cargos e áreas de atuação. Mas como saber se você manda bem na oratória?

Um exemplo de um bom orador é o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que costuma ter a plateia nas mãos nos primeiros minutos de seus discursos. “Demonstrar segurança é fundamental ao falar em público, e Barack Obama entende isso como poucos”, analisa o instrutor de oratória Renato Avanzi, da Widoox.

Para Avanzi, são 3 as características do discurso de Obama: confiança, conexão com os interlocutores e capacidade de inspirar as pessoas. “Ele demonstra segurança desde o primeiro momento em que entra em cena, seu olhar passa firmeza e autoridade. Seus gestos são sutis, mas determinados”.

Para te ajudar a desenvolver uma comunicação mais eficiente no trabalho, separamos algumas dicas do especialista em oratória Reinaldo Polito, que vão te preparar melhor para apresentações de projetos, defesa de propostas ou entrevista de emprego; confira:

Estude sua plateia ou interlocutor

Cada público possui características e expectativas próprias, e que precisam ser consideradas em uma apresentação. Procure saber qual é o nível intelectual das pessoas, até que ponto conhecem o assunto e a faixa etária predominante dos ouvintes. Assim, poderá se preparar de maneira mais conveniente e com maiores chances de se apresentar bem.

Atenção à voz

Fale com boa intensidade – nem alto nem baixo demais – sempre de acordo com o ambiente. Mantenha um ritmo agradável, pronuncie bem as palavras, repita informações importantes, alterne a velocidade da fala, faça pausas e, depois delas, volte a falar com mais energia. Para saber se não está atropelando as palavras ou sendo lento e se a tonalidade que usa é agradável, um truque é gravar a própria voz e ouvir depois ou mostrar a colegas.

Treine a dicção

Com o dedo indicador, imite um gancho, encaixe por uns dois minutos diários nos dentes inferiores e fique falando.

Pronuncie bem as palavras

Principalmente não omita os ‘s’ e ‘r’ finais e os ‘i’ intermediários. Por exemplo: diga terceiro, e não ‘tercero’.

A importância das pausas

A pausa valoriza a informação, cria expectativa sobre o que será dito em seguida, além de demonstrar o domínio de quem está falando.

Seja bem-humorado

Se o assunto permitir e o ambiente for favorável, use sua presença de espírito para tornar o momento mais leve, descontraído e interessante. Cuidado, entretanto, para não exagerar, pois o orador que fica o tempo todo fazendo gracinhas pode perder a credibilidade.

Olhe nos olhos do outro

Procure falar olhando para todas as pessoas presentes, girando o tronco e a cabeça com calma, ora para a esquerda, ora para a direita, para valorizar e prestigiar a presença dos ouvintes.

Atenção à expressão corporal

É importante que se movimente diante dos ouvintes para que realimentem a atenção, mas esteja certo de que o movimento tem algum objetivo, como por exemplo, destacar uma informação. Evite falar com as mãos nos bolsos, com os braços cruzados ou nas costas. Também não é recomendável ficar esfregando as mãos, principalmente no início, para não passar a ideia de que está inseguro ou hesitante.

Fale com emoção

Fale sempre com energia, entusiasmo, emoção para contagiar o ouvinte.

Compartilhe: