Ciro Gomes ganha em todos os cenários no 2º turno, diz Datafolha

Informar

Lista denuncia países que perseguem ativistas de direitos humanos

"O mundo está em dívida com essas pessoas corajosas que defendem os direitos humanos", destaca relatório

Por: Redação | Comunicar erro

Assassinatos, tortura, prisões arbitrárias: na última quarta-feira, 12, a Organização das Nações Unidas (ONU) apresentou um levantamento dos 38 países considerados “vergonhosos” por perseguirem ativistas ligados aos direitos humanos.

Na lista, os vizinhos Colômbia e Venezuela, além de lugares como Cuba,Turquia e Rússia são alguns dos países denunciados por criminalizar vítimas e de violações e seus defensores. No relatório, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres,destacou que castigar ativistas por cooperarem com a organização é, sobretudo, uma prática vergonhosa.”O mundo está em dívida com essas pessoas corajosas que defendem os direitos humanos, que respondem a nossos pedidos de informação e se envolvem com as Nações Unidas para garantir esses direitos”.

Direitos Humanos
Assim como aconteceu no Brasil, protestos foram proibidos durante a realização da Copa do Mundo na Rússia – (Wikipedia)

Além dos países citados, a lista reúne nações das mais distintas regiões do mundo, das quais 29 apresentam novos casos de retaliação: Bahrein, Camarões, China, República Democrática do Congo, Djibuti, Egito, Guatemala, Guiana, Honduras, Hungria, Índia, Israel, Quirguistão, Maldivas, Mali, Marrocos, Mianmar, Filipinas, Ruanda, Arábia Saudita, Sudão do Sul, Tailândia, Trinidad e Tobago, Turquia, Turcomenistão. Outras 19 têm casos de perseguição e represálias em curso.

Entre os países apontados na lista, é comum que os governos acusem os ativistas de direitos humanos de terrorismo ou de cooperar com instituições estrangeiras. Além disso, são acusados de comprometer reputação ou a segurança local. “Há uma tendência inquietante dos governos de usar argumentos de segurança nacional ou falar de táticas terroristas para justificar o bloqueio do acesso à ONU de comunidades e organizações da sociedade civil”. relatório.

O relatório será apresentado na próxima semana ao Conselho de Direitos Humanos, segundo comunicado divulgado pela organização.

Plataforma ajuda a encontrar políticos pró-direitos humanos

Compartilhe: