Projeto transforma cidadão em protagonista do futuro das cidades

O programa "O Futuro da Minha Cidade" é promovido pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), com correalização do SESI Nacional

Por: Publi | Comunicar erro
O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, o presidente da CBIC, José Carlos Martins, do coordenador do projeto, Silvio Barros, o presidente do Codese-DF, Paulo Muniz, e o jornalista Gilberto Dimenstein
Crédito: Tereza Sá O programa convida toda a sociedade para ser voluntária e pensar ações para daqui a 20 anos

Qual futuro que você, enquanto cidadão, quer para a sua cidade e para o Brasil? Pensar em soluções para os problemas locais e promover o desenvolvimento dos municípios é o objetivo do projeto “O Futuro da Minha Cidade”, promovido pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), com correalização do SESI Nacional. O programa convida toda a sociedade para ser voluntária e pensar ações para daqui a 20 anos, visando a formação de um Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico (Codese) local.

A iniciativa, criada em 2012 e já presente em 28 cidades do país, foi apresentada nesta sexta-feira, 10, durante o “Diálogo CBIC: O Futuro da Minha Cidade e Brasília”. Mediado pelo jornalista Gilberto Dimenstein, fundador da Catraca Livre, o evento teve a participação do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, do presidente da CBIC, José Carlos Martins, do coordenador do projeto, Silvio Barros, e também do presidente do Codese-DF, Paulo Muniz.

Fundador da Catraca Livre, Gilberto Dimenstein
Crédito: Tereza Sá Fundador da Catraca Livre, Gilberto Dimenstein mediou o evento em Brasília

O projeto transforma as pessoas em protagonistas no planejamento econômico e sustentável do futuro dos municípios a curto, médio e longo prazos. “É impossível você querer mudar o mundo e não querer mudar o que está em torno. Às vezes, com soluções muito pequenas, como cuidar de uma calçada, de se envolver na escola pública, no posto de saúde e na questão ecológica, por exemplo, você pode fazer uma cidade melhor”, comenta Dimenstein sobre a necessidade da participação dos cidadãos.

O planejamento do programa é feito por meio do Conselho, formado por Câmaras Temáticas, que pensa estratégias levando em conta várias temáticas: saúde, educação, segurança, meio ambiente, gestão pública, mobilidade urbana e desenvolvimento econômico. “O que nós fazemos é fomentar o debate. Desde então, nós usamos uma frase que é a base da ação — se a mudança é inevitável, você tem que optar: ser refém ou protagonista. Nós optamos por ser protagonistas dessas mudanças do nosso dia a dia”, explica Martins.

A experiência de Maringá

A ideia da criação do “O Futuro da Minha Cidade” surgiu a partir da experiência bem-sucedida de Maringá, no Paraná, por meio do seu Conselho de Desenvolvimento Econômico (Codem). Em 1996, a sociedade civil organizada resolveu assumir o controle do planejamento a longo prazo, 20 anos para frente, sabendo que, como os mandatos duram quatro anos, esse programa passaria por cinco prefeitos com pensamentos diferentes. “A população entendeu que o prefeito é o servidor público e vestiu a camisa de ‘patrão’ dele. Ele é um executivo contratado pelo voto para administrar aquilo que pertence a todos. Quem define o rumo é a sociedade”, afirma Silvio Barros, coordenador do projeto e ex-prefeito de Maringá.

Segundo ele, entre os muitos projetos que demonstram essa mobilização, a sociedade civil decidiu que não queria tirar a linha do trem do centro da cidade, e sim rebaixá-la, e deixar o metrô pronto nos próximos 20 anos. A obra levou, no total, quatro mandatos para ficar pronta. “O nosso metrô, no dia que a gente tiver necessidade, já está construído e a linha de trem não atrapalha mais o movimento da cidade. Esse pensar nunca seria do poder público, mas é o pensar de quem vive e quer continuar vivendo em um lugar cada vez melhor”, diz.

“O que a cidade precisa, não pode parar. No ano passado, Maringá foi eleita a melhor cidade do país para se viver. Não é uma causalidade, é a consequência do que a comunidade resolver fazer”, conclui Silvio.

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha
Crédito: Tereza Sá O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, procurou o Codese para a criação de um conselho de políticas públicas

O futuro de Brasília

No evento em Brasília, os participantes destacaram um dos exemplos mais atuantes no projeto: o Codese do Distrito Federal. “No fim de 2017, definimos que todo o nosso programa seria pautado nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, do qual o Brasil é signatário. Não apenas seguimos as ODS, mas também pegamos as nossas metas e atrelamos a elas”, afirma Paulo Muniz, presidente do conselho. As propostas formaram o documento “O DF que a gente quer!”, que teve a participação voluntária de 240 da sociedade civil, empresários, técnicos e acadêmicos, representantes de mais de 90 entidades de diversos segmentos.

O documento foi apresentado à sociedade em agosto de 2018 e entregue a todos os candidatos durante a campanha eleitoral ao governo do DF. Após as eleições, o governador eleito do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, procurou o Codese para a criação de um conselho de políticas públicas. “Brasília tem a oportunidade de ser um laboratório para o Brasil. As experiências aqui são muito mais fáceis de implantar porque você consegue colher o resultado”, ressalta Ibaneis.

De acordo com Muniz, no balanço dos 100 dias de governo do Distrito Federal, mais de 25 ações já foram emplacadas e outras estão a caminho. “Propusemos em agosto de 2017 medidas emergenciais, como abrir as delegacias 24 horas”, exemplifica o presidente do Codese-DF. A decisão imediatamente implementada pelo atual governo já resultou na redução de cerca de 40% da criminalidade.

Gostou o projeto? Participe do grupo no Facebook, “O Futuro da Minha Cidade”, que reúne quem está interessado em discutir sobre desenvolvimento urbano.

Confira o resumo do evento:

Aqui, assista à íntegra do que foi debatido:

1 / 8
1
03:46
‘Pretendo beneficiar um filho meu, sim’ diz Bolsonaro sobre embaixada
Em uma transmissão ao vivo pelas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro voltou a defender a nomeação de seu filho, …
2
03:15
Num ato de coragem, MBL pede desculpas publicamente
O jornalista Gilberto Dimenstein e a Catraca Livre já foram diversas vezes vítimas das milícias digitais do MBL com as …
3
03:04
O real motivo do ataque de Bolsonaro ao filme de Bruna Surfistinha
Jair Bolsonaro decidiu atacar o filme realizado por Deborah Secco sobre a ex-prostituta Bruna Surfistinha. Motivo oficial: o filme, usando …
4
02:13
Entenda os desdobramentos do caso Tabata Amaral no PDT
O PDT suspendeu a deputada federal Tabata Amaral e outros sete parlamentares que votaram a favor da reforma da Previdência, …
5
02:03
Incêndio em estúdio de animação em Japão deixa dezenas de mortos
Dezenas de pessoas morreram durante um incêndio criminoso que tomou conta do estúdio de animação da Kyoto Animation, na cidade …
6
02:19
Barragem abandonada corre risco de rompimento no interior de SP
Uma matéria publicada pelo G1 alerta para o risco de rompimento da barragem de água em Iaras, no interior de …
7
02:30
O que significa a gargalhada de Caetano Veloso?
Um vídeo do cantor Caetano Veloso gargalhando está viralizando nas redes sociais. O motivo da piada é a entrevista que …
8
01:51
Site ‘Não me Perturbe’ permite bloquear ligações de telemarketing
A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) lançou o Não me Perturbe, site que permite bloquear ligações de telemarketing. O sistema …