Blog multimídia Dimenstein ganha 5 milhões de leitores em 1 mês

Por: Gilberto Dimenstein | Comunicar erro

Depois de se afastar das funções executivas da Catraca Livre, o jornalista Gilberto Dimenstein iniciou uma experiência multimídia: um canal combinando textos com vídeos.

Em apenas um 31 dias, o blog do jornalista Gilberto Dimenstein passou dos 5 milhões de leitores únicos, segundo o Google Analytics, um dos principais medidores de audiência na internet – o blog surgiu em dezembro do ano passado para tratar de cidadania e política.

Para completar o blog, Gilberto Dimenstein lançou um canal “jornalisticamente correto”.
A ideia é traduzir os principais fatos do Brasil e do mundo sempre orientado por três valores essenciais segundo o jornalista: diversidade, tolerância e democracia.
Dimenstein acredita que seu papel é fortalecer o poder individual, ajudando o leitor/espectador a ter mais opções para escolher seus próprios caminhos.

Canal e blog surgem no processo de transição do jornalista.
Depois de 10 anos, Dimenstein deixou as funções executivas da Catraca Livre, onde atuava como editor-chefe, para assumir a presidência do conselho editorial.
Resolveu dedicar-se ao ReciproCidade – seu projeto de estímulo a ações criativas de impacto social, além de um blog para tratar de política e cidadania..
Dimenstein é dos mais premiados jornalistas brasileiros, ex-acadêmico-visitante da Universidade Columbia ( NY) e ex-integrante da incubadora de projeto sociais de Harvard.
Neste ano, ele foi apontado como um dos maiores influenciadores do Linkedin.
Era um dos colunistas mais lidos da Folha, onde trabalhou por 28 anos. Também era um dos principais comentaristas da CBN.
Um dos principais medidores de de audiência na internet, o Google Analytics mostra que, desde o dia 2 de dezembro do ano passado, quando nasceu, até ontem – ou seja, cerca de um mês – o Blog Dimenstein ganhou 3,2 milhões de leitores únicos.
O ReciproCidade apoia, entre outras iniciativas: a Orquestra Sinfônica de Heliópolis; a Orquestra Digital (transmissões de concertos pela internet) em parceria com o maestro João Carlos Martins; Horas da Vida (plataforma em que médicos doam horas a entidades sociais); o Parque da Vila Madalena, onde está localizada a Catraca Livre, para ser um polo de economia criativa; o Mestres da Criatividade, que dissemina a cultura da inovação; o “CriaCausa”, seleção das mais criativas publicidades do Brasil e do mundo que defendem causas; o Quem Inova, em parceria com o Instituto SEB, para disseminar notícias sobre projetos de impacto social

A sede do ReciproCidade, na Vila Madalena, abriga uma galeria de arte ( Choque Cultural) e realiza, na rua, apresentações gratuitas de jazz e música clássica.

Sede do ReciproCidade

Compartilhe:

Autor: Gilberto Dimenstein

Jornalista, educador e fundador da Catraca Livre.

1 / 8
1
08:52
Machismo em escolas de samba
Carolina Ribeiro, musa da Unidos de Vila Maria, na zona norte de São Paulo, é a convidada do programa Entrevista …
2
02:06
Como ajudar outras mulheres no Carnaval
O Carnaval chegou e para evitar que algumas coisas chatas e sérias estraguem a sua folia, separamos algumas dicas para …
3
00s
Quem foi Chico Mendes?
Chico Mendes nasceu em Xapuri, no Acre, em uma família de seringueiros, ofício que herdou de seu pai. Ao longo …
4
11:47
Não é Não: tatuagens contra o assédio no Carnaval
Luka Campos, idealizadora da campanha Não é Não, foi a convidada pelo programa Entrevista por Catraca Livre desta semana para …
5
01:40
Desvio em fundos de incentivo para mulheres
O Supremo Tribunal Federal e Tribunal Superior Eleitoral determinaram que 30% dos fundos públicos de financiamiento de campanhas sejam destinados …
6
15:17
Sai Jean Wyllys, entra David Miranda
David Miranda, substituto de Jean Wyllys como deputado federal, é o convidado de estreia do programa Entrevista por Catraca Livre. …
7
01:37
Saiba o que muda com o novo decreto de posse de armas
Conforme prometido durante a campanha eleitoral, o presidente Jair Bolsonaro assinou o decreto que flexibiliza a posse de armas no Brasil. …
8
01:27
Rosa para meninas e azul para meninos?
Ao longo da história muita coisa mudou, inclusive a forma como meninos e meninas eram vestidos. No século XVIII, por …