Confira as propostas de Bolsonaro e Haddad para a educação

Neste Dia do Professor, 15 de outubro, veja o que os candidatos à Presidência planejam para a educação do país

Por: Redação | Comunicar erro
Jair Bolsonaro e Fernando Haddad
Crédito: Reprodução / FacebookJair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) disputam o segundo turno das eleições à Presidência

A Catraca Livre analisou os planos de governo dos dois candidatos à Presidência da República, Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL), para levantar quais são suas propostas para a educação. Além dos documentos, foram usadas entrevistas e reportagens sobre o tema.

Veja as propostas dos candidatos para a educação:

Jair Bolsonaro (PSL)

Em seu programa de governo, Jair Bolsonaro afirma que a educação é uma de suas prioridades, junto da segurança e da saúde. Segundo o documento, a ideia é dar “ênfase na [educação] infantil, básica e técnica, sem doutrinar”.

Para o presidenciável do PSL, é preciso “expurgar a ideologia de Paulo Freire” e “mudar a Base Nacional Comum Curricular, impedindo a aprovação automática e a própria questão de disciplina dentro das escolas”. “Conteúdo e método de ensino precisam ser mudados. Mais matemática, ciências e português, sem doutrinação e sexualização precoce”, ressalta o plano.

O candidato defende também a educação à distância nos níveis básico, médio e superior, principalmente “como alternativa para as áreas rurais onde as grandes distâncias dificultam ou impedem aulas presenciais”.

Bolsonaro quer integrar os governos federal, estadual e municipal para que os três sistemas dialoguem entre si. “As universidades públicas e privadas contribuirão, nesse novo modelo, na qualificação de alunos e professores nas áreas aonde existam carências.”

O presidenciável diz ainda que o Brasil gasta mais com ensino superior do que com o ensino básico, mas isso deve ser invertido. De acordo com ele, as universidades devem ter parcerias com a iniciativa privada e estimular o empreendedorismo.

Segundo o programa, se eleito, o deputado federal criará em dois anos um colégio militar em todas as capitais do país.

O candidato planeja incluir no currículo escolas matérias educação moral e cívica (EMC) e organização social e política brasileira (OSPB). Criadas na ditadura militar, o objetivo é reforçar o civismo, culto à pátria e ética, por meio do ensinamento de hinos e símbolos nacionais.

Ambas as disciplinas se tornaram obrigatórias na grade curricular dos ensinos fundamental e médio, em 1969, substituindo sociologia e filosofia – e tiveram respaldo com a promulgação do Ato Institucional nº 5.

General Aléssio Ribeiro Souto

Ao Estadão, o general Aléssio Ribeiro Souto, que está à frente do grupo que elabora propostas para o Ministério de Educação de um eventual governo de Bolsonaro, disse que “é muito forte a ideia” de se fazer ampla revisão dos currículos e das bibliografias usadas nas escolas para evitar que crianças sejam expostas a ideologias e conteúdo impróprio.

Contrário à política de cotas, o general defende que os professores exponham a “verdade” sobre o “regime de 1964”, narrando as mortes “dos dois lados”. “Existe a verdade, quer se queira ou não. E ela nem sempre tem sido retratada”, declarou ele.

De acordo com Souto, entre as mudanças prioritárias na área da educação, estão 14 ideias básicas, como a valorização dos professores, motivação dos alunos, treinamento continuado dos 2,6 milhões de professores, alteração da formação das licenciaturas, revisão completa dos processos educacionais da base curricular e efetivo emprego dos recursos.

Confira o plano de governo de Bolsonaro neste link.

Fernando Haddad (PT)

Em seu plano, o ex-ministro da Educação e candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, cita os avanços para a área feitos durante os governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, e explica quais suas propostas para os próximos quatro anos.

Segundo o documento, serão investidos esforços para a “formação dos educadores e na gestão pedagógica da educação básica, na reformulação do ensino médio e na expansão da educação integral”.

O petista propõe a criação de um novo padrão de financiamento, visando investir, de forma progressiva, 10% do PIB em educação, conforme determinado pelo PNE.

O programa promete a institucionalização do Sistema Nacional de Educação e a concretização das metas do Plano Nacional de Educação (PNE), aprovado em 2014 para articular os níveis federais, estaduais e municipais de educação.

Na educação infantil, o PT quer retomar a colaboração com municípios para ampliação das vagas em creches, além de fortalecer as políticas voltadas para a pré-escola.

