Mais de 90 mil apoiaram abaixo-assinados por saída de Vélez

As petições criadas na plataforma Change.org se juntaram à pressão popular que levou à demissão do ministro da Educação

Por: Change.org (Oficial)
ministro da educação, Ricardo Vélez Rodríguez
Crédito: Geraldo Magela/Agência SenadoA demissão do ministro foi anunciada na manhã desta segunda-feira

O presidente Jair Bolsonaro anunciou, na manhã desta segunda-feira, 8, a demissão do ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez. Depois de colecionar uma série de medidas controversas e declarações polêmicas, o ministro se tornou alvo de uma grande pressão popular que pedia por sua saída. Parte dessa mobilização aconteceu através de abaixo-assinados criados na Change.org — eles reuniram, no total, mais de 90 mil assinaturas para exigir a demissão de Vélez.

Uma das quatro petições foi encabeçada pelo professor de filosofia Giovane Martins Vaz, que é líder estadual do Movimento Acredito no Rio Grande do Sul. O Acredito se apresenta como um movimento de suprapartidário de renovação política, que apoia uma nova geração de lideranças, como a deputada federal Tabata Amaral.

Giovane se diz aliviado pela demissão de Vélez. “Estava com um pouco de receio de que o ministro fosse continuar no cargo por mais tempo como mera estratégia do presidente de enfraquecer as informações da mídia”, comenta.

O criador do abaixo-assinado afirma que a campanha “foi construída de forma bem coletiva”. Para ele, a petição é um elemento de pressão muito forte, que representa uma grande mobilização, já que as pessoas também passam a se engajar de outras formas.

Crédito: Movimento Acredito O abaixo-assinado foi aberto de forma coletiva pelos integrantes do Movimento Acredito

De maneira geral, todos os abaixo-assinados abertos na Change.org se posicionavam contra as ações do ministro, que chegou a se referir a brasileiros como “canibais” e a sugerir que estudantes fossem filmados cantando o hino nacional nas escolas.

Entre outras medidas que inflamaram os discursos pela saída de Vélez estavam a não-exigência de referências bibliográficas em livros didáticos a serem comprados pelo Ministério da Educação (MEC) e a criação inédita de uma comissão para avaliar as questões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Ministério paralisado

Depois de anunciar e voltar atrás nas medidas controversas, o ministro sofreu uma enxurrada de críticas por não “fazer o ministério andar”, ou seja, não colocar em prática ou ao menos apresentar ações de enfrentamento aos problemas da educação no país. No lugar dele, o presidente anunciou o economista Abraham Weintraub.

“Por um lado, estou aliviado pelo provável fim desse impasse que deixou o MEC praticamente paralisado por quase quatro meses. Por outro, ainda precisamos conhecer mais desse novo ministro, o que me deixa muito cauteloso em relação à substituição”, pondera o professor de filosofia, que mora na cidade de Porto Alegre.

O líder estadual do Movimento Acredito esclarece, entretanto, que o movimento irá aguardar as ações do novo ministro antes de criticar ou elogiar. De acordo com Giovane, o objetivo agora é pressionar para que o MEC volte a atuar de forma técnica, sem as “trapalhadas do último ministro” e destrave a burocracia.

Compartilhe:

Por: Change.org (Oficial)

O maior portal de petições online do Brasil. São 329 milhões de pessoas fazendo a diferença em 196 países e 26 milhões só no Brasil. Instagram: https://www.instagram.com/changeorg_br/

Termos da rede:

Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do usuário Change.org Brasil da Rede Catraca.

O Catraca Livre disponibiliza espaço no site para que qualquer interessado possa contribuir com cidades mais acolhedoras, educadas e criativas, sempre respeitando a diversidade de opiniões.

As informações acima são de responsabilidade do autor e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

1
Entenda o acordo nuclear que envolve EUA x Irã
Errata: ao contrário do que aparece no vídeo, o nome do especialista entrevistado é Lucas Leite e não Felipe. O …
2
Depois de ataque e perseguição, Porta dos Fundos é alvo de censura
A Justiça do Rio de Janeiro resolveu mandar retirar do ar “A Primeira Tentação de Cristo”, um Especial de Natal …
3
“Imprecionante”: ministro Weintraub comete novo erro de português
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, escorregou de novo na língua portuguesa e a internet não deixou passar. Ao agradecer um …
4
Irã: ataque às bases dos EUA, queda de avião e terremoto
Em apenas uma noite, três eventos simultâneos no Irã fizeram com que a atenção de todo o mundo se voltasse …
5
Irã retoma programa nuclear e EUA podem ter tropas expulsas do Iraque
O assassinato do general iraniano Qassim Suleimani tem gerado uma série de desdobramentos no Oriente Médio, como a possível expulsão …
6
Entenda os impactos do fogo na Austrália
A Austrália vive uma das piores queimadas da história. A onda de calor que começou no mês de setembro não …
7
Oriente Médio: Trump aumenta tensão entre EUA e Irã
Qassem Soleimani, o maior comandante militar do Irã e chefe da Guarda Revolucionária Islâmica, foi morto em um ataque aéreo …
8
Apologia e flerte com a Ditadura no primeiro ano do Governo Bolsonaro
Se alguém tinha alguma expectativa de como seria o primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro, 2019 ficará com certeza …