Últimas notícias:

Loading...

Estados prorrogam a quarentena e adotam restrições mais duras

São Luís, no Maranhão, foi o primeiro local no Brasil a adotar o bloqueio total (lockdown)

Por: Redação

Dezessete estados e o Distrito Federal prorrogaram o período de quarentena para conter o avanço da transmissão do coronavírus no país. Em alguns locais, medidas mais severas foram anunciadas para os próximos dias, para garantir que as pessoas fiquem em casa.

Segundo apuração do portal G1, Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe estenderam o isolamento social e as restrições de funcionamento de estabelecimentos que não se enquadram na categoria de serviço essencial.

Bloqueio total no Maranhão

Crédito: IstockSão Luís, no Maranhão, determina bloqueio total na quarentena para controlar o avanço do coronavírus

A região metropolitana São Luís, no Maranhão, foi o primeiro local no país a determinar o bloqueio total (lockdown), a partir de terça-feira, dia 5. Com isso:

– Fica proibida a entrada e a saída de veículos na região, com exceção de caminhões, ambulâncias e atividades de segurança;
– Veículos particulares só podem circular para o uso de serviços essenciais, como compra de alimentos, medicamentos e busca por atendimento médico;
– Fica limitada a circulação de pessoas nas vias e espaços públicos;
– O uso de máscaras passa ser obrigatório;
– Agências bancárias e casa lotéricas só devem abrir para o pagamento do auxílio emergencial, salários e outros benefícios;
– Serviços que não se enquadram na categoria de ‘essenciais’ ficam totalmente suspensos.

O bloqueio total no Maranhão deve durar por pelo menos dez dias.


Quais os cuidados para prevenir o novo coronavírus
Saiba o que fazer se estiver com suspeita de coronavírus
Coronavírus: saiba o que a OMS diz sobre o uso de máscaras
Como se proteger no ambiente de trabalho
Quais os sintomas e tudo o que se sabe até agora sobre o coronavírus
SUS lança app para fazer triagem virtual
Coronavírus: como se proteger no transporte público
Aplicativo avisa se você passou por alguém com coronavírus
Entenda a diferença entre quarentena e isolamento


Vias bloqueadas em São Paulo

Crédito: IstockEm São Paulo, restrições mais duras também foram adotadas. Vias de acesso serão bloqueadas para a circulação de carros na capital.

Em São Paulo a quarentena está mantida até o dia 10 de maio e medidas mais severas de circulação foram anunciadas após o afrouxamento do isolamento por parte da população.

Com isso, o prefeito Bruno Covas (PSDB), determinou o uso obrigatório de máscaras no transporte público e o bloqueio de grandes vias de acesso da capital a partir desta segunda-feira, 4, para impedir que as pessoas saiam de casa. Estarão fechadas para carros os seguintes trechos:

– Zona sul: Av. Moreira Guimarães (B/C) x Av. Miruna;
– Zona norte: Av. Santos Dumont (B/C) x Av. do Estado;
– Zona leste: Av. Radial Leste (B/C) X Rua Pinhalzinho;
– Zona oeste: Av. Francisco Morato (B/C) x Rua Sapetuba.

Blitzes educativas, ação conjunta com as secretarias municipais da Saúde (SMS), Mobilidade e Transportes (SMT) e Segurança Urbana (SMSU), também com o apoio do CPTran, GCM e CET, vão ocorrer em outros dois endereços, ambos na zona oeste, também entre 7h e 9h:

– Av. Dr. Vital Brasil (B/C) x R. Camargo;
– Av. João Paulo I (B/C) altura do n° 2.868.

A CET vai monitorar os bloqueios definitivos e orientar o tráfego nas regiões, visando preservar a segurança dos usuários das vias.

Coronavírus no Brasil

Todas as medidas tem como objetivo impedir a transmissão do coronavírus e a sobrecarga da rede pública de saúde, que em vários estados a situação beira o limite da capacidade do sistema.

Segundo o último boletim do Ministério da Saúde, divulgado no sábado, 2, o Brasil registrou 421 novas mortes e 4.970 novos casos confirmados do novo coronavírus nas últimas 24 horas. Com isso, o país passa a ter, ao todo, 6.750 óbitos e 96.559 casos de infecção pela covid-19.

Compartilhe:

?>