CORONAVÍRUS
Tudo o que você precisa saberÚltimas notícias e tudo que você precisa saber

MP aponta superfaturamento em negócios de Flávio Bolsonaro

Flávio lucrou R$ 3,089 milhões em transações com suspeitas de subfaturamento nas compras e superfaturamento nas vendas.

Por: Redação

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) apontou indícios de superfaturamentos em transações realizadas pelo senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) em processos de compra e venda de imóveis.

A informação foi divulgada pela Revista Veja, na noite desta quarta-feira (15). Segundo a reportagem, o MP apontou que “entre 2006 e 2009, ele teria investido 9,425 milhões de reais na compra de 19 imóveis, entre salas e apartamentos”.

Crédito: Agência Brasil/Tânia RegoMP aponta superfaturamento em negócios de Flávio Bolsonaro

De acordo com a reportagem de Veja, os promotores afirmam que entre 2010 e 2017, o então deputado estadual lucrou 3,089 milhões de reais em transações com “suspeitas de subfaturamento nas compras e superfaturamento nas vendas.

A revista apurou ainda que o MP afirma que a suposta fraude pode ter ocorrido para “simular ganhos de capital fictícios” que encobririam “o enriquecimento ilícito decorrente dos desvios de recursos” da Assembleia Legislativa do Rio. A quebra de sigilo foi concedida pelo juiz da 27º Vara Criminal do Rio, Flávio Itabaiana Nicolau.

No último dia 13, a Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) autorizou a quebra de sigilo bancário do senador e de seu ex-assessor Fabrício Queiroz. Flávio passou a ser investigado após o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificar movimentação financeira considerada atípica na conta corrente de Queiroz.

O relatório do Coaf apontou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão em uma conta do ex-asssessor – entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017.

Outros 88 funcionários ou ex-funcionários do gabinete de Flávio Bolsonaro, da época em que ele era deputado estadual no Rio de Janeiro, também terão seus dados bancários analisados. Entre eles estão Danielle Nóbrega e Raimunda Magalhães, irmã e mãe do ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega, apontado como um dos líderes do Escritório do Crime, uma das principais milícias do Rio.

1
Morre Gilberto Dimenstein, jornalista e fundador da Catraca Livre
É com profunda tristeza que a Catraca Livre anuncia o falecimento de seu fundador, Gilberto Dimenstein, aos 63 anos de …
2
Entenda a operação da Polícia Federal de combate às fake news
O combate às fake news ganhou um novo e importante capítulo nesta semana com a Polícia Federal realizando uma série …
3
Witzel é alvo da PF; Zambelli antecipa operação em entrevista
A Polícia Federal iniciou nesta terça-feira, 26, a Operação Placebo, que apura desvios na Saúde do Rio de Janeiro nas …
4
‘Na Fila do SUS’ retrata o sucateamento da saúde pública em plena pandemia
 'Na Fila do SUS' é uma websérie em formato original com seis episódios que estreia disponível exclusivamente, na plataforma online …
5
Governo libera uso da cloroquina para pacientes em estado leve da covid-19; classe médica discorda
Após pressão do presidente Jair Bolsonaro, o Ministério da Saúde cedeu e ampliou o  protocolo para uso da cloroquina e …
6
Felipe Neto no Roda Vida: confira os principais momentos do programa
Convidado do Roda Viva, da TV Cultura, na noite desta segunda-feira, 18, o youtuber Felipe Neto afirmou que faz um …
7
Flávio Bolsonaro rebate acusação feita por Paulo Marinho sobre o caso Queiroz
O senador Flávio Bolsonaro rebateu a acusação feita pelo empresário Paulo Marinho em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo …
8
Entenda os motivos do pedido de demissão do ministro da Saúde, Nelson Teich
Antes mesmo de completar um mês à frente do Ministério da Saúde, o ministro Nelson Teich pediu demissão do cargo …