Doria não diminuiu espera nos exames após Corujão da Saúde

O programa nasceu com a ideia de usar hospitais particulares conveniados com o município para a realização de exames entre 22h e 8h

Por: Redação | Comunicar erro
Crédito: Rovena Rosa/Agência BrasilO ex-prefeito de São Paulo, João Doria

O Corujão da Saúde, uma das principais promessas da gestão do ex-prefeito João Doria (PSDB), não diminuiu o tempo de espera por um exame médico na cidade de São Paulo, de acordo com auditoria feita pelo Tribunal de Contas do Município (TCM), finalizada em junho. As informações foram apuradas pelo G1.

Segundo o relatório, embora Doria tenha fixado o prazo de 30 dias para exames urgentes e 60 dias para os demais depois do encerramento do programa, no início de 2017, o prazo médio de janeiro a maio do ano passado foi de mais de três meses após a data de entrada na fila. O prazo é considerado excessivo pelo documento.

“A divulgação feita pela Prefeitura de que, com o encerramento do programa Corujão da Saúde todos os pacientes que necessitassem de exames na rede municipal deveriam realizá-lo em até 30 dias no máximo, na própria rede municipal, não se efetivou, pois em abril de 2017 a espera média correspondia a 103,4 dias e, em maio de 2017, correspondia a 99,7 dias. Portanto, demonstra-se que a realização de exames não pode ser uma política pública em si, mas sim requer ações permanentes”, diz um trecho do relatório.

Nesta quarta-feira, 11, o ex-secretário municipal da Saúde e idealizador do programa, Wilson Pollara, deixou a pasta e quem a assumiu foi Edson Aparecido, presidente da Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (Cohab).

O Corujão da Saúde nasceu com a ideia de usar hospitais particulares conveniados com o município para a realização de exames (tomografia, ressonância, ultrassonografia, mamografia, ecocardiografia; densitometria) entre 22h e 8h.

Em janeiro de 2017, época em que foi lançado, sua meta era zerar em três meses a fila de 485 mil pedidos de seis tipos de exames. Com a fila zerada, a prefeitura prometia que nenhum paciente iria esperar mais do que 30 dias para fazer um exame.

Em nota, a Secretaria da Saúde informou que “nunca houve a promessa de espera por no máximo 90 dias para fazer o exame dentro do programa Corujão da Saúde. A promessa era de, em 90 dias, zerar a demanda de agendamento dos exames de 2016, o que foi realizado em 83 dias”. A pasta ainda disse que “depois de zerada a fila, o paciente esperaria para ser agendado – e não atendido – até 30 dias para casos mais simples e 60 para os mais complexos”.

Leia a reportagem na íntegra.

1 / 8
1
03:54
Bancada do PSL passa vergonha ao convocar e desconvocar Glen Greenwald
O deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ) apresentou na quarta-feira, dia 12, um requerimento na Comissão de Segurança Pública da Câmara …
2
03:48
O melhor jornal do mundo faz a pior reportagem para Bolsonaro
Essa é a pior reportagem já publicada num jornal estrangeiro contra Jair Bolsonaro. Por dois motivos: saiu no mais importante …
3
03:47
A estranha conexão entre o caso Najila Trindade e Sérgio Moro
O jornalista Gilberto Dimenstein publicou em sua coluna no site Catraca Livre um texto em que conecta dois casos de …
4
03:04
Entendas os possíveis impactos do vazamento das mensagens de Moro
O site The Intercept Brasil divulgou trechos de mensagens trocadas entre o então juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça, …
5
02:00
Tire todas as dúvidas sobre a doação de sangue
O frio chegou para te lembrar sobre a importância de doar sangue. Uma simples doação pode ajudar até quatro pessoas! Durante …
6
02:58
O que revela a foto de Bolsonaro ao lado de Neymar
O presidente Jair Bolsonaro postou uma foto ao lado de Neymar após o amistoso entre Brasil e Qatar, que aconteceu …
7
05:25
Projeto pode acabar com multa no transporte de criança sem cadeirinha
De acordo com o projeto de lei entregue pessoalmente pelo presidente Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados nesta terça-feira, dia …
8
02:00
Maior parte dos brasileiros é contra flexibilização das armas
Uma pesquisa divulgada pelo Ibope aponta que a maior parte dos brasileiros não apoia a flexibilização do porte e da …