Como vai estar o metrô amanhã?

Empresa francesa analisa dados e desenvolve modelos que permitem entender e prever como uma cidade funciona – inclusive quantas pessoas estarão em um vagão de metrô

Por: Redação | Comunicar erro

Todos os dias, pela manhã, milhares de pessoas saem de suas casas sem saber quanto tempo vão perder com o metrô, ou em que condições de aperto realizarão a viagem. Mas e se elas pudessem prever como o metrô vai estar naquele horário? E se, sabendo da situação dos trens, elas buscassem novos horários para se deslocarem pela cidade? E se toda a cidade conseguisse harmonizar seus deslocamentos em horários diferentes, de forma que não existissem mais horários de pico? Viveríamos em uma cidade melhor organizada?

reprodução
“Todos os dias eu pego o metrô e ele está abarrotado. Se está assim agora, em 2050, como será que vai estar em 2015?”, pergunta Rand Hindi. “As cidades crescem, mas a infraestrutura urbana continua a mesma. Temos que pensar em como melhorá-la de forma inteligente”, conclui o francês.

Não se trata de adivinhação ou ficção científica, mas sim de analisar os padrões que levam os metrôs a estarem cheios em determinados horários. Pelo menos é nisso que acreditam os fundadores da Snips, uma empresa francesa que acredita que as cidades podem crescer de forma mais inteligente, harmoniosa e proporcional se soubermos como, onde, em que momento e por que acontece esse crescimento.

Padrões e modelos

Para a Snips, o mundo não funciona de forma aleatória, mas sim de acordo com uma série de padrões. Se descobertos, esses padrões podem ser usados para melhorar todas as questões da vida cotidiana. “A previsão funciona segundo o que chamamos de modelagem contextual”, explica Rand Hindi, co-fundador da empresa. “Trata-se, no exemplo do metrô, de descobrir as razões que causam a superlotação dos trens e encontrar nelas os padrões de motivos que levam as pessoas a estarem naquele trem e naquele horário. Cruzando esses dados com os dados de frequência do metro, como o tipo de passageiro e qual seu destino, podemos encontrar diferentes contextos e construir um modelo em que eles se repetem, sabendo, assim, o que vai acontecer”, explica o jovem de 28 anos, que aos 21 se tornou PhD em bioinformática.

A empresa de Hindi trabalha para governos e organizações multinacionais. Sua função é analisar informações atrás desses padrões e criar soluções que causem impacto positivo na vida dos moradores de grandes cidades. Os clientes dão a eles acesso a suas bases de dados, que são combinadas com dados de centenas de outras fontes. Eles são analisados e são criados modelos e produtos que podem ser desenvolvidos e testados para atenderem aos problemas dos clientes. Os protótipos são monitorados e melhorados de forma iterativa, utilizando dados de usuários e testadores.

reprodução
O aplicativo criado pela Snips para o metrô de Paris funciona de forma simples: informa o quão cheios estarão os vagões do trem que vai para determinado destino em determinada hora.

Os dois projetos mais bem-sucedidos da Snips são relativos a problemas de mobilidade urbana. Tanto para a questão das vagas de estacionamento nas ruas parisienses quanto para a lotação dos trens da cidade, a empresa criou dois aplicativos que preveem o que está acontecendo em tempo real, sem câmeras ou sensores, com resultado bem satisfatório.

Foram analisados dados de parquímetros, bilhetes de estacionamento, gráficos da cidade, pontos de interesse de motoristas, rotas e vagas de estacionamento e condições climáticas para chegar ao sistema inteligente de disponibilidade das vagas. No metrô, a empresa reuniu pesquisas de origem e destino dos passageiros, os dados macroeconômicos, pontos de interesse dos usuários e dados demográficos para mostrar, utilizando diferentes cores, o quão cheios estão os trens.

Dados e cidades inteligentes

Hindi não nega que seu trabalho é complicado, mas afirma que todo o processo funciona matematicamente com base em informações. A chave para o cálculo e o descobrimento dos padrões está na quantidade de dados que se tem sobre determinado caso. E não são poucos. “Não se trata de ficção científica, apenas de terabytes e mais terabytes de dados”, ele brinca. “Mas, para que possamos trabalhar, esses dados precisam estar disponíveis, concentrados em um único local e no mesmo formato, o que não é nem de perto a realidade”, lamenta.

reprodução
Randi Hinds, de 28 anos, apresentou o trabalho de sua empresa durante o New Cities Summit, evento global que reuniu boas ideias para melhorar a vida nas cidades.

Para ele, dados desse tipo deveriam circular entre a população de forma mais aberta, mas a maior quantidade de informações continua restrita aos órgãos governamentais e grandes corporações. “Por que não compartilhar informações que podem se transformar em soluções desse tipo? Eu gostaria de viver em uma cidade inteligente, que aprendesse com os atos de seus cidadãos e oferecesse a eles oportunidades de melhorar sua convivência”, argumenta.

A intenção da empresa é que cada modelo de previsão desses possa ser sobreposto e forme um enorme quebra-cabeça. Assim, será possível visualizar todos os aspectos de uma cidade dispostos de forma lógica e entender o que precisa ser alterado. “A tecnologia está evoluindo e as pessoas também, temos que fazer a infraestrutura urbana acompanhar o ritmo”, conclui Hindi.

1 / 8
1
04:04
E se Carlos Bolsonaro fosse gay?
O ex-deputado Jean Wyllys fez uma série de posts em sua rede social apontando que Carlos Bolsonaro, o filho 02 …
2
03:02
Empresas usaram disparos no WhatsApp durante eleição de Bolsonaro
Uma reportagem publicada pela Folha de S. Paulo mostra que empresas brasileiras contrataram uma agência de marketing na Espanha para …
3
01:49
Senado diz não e derruba o decreto de armas de Bolsonaro
O Senado votou na terça-feira, 18, o parecer que pede pela suspensão dos decretos que flexibilizam o porte e a …
4
03:54
Bancada do PSL passa vergonha ao convocar e desconvocar Glen Greenwald
O deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) apresentou na quarta-feira, dia 12, um requerimento na Comissão de Segurança Pública da Câmara …
5
03:48
O melhor jornal do mundo faz a pior reportagem para Bolsonaro
Essa é a pior reportagem já publicada num jornal estrangeiro contra Jair Bolsonaro. Por dois motivos: saiu no mais importante …
6
03:47
A estranha conexão entre o caso Najila Trindade e Sérgio Moro
O jornalista Gilberto Dimenstein publicou em sua coluna no site Catraca Livre um texto em que conecta dois casos de …
7
03:04
Entendas os possíveis impactos do vazamento das mensagens de Moro
O site The Intercept Brasil divulgou trechos de mensagens trocadas entre o então juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça, …
8
02:00
Tire todas as dúvidas sobre a doação de sangue
O frio chegou para te lembrar sobre a importância de doar sangue. Uma simples doação pode ajudar até quatro pessoas! Durante …