Opinião: Datafolha reforça hoje suspeita de fraude das Fake News

Direção do Datafolha já tinha levantado a possibilidade de a rede clandestina do WhatsApp ter alterado a votação.

Por: Gilberto Dimenstein | Comunicar erro

Até que ponto a máquina clandestina nas redes sociais montada por aliados de Bolsonaro, com uma profusão de Fake News, estava fraudando o voto do brasileiro?
Essa é uma suspeita inevitável com a pesquisa Datafolha divulgada hoje.
A leitura da pesquisa mostra uma tendência expressiva de queda da diferença entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad: de 18 para 12 pontos.
Bolsonaro tem 56% dos votos válidos; Haddad, 44%.Na pesquisa anterior, a diferença era de 59% a 41%.
Houve, portanto, uma redução de 18 para 12 pontos de diferença.
É certo que, nesse período, Bolsonaro sofreu uma série de desgastes.
Nesse período, ocorreu o escândalo do WhatsApp, a retirada do ar de página do Facebook ligadas ao PSL, a bombardeada declaração de Eduardo Bolsonaro sobre o fechamento do STF e a discurso raivoso de seu pai domingo, prometendo prender adversários políticos.
Provavelmente não está sendo positiva a recusa de Bolsonaro de participar dos debates.
Nesse período também Bolsonaro perdeu sua maior arma.
Sabemos todos que o deputado tinha um aparato poderoso, mas foi, em parte, abatido pela Folha que revelou o esquema usando WhatsApp, e pelo Estadão, que ajudou a tirar do ar um poderoso aparato no Facebook.
WhatsApp tirou do ar contas que espalhavam centenas de milhões de mensagens de a favor de Bolsonaro.
Facebook excluiu a maior rede a favor de Jair Bolsonaro (PSL) da rede social, formada por 68 páginas e 43 contas pessoais. A decisão não foi pautada no conteúdo que era disseminado, mas ao fato de os donos dessas páginas, controladas por um grupo chamado Raposo Fernandes Associados (RFA), terem violado as políticas de autenticidade e spam ao criar contas falsas e múltiplas contas com os mesmos nomes para administrar essa rede.
De acordo com matéria do Estadão, as 68 páginas, juntas, detinham mais alcance do que artistas e jogadores mundialmente reconhecidos, como Neymar e Anitta, por exemplo.
Se era verdade que essa esquema nas redes ajudou Bolsonaro, deve-se perguntar até que ponto seu enfraquecimento não o estaria tirando pontos nas pesquisas.
O próprio diretor do Datafolha, Mauro Paulino, tinha admitido que o caso WhatsApp teve influência no primeiro turno.

1 / 8
1
05:46
Os melhores tipos de música que ajudam na gravidez
A partir do sexto mês de gestação, a criança já tem audição definida. Quais são os estímulos e efeitos que as …
2
03:26
Frota reconhece uso de ‘fake news’ na eleição de Bolsonaro
Na última edição do Roda Viva, da TV Cultura, o deputado federal Alexandre Frota (PSL) revelou que sabia sobre o …
3
04:24
Jatinhos: Bolsonaro ataca Huck, mas não fala nada de Hang
Após receber críticas de Luciano Hulk, o presidente Jair Bolsonaro resolveu mostrar o financiamento que o apresentador  recebeu do BNDES …
4
04:15
Bolsonaro recuará na indicação de Eduardo para embaixada ?
O presidente Jair Bolsonaro (PSL) admite, pela primeira vez, que existe a possibilidade dele não indicar seu filho, o deputado …
5
02:29
Sequestro na Ponte Rio-Niterói termina após mais de três horas
Um homem armado entrou em um ônibus e manteve 37 reféns no início desta terça-feira, 20, na Ponte Rio-Niterói, via …
6
06:43
Após ser acusado de comunista, Dimenstein cobra provas de Hasselmann
A deputada federal Joice Hasselmann perdeu a calma nas redes sociais ao atacar o jornalista Gilberto Dimenstein, acusando-o de militante …
7
04:53
Netflix e KondZilla lançam ‘Sintonia’, da periferia para o mundo
KondZilla tem razão quando afirma: "A favela venceu". “Sintonia”, a nova série da Netflix, prova isso. A ideia original é dele …
8
04:21
Sinais que indicam problemas no estômago
Ter tosse seca pode ser um sinal que o seu estômago não vai muito bem. Hoje, o Dr. Raul Cutait, médico …