CCJ da Câmara aprova projeto que criminaliza venda de meios abortivos

De acordo com a proposta, quem induzir, instigar ou ajudar a gestante ao aborto terá pena de prisão de seis meses a dois anos

Por: Redação

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (21) um projeto de lei que criminaliza anunciar, induzir ao uso ou fornecer substâncias abortivas às gestantes. O “PL 5069/2013” é de autoria do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e ainda precisa ser aprovado no plenário da Casa.

Os deputados aprovaram o texto principal do relator da proposta, Evandro Gussi (PV-SP), em um placar de 37 votos favoráveis e 14 contrários, mas ainda precisam discutir sugestões de emenda ao projeto. A decisão causou protestos do PT, PSOL, PSD, PCdoB e PTB, que se posicionaram de forma contrária.

Reprodução
O projeto de lei criminaliza a venda de meios abortivos às gestantes

De acordo com o texto, quem induzir, instigar ou ajudar a gestante ao aborto terá pena de prisão de seis meses a dois anos. Esta mesma pena também vale para aquele que vender ou entregar, mesmo que de forma gratuita, substância ou objeto para provocar o aborto.

Na proposta, se a indução ao aborto for feita por agente de serviço público de saúde ou médicos, farmacêuticos e enfermeiros, a pena será de um a três anos de detenção. No caso de gestante menor de 18 anos, as penas serão aumentadas em um terço.

As exceções do projeto são as hipóteses em que a legislação brasileira já permite o aborto, como os casos em que a gestante tiver riscos de vida ou se a gravidez for resultado de estupro. O Supremo Tribunal Federal decidiu, em 2012, que aborto de feto anencéfalo também não é crime, mas o assunto ainda não foi votado pelo Congresso.

O texto também altera o trecho da lei que autoriza o aborto em caso de estupro para incluir a exigência de que o ato seja “constatado em exame de corpo de delito e comunicado à autoridade policial”.

A deputada Erika Kokay (PT-DF) criticou a proposta e disse que as mulheres vítimas de estupro poderão ser penalizadas porque não terão acesso à “pílula do dia seguinte”. Nas redes sociais, o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) escreveu um texto afirmando que a decisão é um grave ataque aos direitos das mulheres.

Petição on-line

Na página de mobilização on-line Avaaz, uma campanha contra o projeto de lei arrecada assinaturas em uma tentativa de pressionar Câmara dos Deputados.

“Vamos mesmo deixar que isto aconteça depois de tantos anos de batalha para melhores direitos para a mulher brasileira? Vamos mesmo deixar um homem retroceder o que custou centenas de mulheres se revoltando pra conseguir? Vamos relembrar a estes políticos que não estamos dispostas a abdicar dos nossos direitos, nem hoje, nem nunca, e que se eles tentarem, não vamos ficar caladas nem quietas”, ressalta o texto convocatório.

Compartilhe:

1
Governo Bolsonaro libera pesca em áreas de conservação ambiental
Uma portaria do Instituto Chico Mendes (ICMBio), órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, autorizou a pesca esportiva e amadora …
2
Chuva forte deixa São Paulo debaixo d’água
A chuva que começou ontem não deu sinal de trégua e fez São Paulo amanhecer debaixo d’água nesta segunda-feira, 10. …
3
Coronavírus: aviões da FAB vão retirar brasileiros de Wuhan, na China
Dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) decolaram nesta quarta-feira, 5, em direção a Wuhan, na China, para retirar os …
4
BBB20: Mulheres decidem o destino de Pétrix Barbosa
A união das mulheres  decidiu o destino de Pétrix não apenas no Big Brother Brasil 20, mas também fora da …
5
Damares Alves: abstinência sexual, protesto e contradição?
Por que este grupo de mulheres deu as costas para a ministra Damares Alves enquanto ela defendia sua política de …
6
Bolsonaro e a demissão do secretário que viajou com jato da FAB
O presidente Jair Bolsonaro anunciou em sua conta no Twitter que vai tornar sem efeito a nomeação de José Vicente …
7
Visibilidade trans: a história de Thais de Azevedo
O que é violência para você? Para Thais de Azevedo essa pergunta resume uma trajetória de vida. Como mulher trans, …
8
Qual o impacto do feminismo na periferia ? Luana Hansen dá a letra
Dj, MC e produtora musical, Luana Hansen fez e faz história no movimento hip hop há, pelo menos, duas décadas. …