Congresso recebe 715 mil assinaturas contra o foro privilegiado

O foro privilegiado é um mecanismo jurídico no qual autoridades públicas não são julgadas como pessoas comuns

Por: Change.org (Oficial) | Comunicar erro

O Congresso Nacional foi palco de uma grande ação de entrega das 715 mil assinaturas de um abaixo-assinado pedindo o fim total do foro privilegiado para autoridades públicas.

O presidente do Instituto Não Aceito Corrupção, Roberto Livianu, que também é autor do abaixo-assinado, entregou na última terça-feira, 4 de dezembro, as assinaturas para deputados federais que fazem parte da comissão especial da Câmara que discute o fim do foro.

Crédito: Yahisbel Adames/Change.orgParlamentares recebem 715 mil assinaturas em abaixo-assinado pedindo o fim do foro privilegiado

Leia: www.change.org/ChegaDeForo

Conhecido também como foro especial, o foro privilegiado é um mecanismo jurídico no qual autoridades públicas não são julgadas como pessoas comuns. Tais autoridades, devido ao seu cargo, têm direito a um tratamento especial quando são processadas na Justiça.

Caso elas sejam processadas por algum crime (sejam crimes do colarinho branco, de corrupção ou crimes comuns, como estelionato, furto, homicídio etc), as autoridades públicas são julgadas apenas nos Tribunais Superiores – STJ (Superior Tribunal de Justiça) e STF (Supremo Tribunal Federal).

Confira o vídeo:

Entrega da petição pelo fim do foro privilegiado

Uploaded by Change.org on 2018-12-05.

Roberto, que também é promotor de Justiça do Ministério Público de São Paulo, estima que 58 mil autoridades em todo o Brasil sejam beneficiadas pelo foro privilegiado – entre vereadores, prefeitos, deputados, senadores, juízes, ministros, promotores, governadores e outros.

“A meu ver, na condição de promotor de Justiça, o foro privilegiado representa uma das principais barreiras no combate à corrupção”, disse Roberto Livianu durante a entrega da petição. “O foro privilegiado tem sido usado como escudo para quem viola a lei“, completou.

O promotor mencionou dados da FGV (Fundação Getulio Vargas), do projeto “Supremo em Números“, que analisou 404 processos criminais de autoridades que têm foro privilegiado e cujos casos foram concluídos pelo STF entre 2011 e 2016. Desses, só 0,74% tiveram algum tipo de condenação. Além disso, 68% prescreveram ou foram remetidos a instâncias interiores. Os números apontam a dificuldade do Supremo em julgar e condenar autoridades que têm direito ao foro privilegiado.

Após sanção de Temer, Legislativo também pode ter reajuste

Compartilhe:

Autor: Change.org (Oficial)

O maior portal de petições online do Brasil. São 260 milhões de pessoas fazendo a diferença em 196 países e 15 milhões só no Brasil. Instagram: https://www.instagram.com/changeorg_br/

Termos da rede:

Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do usuário Change.org Brasil da Rede Catraca.

O Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.