Dimenstein: Bolsonaro é um “evanjegue” para Olavo de Carvalho?

Por: Gilberto Dimenstein | Comunicar erro

A pergunta do título desse artigo parece absurda. Mas posso garantir que não é.
Ao investigar a vida de Olavo de Carvalho, guru de Jair Bolsonaro, me deparei com um mistério: o desaparecimento repentino, no ano passado, do instituto de filosofia que ele criou e presidiu nos Estados Unidos.

O site do instituto desapareceu: no seu lugar, ficaram apenas dicas de auto-ajuda em saúde.
Mas consegui chegar ao site antigo.
O Inter-American Institute tinha um board conversador com figuras respeitáveis dos Estados Unidos.
Nele, Olavo de Carvalho se apresentava como ex-professor da PUC do Paraná, apesar de não ter nem diploma de ensino médio.
Acabei descobrindo pelo menos uma das razões que levaram ao desaparecimento do instituto: um dossiê feito por evangélicos e entregue ao board.

Além de contar a vida do filósofo, ex-astrólogo e líder de uma seita mística islâmica, o dossiê mostra suas ideias sobre os evangélicos, chamados de “evanjegues”.
Um dos responsáveis pelo dossiê, Júlio Severo, ex-colaborador de Olavo de Carvalho, escreveu:
“O evanjegue (termo que significa “evangélico jegue,” usado pelo astrólogo Olavo contra os evangélicos que não o seguem, mas que eu uso para os evangélicos que o seguem) que se sujeita às mentiras e xingamentos do astrólogo Olavo por causa da luta contra o marxismo é tão trouxa que não percebe que essa luta, cedo ou tarde, redundará em luta contra os evangélicos”, escreveu Júlio Severo.

Não apenas há grosseiras deturpações históricas, mas manifestações de ódio em meio as palavrões.
Vejam algumas frases do dossiê:

“Eu me ajoelho diante do padre para receber a comunhão, mas se depois da missa tiver de mandá-lo tomar no cu farei isso com a maior tranqüilidade: — Olhe aqui, seu Zé. Ali você era Jesus Cristo, aqui é apenas um merdinha.”

“Se eu tivesse uma buceta, faria chantagem sexual com todos os deputados e senadores e destruiria a classe política inteira de uma vez.”

“Repito: nunca existiu uma entidade chamada ‘Inquisição’ e muito menos ‘Santa Inquisição.’”

“O Bergoglio tem de ser tirado do trono de Pedro a pontapés, e o quanto antes.”

“Depois que o sujeito foi estuprado, ele pode buscar algum consolo retroativo na idéia de que uma piroca tinha sido sempre o seu desejo secreto.”

“A Igreja Católica nasceu oferecendo mártires, a igreja protestante nasceu matando.”
“Herodes salvou muitas almas: matou as criancinhas antes que pudessem pecar.”

“Vocês acham possível ser uma pura coincidência o fato de que o crescimento brutal da criminalidade e sobretudo da corrupção política tenha acontecido ao mesmo tempo que a destruição interna da Igreja Católica pela Teologia da Libertação e que a ascensão generalizada de mil e uma igrejas ‘evangélicas’ improvisadas, repletas de pastores vigaristas?”

“A credulidade com que tantos evanjegues ouvem pastores semi-analfabetos, drogados, ladrões e putanheiros é a oitava maravilha do mundo.”

A pergunta final é simples: sabendo que Olavo de Carvalho considera evangélicos “evanjegues”, como, na visão do filósofo, se encaixaria a crença de Bolsonaro.

Compartilhe:

Autor: Gilberto Dimenstein

Jornalista, educador e fundador da Catraca Livre.