Opinião: Datafolha reforça hoje suspeita de fraude das Fake News

Direção do Datafolha já tinha levantado a possibilidade de a rede clandestina do WhatsApp ter alterado a votação.

Por: Gilberto Dimenstein

Até que ponto a máquina clandestina nas redes sociais montada por aliados de Bolsonaro, com uma profusão de Fake News, estava fraudando o voto do brasileiro?
Essa é uma suspeita inevitável com a pesquisa Datafolha divulgada hoje.
A leitura da pesquisa mostra uma tendência expressiva de queda da diferença entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad: de 18 para 12 pontos.
Bolsonaro tem 56% dos votos válidos; Haddad, 44%.Na pesquisa anterior, a diferença era de 59% a 41%.
Houve, portanto, uma redução de 18 para 12 pontos de diferença.
É certo que, nesse período, Bolsonaro sofreu uma série de desgastes.
Nesse período, ocorreu o escândalo do WhatsApp, a retirada do ar de página do Facebook ligadas ao PSL, a bombardeada declaração de Eduardo Bolsonaro sobre o fechamento do STF e a discurso raivoso de seu pai domingo, prometendo prender adversários políticos.
Provavelmente não está sendo positiva a recusa de Bolsonaro de participar dos debates.
Nesse período também Bolsonaro perdeu sua maior arma.
Sabemos todos que o deputado tinha um aparato poderoso, mas foi, em parte, abatido pela Folha que revelou o esquema usando WhatsApp, e pelo Estadão, que ajudou a tirar do ar um poderoso aparato no Facebook.
WhatsApp tirou do ar contas que espalhavam centenas de milhões de mensagens de a favor de Bolsonaro.
Facebook excluiu a maior rede a favor de Jair Bolsonaro (PSL) da rede social, formada por 68 páginas e 43 contas pessoais. A decisão não foi pautada no conteúdo que era disseminado, mas ao fato de os donos dessas páginas, controladas por um grupo chamado Raposo Fernandes Associados (RFA), terem violado as políticas de autenticidade e spam ao criar contas falsas e múltiplas contas com os mesmos nomes para administrar essa rede.
De acordo com matéria do Estadão, as 68 páginas, juntas, detinham mais alcance do que artistas e jogadores mundialmente reconhecidos, como Neymar e Anitta, por exemplo.
Se era verdade que essa esquema nas redes ajudou Bolsonaro, deve-se perguntar até que ponto seu enfraquecimento não o estaria tirando pontos nas pesquisas.
O próprio diretor do Datafolha, Mauro Paulino, tinha admitido que o caso WhatsApp teve influência no primeiro turno.

Por: Gilberto Dimenstein

Jornalista, educador e fundador da Catraca Livre.

1
A repercussão dos ataques machistas à jornalista Patrícia Campos Mello
No final da última semana, Hans River do Rio Nascimento foi chamado para prestar depoimento na CPMI das Fake News. …
2
Governo Bolsonaro libera pesca em áreas de conservação ambiental
Uma portaria do Instituto Chico Mendes (ICMBio), órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, autorizou a pesca esportiva e amadora …
3
Chuva forte deixa São Paulo debaixo d’água
A chuva que começou ontem não deu sinal de trégua e fez São Paulo amanhecer debaixo d’água nesta segunda-feira, 10. …
4
Coronavírus: aviões da FAB vão retirar brasileiros de Wuhan, na China
Dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) decolaram nesta quarta-feira, 5, em direção a Wuhan, na China, para retirar os …
5
BBB20: Mulheres decidem o destino de Pétrix Barbosa
A união das mulheres  decidiu o destino de Pétrix não apenas no Big Brother Brasil 20, mas também fora da …
6
Damares Alves: abstinência sexual, protesto e contradição?
Por que este grupo de mulheres deu as costas para a ministra Damares Alves enquanto ela defendia sua política de …
7
Bolsonaro e a demissão do secretário que viajou com jato da FAB
O presidente Jair Bolsonaro anunciou em sua conta no Twitter que vai tornar sem efeito a nomeação de José Vicente …
8
Visibilidade trans: a história de Thais de Azevedo
O que é violência para você? Para Thais de Azevedo essa pergunta resume uma trajetória de vida. Como mulher trans, …