Últimas notícias:

Loading...

Menino de três anos com leucemia mobiliza campanha por doação

Chance de encontrar doador compatível é de uma a cada cem mil, por isso é importante que mais pessoas se cadastrem para doar

Por: Redação
Crédito: Foto: Governo do TocantinsDoença de menino está mobilizando pessoas em torno campanha para levar mais pessoas a realizar o cadastro como doador de medula óssea

A doença de um menino de apenas três anos está mobilizando pessoas em torno de uma campanha importante: levar mais pessoas a realizar o cadastro como doador de medula óssea.

A família do pequeno Henrique, de Jaraguá do Sul, Santa Catarina, descobriu há dois meses que ele tem um tipo de leucemia crônica, sendo necessário o tratamento com quimioterapia.

A leucemia, popularmente conhecida como “câncer do sangue”, afeta a produção de leucócitos – glóbulos brancos – pela medula óssea, que fazem a defesa do organismo. O transplante de medula é indicado nesses casos.

O problema é que nem sempre alguém da família do doente é compatível. Entre pessoas que não são parentes, as chances de encontrar um doador é de uma a cada cem mil, por isso é importante que cada vez mais voluntários se cadastrem no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome).

Enquanto não for encontrado um doador compatível, Henrique – ou qualquer pessoa que tenha a doença – precisa continuar com tratamentos como quimioterapia e transfusões, como aponta matéria do G1.

Sobre a campanha de mobilização que surgiu nesse sentido após o caso do menino, sua mãe, Sandra, diz: “Para ajudar o Henrique e, claro, outras pessoas esperando por um transplante de medula. Veja a matéria completa.

Como fazer o cadastro de doador

Pessoas com idade entre 18 e 55 anos, em bom estado de saúde, sem doenças infecciosas ou incapacitante, podem fazer parte do Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (Redome), como informa a página do Governo do Brasil.

Com um documento com foto em mãos, vá até o hemocentro mais próximo (clique aqui para encontrar o hemocentro mais perto de você)  e diga que quer ser doador de medula óssea. Após preencher uma ficha com informações pessoais e assinar um termo de consentimento livre e esclarecido, será retirada uma amostra de sangue para fazer o exame de histocompatibilidade (HLA), que identificará a característica genética do doador.

As informações genéticas, bem como os dados cadastrais, são enviadas para o registro do Redome. A partir de então, as informações passam a ser constantemente cruzadas com as de quem precisa de transplante. O voluntário recebe uma carteira de doador, com selo do Redome.

O doador só é acionado quando aparecer um paciente com a medula compatível. Em caso de compatibilidade, novos testes são feitos. Após os exames, se confirmada a compatibilidade, uma nova consulta é realizada ao doador para certificar se ele realmente deseja fazer a doação.

De acordo com o responsável pelos transplantes no Instituto de Cardiologia do Distrito Federal (ICDF), Gustavo Bettarello, na maioria dos casos, a doação é realizada em procedimento ambulatorial, por meio da chamada coleta por aférese. “O doador vai tendo suas células retiradas sem anestesia, sem dor, sem absolutamente nada”, ressalta. Saiba mais sobre o passo a passo da doação.