CORONAVÍRUS
Tudo o que você precisa saberÚltimas notícias e tudo que você precisa saber

Governadores contrariam Bolsonaro e propõem isolamento contra coronavírus

Os chefes do Executivo estadual decidiram manter as ações de isolamento social para combater a disseminação do coronavírus

Por: Redação

Em reunião nesta quarta-feira, 25, os governadores afirmaram que é preciso manter isolamento social para combater o novo coronavírus (covid-19). A decisão contraria o presidente Jair Bolsonaro, que disse ontem defendeu o fim da quarentena a retomada de atividades comerciais e volta às aulas.

A reunião do Fórum de Governadores ocorreu horas após conferencia de Bolsonaro com os governadores da região Sudeste. A conferência foi marcada pelo embate com o governador do São Paulo, João Doria (PSDB), ao qual o presidente chamou de “leviano” e “demagogo”.

Crédito: Governo do Estado de São PauloGovernadores se reuniram em teleconferência com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia

Os governadores também pediram a suspensão por 12 meses do pagamento das dívidas dos Estados com a União e a aplicação da lei que institui uma renda básica de cidadania para todos os brasileiros.

A lei, sancionada em 2005 pelo ex-presidente Lula, prevê o “direito de todos os brasileiros residentes no país e estrangeiros residentes há pelo menos 5 (cinco) anos no Brasil, não importando sua condição socioeconômica, receberem, anualmente, um benefício monetário”.

Na carta divulgada após o encontro, os governadores afirmaram que continuarão adotando as medidas de acordo com as orientações de profissionais de saúde e da Organização Mundial de Saúde (OMS).



“No que diz respeito ao enfrentamento da pandemia global, vamos continuar adotando medidas baseadas no que afirma a ciência, seguindo orientação de profissionais de saúde e, sobretudo, os protocolos orientados pela Organização Mundial de Saúde (OMS)”, diz o texto.

Participaram da videoconferência 26 dos 27 governadores —apenas Ibaneis Rocha (MDB-DF) não estava presente–, além do presidente d Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Leia abaixo a íntegra do documento aprovado na reunião dos governadores:

CARTA DOS GOVERNADORES DO BRASIL NESTE MOMENTO DE GRAVE CRISE

O Brasil atravessa um momento de gravidade, em que os governadores foram convocados por suas populações a agir para conter o ritmo da expansão da Covid-19 em seus territórios. O novo coronavírus é um adversário a ser vencido com bom senso, empatia, equilíbrio e união. Convidamos o presidente da República a liderar este processo e agir em parceria conosco e com os demais poderes.

Reunidos, queremos dizer ao Brasil que travamos uma guerra contra uma doença altamente contagiosa e que deixará milhares de vítimas fatais. A nossa decisão prioritária é a de cuidar da vida das pessoas, não esquecendo da responsabilidade de administrar a economia. Os dois compromissos não são excludentes. Para cumpri-los precisamos de solidariedade do governo federal e de apoio urgente com as seguintes medidas (muitas já presentes na Carta dos Governadores assinada em 19 de março de 2020):

