Informar

A cada quatro minutos, uma mulher foi agredida no Carnaval do RJ

Durante o Carnaval, foram 2.154 chamadas de pedidos de socorro sobre violência contra a mulher

Por: Redação | Comunicar erro

A cada quatro minutos, uma mulher foi agredida no Carnaval no estado do Rio de Janeiro, de acordo com balanço divulgado pela Polícia Militar. As informações são do jornal “O Globo“.

Entre as 8h do dia 24 de fevereiro e 8h de 1º de março, a polícia recebeu 15.943 solicitações. Deste número, 2.154 chamadas foram pedidos de socorro sobre violência contra as mulheres.

Neste período, a Divisão Policial de Atendimento à Mulher (DPAM) realiza anualmente campanhas para conscientizar as vítimas sobre a importância da denúncia.

O balanço das denúncias no Carnaval foi divulgado pela Polícia Militar
Crédito: coehm / iStockO balanço das denúncias no Carnaval foi divulgado pela Polícia Militar

Para 2017, foi lançado o “Estandarte da Coragem”. A iniciativa consiste em um estandarte virtual, onde estão elencadas as prisões realizadas pelas Delegacias Especiais de Atendimento à Mulher (Deam) nos mês de fevereiro.

Em entrevista ao jornal, a Delegada de Polícia e Diretora da DPAM, Márcia Noeli, falou sobre as denúncias. “É importante sempre denunciar. A cada ano, estamos vendo um número maior de registros, o que demonstra uma mudança de atitude por parte das mulheres, que estão tendo coragem de denunciar.”

Segundo os dados, durante o período a polícia também prendeu 298 suspeitos, sendo 72 adolescentes apreendidos em flagrante e 18 por mandado de prisão. A Polícia Militar fez 11.937 mobilizações de efetivo em todo o estado para a Operação Carnaval 2017.

Leia o conteúdo na íntegra aqui.

Campanha #CarnavalSemAssédio

Pelo segundo ano consecutivo, o Catraca Livre promove a campanha #CarnavalSemAssédio com o objetivo de lutar por respeito na folia e pelo fim da violência contra a mulher. Quem está com a gente: a revista “Azmina” e os coletivos “Agora é que são elas”, “Nós, Mulheres da Periferia” e “Vamos juntas?”.

  • Como parte da campanha, produzimos vários materiais que podem ser compartilhados nas redes sociais com a hashtag #CarnavalSemAssédio. Participe você também. Confira o conteúdo neste link.

Compartilhe: