Senado da Argentina rejeita legalização do aborto

Após uma sessão de 16 horas, o texto foi barrado por 38 votos contra e 31 a favor

Por: Redação | Comunicar erro
Crédito: Reprodução / TwitterA votação foi marcada por protestos no país

O Senado da Argentina rejeitou na madrugada desta quinta-feira, 9, o projeto de lei que propunha legalizar o aborto no país. Após uma sessão de 16 horas, o texto foi barrado por 38 votos contra e 31 a favor. Foram registradas uma ausência e duas abstenções.

Aprovada pela Câmara em junho, a proposta queria liberar a interrupção da gravidez durante as primeiras 14 semanas de gestação. Para avançar no Senado, eram necessários 37 votos dos 72 senadores. Com a decisão, a legislação argentina segue permitindo o aborto apenas em caso de gravidez decorrente de estupro ou quando a mãe corra risco de morte. O procedimento é crime nas demais situações e pode ser punido com até quatro anos de prisão.

O projeto só poderá ser reapresentado para apreciação dos legisladores do país daqui um ano. A única alternativa após a rejeição do texto é se os senadores que defendem a legalização pedirem o debate da iniciativa da parlamentar Lucila Crexell (MPN), que despenaliza o aborto até a 12ª semana de gravidez. Ela foi uma das senadoras que se absteve na votação desta quinta.

Protestos

Durante toda a sessão, manifestantes contra e a favor da legalização do aborto ocuparam as ruas do país.

Com o anúncio do resultado, os grupos denominados “pró-vida”, que usaram lenços azuis como símbolo contrário ao projeto, festejaram com fogos de artifício. Do outro lado, o movimento feminista, com lenços verdes em apoio à proposta, manteve silêncio e indignação.

Lei

O projeto de lei foi aprovado na Câmara de Deputados da Argentina em 14 de junho, por 129 votos a favor, 125 contra e uma abstenção. Desde então, teve resistência principalmente de setores ligados a igrejas. A proposta propunha permitir o aborto até a  14ª semana de gravidez e incluí-lo nos serviços de saúde pública.

Na América Latina, somente Cuba e Uruguai permitem a interrupção voluntária da gravidez. O aborto também é legal na Cidade do México. Na maior parte dos países latino-americanos, como o Brasil, pode ser feito em caso de risco para a vida da mulher, quando é resultado de estupro ou se há inviabilidade da vida extrauterina. Em El Salvador, Honduras e Nicarágua é totalmente proibido.

Confira mais imagens dos protestos:

https://twitter.com/LetrasPlin/status/1027418877603532800

1 / 8
1
02:09
Maioria reprova mudanças para o trânsito propostas por Bolsonaro
De acordo com uma pesquisa Datafolha, divulgada neste domingo, dia 14, a maioria da população reprova o projeto de lei …
2
02:00
Jair Bolsonaro volta a defender filho Eduardo na embaixada nos EUA
Alvo de críticas desde a última semana por indicar Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para a embaixada do Brasil nos Estados Unidos, …
3
04:13
Eduardo Bolsonaro ganha bolsa embaixada de seu pai
O presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista que pretende indicar seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, como embaixador do …
4
06:27
Previdência: entenda como pode ficar a sua aposentadoria
A Câmara dos Deputados aprovou com 379 votos o texto-base da reforma da Previdência. No entanto, a proposta ainda pode …
5
01:58
Desastre na Bahia: Barragem se rompe e moradores deixam suas casas
Uma barragem se rompeu na cidade de Pedro Alexandre, a 435 quilômetros de Salvador, na Bahia, na manhã desta quinta-feira, …
6
16:59
Glenn no Senado: confira os principais momentos do depoimento
O jornalista Glenn Greenwald, editor do portal The Intercept Brasil, foi ao Senado prestar esclarecimento sobre o vazamento das mensagens …
7
03:14
Dimenstein: Por que eu defendo a reforma da previdência?
A Câmara aprovou nesta quarta-feira, 10, o texto principal da reforma da Previdência. O placar foi de 379 votos a …
8
03:22
Dimenstein: por que eu defendo Tabata Amaral?
Em meio à polêmica envolvendo a votação pela reforma da Previdência, que aconteceu nesta quarta-feira, 10, no plenário da Câmara, …