Após oito meses, general diz que sabe quem matou Marielle Franco

A vereadora do PSOL e seu motorista, Anderson Gomes, foram assassinados no dia 14 de março de 2018

Por: Redação Comunicar erro
marielle franco
Crédito: reprodução / Twitter @SAIS_LASPMarielle Franco foi assassinada juntamente com seu motorista, Anderson Gomes, em março de 2018

O Secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, general Richard Nunes, revelou que já sabe quem são os responsáveis pelo assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e de seu motorista, Anderson Gomes, e disse que pretende prender todos os envolvidos de uma só vez.

De acordo com entrevista do general à GloboNews nesta quinta-feira, 22, os investigadores trabalham agora em busca de reunir provas para que o inquérito seja enviado à Justiça de maneira que assegure que os denunciados não sejam inocentados.

“O problema todo é criar uma narrativa consistente ligando estes atores com provas cabais. Seria um fracasso se a sociedade observasse esses indiciados não fossem condenados”, disse o secretário.

Marielle Franco e Anderson Gomes foram mortos a tiros no dia 14 de março de 2018 na região central da capital fluminense. Até o momento, no entanto, o crime não foi esclarecido e os familiares, militantes e políticos do PSOL cobram um parecer da Justiça.

Ainda na entrevista, Nunes disse que pretende entregar o caso solucionado ao final do período da intervenção federal no estado, que termina em 31 de dezembro.

O general confirmou também a participação de milicianos no assassinato, além da possibilidade real do envolvimento de políticos no crime.

“Esperamos que [vamos concluir o inquérito em 31 de dezembro] sim. Não podemos ser precipitados. No momento que prende um [suspeito], não prende os demais. Alguns participantes nós temos. Temos que criar uma narrativa consistente com provas cabais que não sejam contestadas em juízo. Seria um fracasso que a sociedade não observasse essas pessoas como criminosas e elas não fossem condenadas no tribunal do júri”.

Por fim, o general esclareceu que o crime não foi motivado por ódio: “É um crime que tem a ver com a atuação política e a contrariedade de alguns interesses. Se a milícia não está a mando, está na execução. Provavelmente [tem político envolvido]”, afirmou.

Compartilhe:

1 / 8
1
09:33
Glenn Greenwald: Os limites do jornalismo no governo Bolsonaro
Em entrevista a Gilberto Dimenstein, da Catraca Livre, Glenn Greenwald, fundador do The Intercept Brasil, site responsável pela série de …
2
03:50
Clã Bolsonaro nomeou familiares para cargos de confiança
Uma reportagem publicada pela revista Época mostra que 17 familiares de Ana Cristina Valle, ex-mulher do presidente Jair Bolsonaro,  foram …
3
10:59
David Miranda x Coaf: Glenn Greenwald fala sobre a investigação
Uma matéria publicada pelo jornal O Globo deu destaque para um relatório do Coaf, em que o deputado federal David …
4
05:12
Glenn Greenwald fala qual foi a matéria mais importante da #VazaJato
Qual foi a matéria mais importante da #VazaJato até agora? Quem responde essa pergunta é o jornalista Glenn Greenwald, do …
5
04:32
É possível apoiar a #VazaJato ao mesmo tempo que a Operação Lava Jato?
O jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil, deu uma longa entrevista ao jornalista Gilberto Dimenstein sobre a …
6
06:21
Prefeito do Rio censura HQ dos Vingadores por conta de beijo gay
O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, mandou recolher todos os exemplares do gibi “Vingadores – A Cruzada das …
7
04:35
Facada em Bolsonaro completa um ano com mais uma cirurgia
O presidente Jair Bolsonaro, comemorou junto à imprensa nesta sexta-feira, 6, o que chamou de “aniversário” de um ano da …
8
10:37
Entenda a mente do Bolsonaro por Alexandre Frota e Fernando Holiday
Os deputados, ex-aliados do governo Bolsonaro, Alexandre Frota (PSDB) e Fernando Holiday (DEM) estiveram na Catraca Livre e falaram sobre …