No ensino fundamental, a ideia é realizar ajustes na Base Nacional Comum Curricular, em diálogo com a sociedade, e ainda implementar uma política de alfabetização em todo o país, em colaboração com estados e municípios. “Atenção especial será dada à valorização e à formação dos professores e professoras alfabetizadoras”, ressalta o texto.

O esforço no ensino fundamental deverá contar também com o fortalecimento do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid), voltado aos estudantes de cursos presenciais com interesse no magistério para que se dediquem ao estágio e atuação em escolas públicas.

Segundo o documento, o trabalho com linguagens digitais será feito desde o primeiro ano do fundamental. Já para o combate à violência na educação, será criado o Programa Paz e Defesa da Vida nas Escolas.

O ensino médio será prioridade em um eventual governo do PT. Entre as propostas, estão a criação do programa Ensino Médio Federal, que pretende aumentar a atuação do governo federal nessa área. De acordo com o plano, será feita a ampliação de vagas dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia.

“O governo Haddad ampliará a participação da União no ensino médio, de modo a transformar essas escolas em espaços de investigação e criação cultural e em polos de conhecimento, esporte e lazer, garantindo educação integral”, diz o texto.

O candidato do PT afirma querer normalizar o uso público dos recursos do Sistema S na oferta de ensino médio para destinar 70% do valor à ampliação da oferta de ensino médio. O Sistema S é composto por: Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Serviço Social do Comércio (Sesc), o Serviço Social da Indústria (Sesi) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Comércio (Senac).

Conforme explica o plano, cerca de 25% dos professores que atuam na educação básica não têm licenciatura específica para as disciplinas que lecionam. Para reverter essa questão, o petista pretende retomar o projeto Universidade em Rede dos Professores, criado para assegurar o acesso direto dos docentes concursados nas vagas disponíveis e ociosas na rede de universidades e institutos federais de educação Superior.

Outro projeto de Haddad é implementar a Prova Nacional para Ingresso na Carreira Docente com o objetivo de subsidiar estados e municípios na realização de concursos públicos para contratação de professores na educação básica.

Ele ainda visa reforçar e renovar a Universidade Aberta do Brasil (UAB), idealizada para interiorizar a oferta de cursos e programas de educação superior por meio do ensino à distância.

Em relação às minorias, Haddad ressalta que “fortalecerá uma perspectiva inclusiva, não-sexista, não-racista e sem discriminação e violência contra LGBTI+ na educação”. Em oposição ao Escola Sem Partido, propõe a Escola com Ciência e Cultura. O ex-prefeito de São Paulo diz ainda que retomará os investimentos na educação do campo, indígena e quilombola.

Saiba mais sobre o programa de Haddad aqui.

Mario Sergio Cortella

Nesta segunda-feira, 15, em entrevista à rádio Bandeirantes, Haddad sugeriu a Mario Sergio Cortella que ocupasse o Ministério da Educação em um eventual governo do PT. O presidenciável também confirmou o diálogo com o ex-ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Joaquim Barbosa.

No Twitter, o candidato reiterou a sugestão:

1 / 8
1
03:46
‘Pretendo beneficiar um filho meu, sim’ diz Bolsonaro sobre embaixada
Em uma transmissão ao vivo pelas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a nomeação de seu filho, …
2
03:15
Num ato de coragem, MBL pede desculpas publicamente
O jornalista Gilberto Dimenstein e a Catraca Livre já foram diversas vezes vítimas das milícias digitais do MBL com as …
3
03:04
O real motivo do ataque de Bolsonaro ao filme de Bruna Surfistinha
Jair Bolsonaro decidiu atacar o filme realizado por Deborah Secco sobre a ex-prostituta Bruna Surfistinha. Motivo oficial: o filme, usando …
4
02:13
Entenda os desdobramentos do caso Tabata Amaral no PDT
O PDT suspendeu a deputada federal Tabata Amaral e outros sete parlamentares que votaram a favor da reforma da Previdência, …
5
02:03
Incêndio em estúdio de animação em Japão deixa dezenas de mortos
Dezenas de pessoas morreram durante um incêndio criminoso que tomou conta do estúdio de animação da Kyoto Animation, na cidade …
6
02:19
Barragem abandonada corre risco de rompimento no interior de SP
Uma matéria publicada pelo G1 alerta para o risco de rompimento da barragem de água em Iaras, no interior de …
7
02:30
O que significa a gargalhada de Caetano Veloso?
Um vídeo do cantor Caetano Veloso gargalhando está viralizando nas redes sociais. O motivo da piada é a entrevista que …
8
01:51
Site ‘Não me Perturbe’ permite bloquear ligações de telemarketing
A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) lançou o Não me Perturbe, site que permite bloquear ligações de telemarketing. O sistema …