Negros representam 77% dos mortos pela polícia no RJ

Veja também: relatório da Anistia Internacional revela que violência policial é a principal forma de violação dos direitos humanos no Brasil

Por: Redação | Comunicar erro

Nos últimos anos, o Rio de Janeiro vive as consequências da violência policial, na sua pior maneira: a morte de jovens, e muitas vezes crianças, negras, pobres, moradoras do subúrbio carioca. Amarildo, Cláudia, DG, Igor Silva, Chacina de Costa Barros. Histórias de vidas interrompidas, vítimas de uma política de extermínio declarada, embora ignorada e silenciada com mais violência.

Neste cenário, uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira, 24, pelo Instituto de Segurança Pública, revela que das 644 mortes ocorridas em confrontos com a polícia no Estado do Rio no ano passado, 497 (ou 77,2%) eram negras ou não-brancas.

O levantamento, realizado em parceria com a Secretaria de Segurança Pública do Rio, é apenas o primeiro de uma série de pesquisas que serão divulgadas pelo governo. Informações sobre vítimas de letalidade violenta, classificação para homicídios, autos de resistência (mortes em confronto policial), lesão corporal seguida de morte e latrocínio (roubo seguido de morte) são apenas alguns temas divulgados pela pasta.

Reprodução (André Persechini)
Baleada no braço e no pescoço por policiais, Claudia da Silva Ferreira foi arrastada por uma viatura no asfalto

Um relatório apresentado pela Anistia Internacional na última terça-feira, 23, faz um alerta mundial sobre a violação dos Direitos Humanos, constantemente violada no Rio de Janeiro. Na cidade, sede da próxima Olimpíada, eventos como remoção forçada de populações, violência policial, ação de milicianos estão entre as principais transgressões indicadas pelo relatório. Além do Brasil, foi enviado a 159 países.

Fascismo à brasileira

Em um compilado de denúncias, referentes a 53 países, o Brasil se destacou pela atuação de suas polícias responsável por homicídios, tortura, maus-tratos, além de ações desmedidas. Temas como direitos das mulheres, indígenas e da comunidade LGBT também foram avaliados.

Episódios como as remoções de moradores da Vila Autódromo, comunidade localizada ao lado do Parque Olímpico retratam o cenário de opressão e autoritarismo por parte das autoridades, como ressalta trecho do relatório. “Desde que a cidade foi escolhida em 2009 para sediar os Jogos Olímpicos de 2016, milhares de pessoas foram removidas de suas casas para dar lugar às obras de infraestrutura para o evento. Muitas famílias não receberam a devida notificação, nem indenizações suficientes ou reassentamento adequado”.

100 vezes Cláudia: projeto usa arte para homenagear e lembrar que mulher arrastada pela polícia tinha nome

1 / 8
1
04:31
Ministro da Educação bate-boca com manifestantes no Pará
De férias com a família em Alter do Chão (PA), o Ministro da Educação, Abraham Weintraub, se envolveu em uma …
2
02:46
Contra o machismo, Sandy e Junior mudam o final de Maria Chiquinha
Durante uma apresentação em Fortaleza, no Ceará, o cantor Junior deu uma lição contra o machismo e mudou o final …
3
02:21
[ALERTA GATILHO] Jovem descobre estupro coletivo após imagens vazarem
Uma jovem de 22 anos de idade foi vítima de estupro coletivo na Região Serrana do Rio de Janeiro (RJ), …
4
02:14
[ALERTA GATILHO] Menina pede pra morrer após ser estuprada
Após ser estuprada pelo primo, de 32 anos, menina de 5 anos pede pra morrer. O caso aconteceu em Cubatão, …
5
02:17
Mulheres vítimas de violência estão mais expostas à morte por doenças
Um estudo inédito do Ministério da Saúde divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo revela que mulheres expostas à situações …
6
03:46
‘Pretendo beneficiar um filho meu, sim’ diz Bolsonaro sobre embaixada
Em uma transmissão ao vivo pelas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a nomeação de seu filho, …
7
03:15
Num ato de coragem, MBL pede desculpas publicamente
O jornalista Gilberto Dimenstein e a Catraca Livre já foram diversas vezes vítimas das milícias digitais do MBL com as …
8
03:04
O real motivo do ataque de Bolsonaro ao filme de Bruna Surfistinha
Jair Bolsonaro decidiu atacar o filme realizado por Deborah Secco sobre a ex-prostituta Bruna Surfistinha. Motivo oficial: o filme, usando …