Coletivo feminista lança livro sobre campanha #MeuAmigoSecreto

O livro reúne artigos que buscam desconstruir o machismo e debater a violência contra a mulher

Por: Heloisa Aun

No final do ano passado, a campanha #MeuAmigoSecreto tomou conta das redes sociais com milhares de histórias relatadas por mulheres sobre casos de machismo e violência de gênero envolvendo pessoas próximas, como amigos, companheiros, chefes e parentes.

Para dar continuidade aos debates do mundo virtual, o coletivo feminista Não Me Kahlo vai lançar nesta quinta-feira, dia 19, o livro “#MeuAmigoSecreto: Feminismo além das redes” (Edições de Janeiro). A obra reúne artigos das cinco integrantes do coletivo sobre assuntos ligados a um objetivo em comum: a desconstrução do machismo. O lançamento será às 19h, na Livraria da Travessa, em Botafogo, zona sul do Rio de Janeiro.

“Não é um livro com relatos, é um livro que fala dos problemas que levam a misoginia a ser naturalizada na sociedade. Debruçamos em pesquisas para criar um material consistente que sirva de apoio para aqueles que quiserem compreender melhor as raízes do machismo e quais são as pautas feministas”, afirmam as autoras e participantes do Não Me Kahlo ao Catraca Livre.

A campanha que dominou a internet será transformada em livro

Cada artigo começa com a hashtag para denunciar algum discurso machista. “#MeuAmigoSecreto fala mal de mulher que ‘dá’ no primeiro encontro. Mal ele sabe que o sexo também nos pertence”, diz um dos capítulos. De acordo com as articuladoras, o intuito é que a obra rompa fronteiras do ambiente virtual e chegue às mulheres em “faculdades, centros comunitários, escolas, coletivos presenciais e que passe de mão em mão”.

No livro, as autoras abordam o feminismo interseccional e as diversas facetas do machismo, como os padrões estéticos, a maternidade, a criminalização do aborto e a falta de suporte social a mulheres nessa situação, entre outras questões. “Outro tema tratado é o antifeminismo, um estudo sobre por que o feminismo ainda é rejeitado por uma parcela da população”, contam as ativistas.

O livro inaugura a Coleção Hashtag, criada pela editora Edições de Janeiro para o lançamento de obras que explorem temas que repercutiram na internet e tenham relevância coletiva. As autoras participantes e articuladoras do coletivo são: Gabriela Moura, Bruna Leão, Bruna de Lara, Thaysa Malaquias e Paola Barioni.

Compartilhe:

1
Visibilidade trans: a história de Thais de Azevedo
O que é violência para você? Para Thais de Azevedo essa pergunta resume uma trajetória de vida. Como mulher trans, …
2
Qual o impacto do feminismo na periferia ? Luana Hansen dá a letra
Dj, MC e produtora musical, Luana Hansen fez e faz história no movimento hip hop há, pelo menos, duas décadas. …
3
Brumadinho: relatos lembram a maior tragédia socioambiental do Brasil
Há um ano, a cidade de Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte (MG) viveria um pesadelo difícil de ser esquecido. Era …
4
Denúncia contra Glenn Greenwald é um ataque à liberdade de imprensa?
Uma denúncia realizada pelo Ministério Público Federal foi vista como um ataque direto à liberdade de imprensa no Brasil. O …
5
9 pontos polêmicos que Sergio Moro se esquivou no Roda Viva
O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, foi o primeiro entrevistado da nova temporada do programa Roda Viva, …
6
‘Noivado’ de Regina Duarte com Bolsonaro divide opiniões
“Nós vamos noivar, vou ficar noiva, vou lá conhecer onde eu vou habitar, com quem que eu vou conviver, quais …
7
A queda: entenda a polêmica que custou o cargo de Roberto Alvim
Após praticamente reproduzir um discurso do ministro nazista Joseph Goebbels, o ex-secretário de Cultura, Roberto Alvim, protagonizou uma polêmica que …
8
Impunidade de Victor não é caso isolado no Brasil de Bolsonaro
Victor Chavez, cantor sertanejo da extinta dupla Victor e Léo, foi condenado por agredir a esposa grávida de quatro meses …