  • Suspensão, pelo período de 12 meses, do pagamento da dívida dos Estados com a União, a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, e organismos internacionais como Banco Mundial e Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), bem como abertura da possibilidade de quitação de prestações apenas no final do contrato, além da disponibilização de linhas de crédito do BNDES para aplicação em serviços de saúde e investimentos em obras;
  • Disponibilidade e alongamento, pelo BNDES, dos prazos e carências das operações de crédito diretas e indiretas para médias, pequenas e microempresas. Demanda-se viabilizar o mesmo em relação a empréstimos junto a organismos internacionais;
    Viabilização emergencial e substancial de recursos livres às Unidades Federadas, visando a reforçar a nossa capacidade financeira, assim como a liberação de limites e condições para contratação de novas operações de crédito (incluindo extralimite aos Estados com nota A e B), estabelecendo ainda o dimensionamento de 2019 pelo Conselho Monetário Nacional e permitindo a securitização das operações de crédito;
    Imediata aprovação do Projeto de Lei Complementar 149/2019 (“Plano Mansueto”) e mudança no Regime de Recuperação Fiscal, de modo a promover o efetivo equilíbrio fiscal dos Entes Federados;
  • Redução da meta de superávit primário do Governo Federal, para evitar ameaça de contingenciamento no momento em que o Sistema Único de Saúde mais necessita de recursos que impactam diretamente as prestações estaduais de saúde;
  • Adoção de outras políticas emergenciais capazes de mitigar os efeitos da crise sobre as parcelas mais pobres das nossas populações, principalmente no tocante aos impactos sobre o emprego e a informalidade, avaliando a aplicação da Lei nº 10.835, de 8 de janeiro de 2004, que institui a renda básica de cidadania, a fim de propiciar recursos destinados a amparar a população economicamente vulnerável;
  • Apoio do governo federal no tocante à aquisição de equipamentos e insumos necessários à preparação de leitos, assistência da população e proteção dos profissionais de saúde.

Informamos que os governadores seguirão se reunindo à distância, no modelo de videoconferências – como preconizam as orientações médicas internacionais –, com o objetivo de uniformizar métodos e com vistas a alcançar, em um futuro breve, ações consorciadas, que nos permitam agir no tema de coronavírus e em outros temas.

No que diz respeito ao enfrentamento da pandemia global, vamos continuar adotando medidas baseadas no que afirma a ciência, seguindo orientação de profissionais de saúde e, sobretudo, os protocolos orientados pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

O Congresso Nacional deve assumir o protagonismo em defesa do pacto federativo, conciliando os interesses dos entes da federação, compatibilizando ações e canalizando demandas de Estados e municípios.

Por fim, desejamos que o Presidente Jair Bolsonaro tenha serenidade e some forças com os Governadores na luta contra a crise do coronavírus e seus impactos humanitários e econômicos. Os Governadores entendem que este momento exige a participação dos poderes legislativo, executivo, judiciário, da sociedade civil e dos meios de comunicação.
Juntos teremos mais força para superar esta grave crise no País.

Assinam esta carta 26 governadores”.

Compartilhe:

1
Como vai funcionar a renda básica emergencial de R$ 600?
Os trabalhadores de baixa renda sem carteira assinada vão poder contar com uma renda básica emergencial do governo para lidar …
2
Bolsonaro prefere ser ‘do contra’ e luta sozinho contra o isolamento social
O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), insiste em desafiar as recomendações do Ministério da Saúde e da Organização …
3
E se Bolsonaro foi contaminado com coronavírus?
O que não passava de pura especulação e teoria da conspiração tem ganhado ares de verdade com novos capítulos envolvendo …
4
Coronavírus: Câmara aprova auxílio de R$600 para pessoas de baixa renda
A Câmara dos Deputados aprovou na quinta-feira, 26, uma medida que prevê o pagamento de R$600 para trabalhadores de baixa …
5
Bolsonaro e o coronavírus: um presidente na contramão do mundo
O pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na noite de terça-feira, 24, pegou de surpresa integrantes do governo e …
6
Entenda a MP da Morte: da polêmica e revogação por Bolsonaro até o erro de redação de Guedes
Em apenas uma canetada o presidente Jair Bolsonaro autorizou empresas a suspenderem contratos com seus empregados por 4 meses, sem …
7
Coronavírus no RJ: a situação dos transportes e dos comércios
O Rio de Janeiro adotou medidas mais severas para conter o avanço do novo coronavírus. O governador do estado, Wilson …
8
Eduardo Bolsonaro cria crise diplomática ao culpar a China pelo coronavírus
O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) meteu o pé pelas mãos, botou a culpa do coronavírus totalmente na China e …