Senado da Argentina vota nesta quarta legalização do aborto

Se for aprovado, o texto segue para sanção do presidente do país, Mauricio Macri

Por: Redação | Comunicar erro
Crédito: Monica Yakaniew / Agência BrasilA discussão acontece um mês e meio depois de a Câmara argentina aprovar a lei do aborto

Com informações da Agência Brasil

O Senado da Argentina vota nesta quarta-feira, 8, um projeto de lei para legalizar a prática do aborto no país. A discussão acontece um mês e meio depois de a Câmara aprovar a interrupção voluntária da gravidez. De acordo com os últimos levantamentos, os 72 senadores argentinos estão divididos, mas a tendência maior é a de rejeitar o texto.

O resultado deve sair nas primeiras horas desta quinta-feira, 9. No início, haverá uma discussão e, depois, o projeto será votado. Se for aprovado, o texto segue para sanção do presidente Mauricio Macri. Embora já tenha indicado que é contrário à descriminalização do aborto, ele disse que pretende sancionar a proposta. Manifestações contrárias e favoráveis devem sair às ruas em Buenos Aires.

O Código Penal da Argentina autoriza a interrupção da gestação em três casos: risco de morte para a mulher, ameaça à saúde e gravidez resultante de estupro. De acordo com o Centro de Estudos do Estado e da Sociedade (Cedes) e a Rede de Acesso ao Aborto Seguro (Reddas), ocorrem de 370 mil a 520 mil abortos por ano no país.

Na América Central e do Sul, apenas Cuba, Uruguai, as Guianas e a Cidade do México descriminalizaram o aborto.

O cenário no Brasil

Terminou na noite desta segunda-feira, 6, a audiência pública convocada pela ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, para discutir a ação apresentada pelo PSOL e o Instituto de Bioética Anis, que pedem para que o aborto não seja considerado crime quando feito até a décima segunda semana de gravidez.

Crédito: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilManifestação a favor da legalização do aborto durante discussão no STF

Durante dois dias, mais de 60 pessoas mostraram pesquisas, experiências pessoais e opiniões sobre o tema. Permanece proibida a interrupção da gravidez, exceto em três situações: se for decorrente de estuprocolocar a vida da mãe em risco ou se o feto for anencéfalo (não ter cérebro).

Não há prazo para que Rosa Weber apresente o seu parecer. No encerramento da audiência, a ministra do STF afirmou que o “próximo tempo é de reflexão”. Após concluir o voto, ela encaminhará relatório aos demais ministros do STF.

Veja o conteúdo na íntegra.

Compartilhe:

1 / 8
1
02:09
Maioria reprova mudanças para o trânsito propostas por Bolsonaro
De acordo com uma pesquisa Datafolha, divulgada neste domingo, dia 14, a maioria da população reprova o projeto de lei …
2
02:00
Jair Bolsonaro volta a defender filho Eduardo na embaixada nos EUA
Alvo de críticas desde a última semana por indicar Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para a embaixada do Brasil nos Estados Unidos, …
3
04:13
Eduardo Bolsonaro ganha bolsa embaixada de seu pai
O presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista que pretende indicar seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, como embaixador do …
4
06:27
Previdência: entenda como pode ficar a sua aposentadoria
A Câmara dos Deputados aprovou com 379 votos o texto-base da reforma da Previdência. No entanto, a proposta ainda pode …
5
01:58
Desastre na Bahia: Barragem se rompe e moradores deixam suas casas
Uma barragem se rompeu na cidade de Pedro Alexandre, a 435 quilômetros de Salvador, na Bahia, na manhã desta quinta-feira, …
6
16:59
Glenn no Senado: confira os principais momentos do depoimento
O jornalista Glenn Greenwald, editor do portal The Intercept Brasil, foi ao Senado prestar esclarecimento sobre o vazamento das mensagens …
7
03:14
Dimenstein: Por que eu defendo a reforma da previdência?
A Câmara aprovou nesta quarta-feira, 10, o texto principal da reforma da Previdência. O placar foi de 379 votos a …
8
03:22
Dimenstein: por que eu defendo Tabata Amaral?
Em meio à polêmica envolvendo a votação pela reforma da Previdência, que aconteceu nesta quarta-feira, 10, no plenário da Câmara, …