Lava-rápido delivery e ecológico emprega refugiados em SP

Kosukola é uma empresa social criada pelo projeto Estou Refugiado; veja como solicitar o serviço

Por: Heloisa Aun | Comunicar erro
O lava-rápido tem quatro funcionários até o momento

Um lava-rápido delivery e ecológico, que não utiliza água e ainda emprega refugiados e imigrantes que moram em São Paulo. Esta é a proposta do Kosukola, uma empresa social criada em abril deste ano pelo projeto Estou Refugiado, que desde 2016 ajuda as pessoas a conseguirem trabalho e renda ao chegarem no país.

Kosukola é uma palavra em Lingala, língua falada no Congo e em Angola, que significa “lavar”. “Escolhemos chamar dessa maneira nosso serviço de lavagem para homenagear os refugiados que trabalham conosco”, afirma a descrição no site da iniciativa.

De acordo com a coordenadora Cathy Henry, quatro refugiados participam do lava-rápido. “Eles são de diferentes países: Haiti, Venezuela, Moçambique e Congo. A nossa lavagem é ecológica e, sendo um negócio social, todo o nosso lucro retorna ao projeto”, explica em entrevista ao Catraca Livre.

O professor haitiano Jules Formond, de 25 anos, é um dos funcionários. Após chegar ao Brasil no ano passado, o imigrante trabalhou durante alguns meses com colocação de janelas e também como pintor. “Por causa da crise econômica, comecei a ter dificuldades para conseguir emprego”, conta.

Quando conheceu o Estou Refugiado, Jules teve a oportunidade de trabalhar no lava-rápido e conseguiu uma fonte de renda. “Agora, estou estudando para o Enem. Quero estudar Engenharia Civil em alguma universidade”, diz o imigrante.

Os lavadores de carro são profissionais certificados pela Dry Wash. Além disso, todos os atendimentos são externos e feitos de bicicleta para não emitir gases na atmosfera e impactar o meio ambiente. A empresa faz lavagem a seco, enceramento, polimento e higienização de interiores.

“Ao usar o Kosukola, você estará oferecendo melhores condições de vida e mais dignidade a pessoas com status de refugiados ou imigrantes sem condições. Tanto diretamente, pois eles são remunerados pelo serviço, como indiretamente, ao fortalecer a luta para combater o preconceito”, ressalta o projeto.

Veja como solicitar o serviço do Kosukola:

  1. Agende um horário para o pessoal da Kosukola ir até sua garagem;
  2. No local, os refugiados limpam o veículo sem usar água ou tirá-lo da garagem;
  3. Em aproximadamente uma hora, o carro já está limpo.
  4. Para saber mais, clique aqui.

Estou Refugiado

A empresa social Planisfério, coordenada pela publicitária Luciana Maltchik Capobianco, inseriu por meio do seu projeto Estou Refugiado 300 pessoas no mercado formal em São Paulo nos últimos 2 anos. “Um número gratificante, pois não queremos fazer doações, queremos que o refugiado tenha garantido seu direito básico ao trabalho e ao emprego para poder sustentar sua família com dignidade”, relata.

A plataforma promove e estimula a divulgação de valores, ideias, propostas e conteúdos voltados à compreensão do problema dos refugiados no mundo, combatendo o preconceito e estimulando um processo de aceitação na sociedade.

Também desenvolve ações concretas de ajuda na busca de empregos e a criação de novos negócios para o refugiado. Todas as semanas, são publicados conteúdos nas mídias sociais como vídeos divulgando campanhas contra o preconceito, depoimentos de refugiados contratados e seus empregadores, videocurrículos em que os próprios refugiados apresentam suas qualificações profissionais e reportagens sobre as ações.

Uma das primeiras ações desenvolvidas foi um experimento social que usou o aplicativo Tinder para medir o nível de preconceito na sociedade. Foram criados dois perfis para o mesmo refugiado: um o apresentando como estrangeiro, com formação superior, radicado no Brasil e interessado em conhecer brasileiras; e, o outro, como refugiado, embora com as mesmas características do primeiro perfil.

O primeiro perfil atraiu cerca de 30 mulheres enquanto o segundo apenas 2. As reações aos perfis foram transformadas em um vídeo para discutir a questão do preconceito. Os resultados dessa primeira ação foram muito positivos: antes mesmo de sugerir qualquer ação, o projeto recebeu 40 ofertas espontâneas de emprego.

Autor: Heloisa Aun

Feminista, vegetariana e repórter de Cidadania no Catraca Livre. ("nossas costas / contam histórias / que a lombada / de nenhum livro / pode carregar" - Rupi Kaur)

1 / 8
1
03:46
‘Pretendo beneficiar um filho meu, sim’ diz Bolsonaro sobre embaixada
Em uma transmissão ao vivo pelas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a nomeação de seu filho, …
2
03:15
Num ato de coragem, MBL pede desculpas publicamente
O jornalista Gilberto Dimenstein e a Catraca Livre já foram diversas vezes vítimas das milícias digitais do MBL com as …
3
03:04
O real motivo do ataque de Bolsonaro ao filme de Bruna Surfistinha
Jair Bolsonaro decidiu atacar o filme realizado por Deborah Secco sobre a ex-prostituta Bruna Surfistinha. Motivo oficial: o filme, usando …
4
02:13
Entenda os desdobramentos do caso Tabata Amaral no PDT
O PDT suspendeu a deputada federal Tabata Amaral e outros sete parlamentares que votaram a favor da reforma da Previdência, …
5
02:03
Incêndio em estúdio de animação em Japão deixa dezenas de mortos
Dezenas de pessoas morreram durante um incêndio criminoso que tomou conta do estúdio de animação da Kyoto Animation, na cidade …
6
02:19
Barragem abandonada corre risco de rompimento no interior de SP
Uma matéria publicada pelo G1 alerta para o risco de rompimento da barragem de água em Iaras, no interior de …
7
02:30
O que significa a gargalhada de Caetano Veloso?
Um vídeo do cantor Caetano Veloso gargalhando está viralizando nas redes sociais. O motivo da piada é a entrevista que …
8
01:51
Site ‘Não me Perturbe’ permite bloquear ligações de telemarketing
A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) lançou o Não me Perturbe, site que permite bloquear ligações de telemarketing. O sistema …