Senado da Argentina rejeita legalização do aborto

Após uma sessão de 16 horas, o texto foi barrado por 38 votos contra e 31 a favor

Por: Redação | Comunicar erro
Crédito: Reprodução / TwitterA votação foi marcada por protestos no país

O Senado da Argentina rejeitou na madrugada desta quinta-feira, 9, o projeto de lei que propunha legalizar o aborto no país. Após uma sessão de 16 horas, o texto foi barrado por 38 votos contra e 31 a favor. Foram registradas uma ausência e duas abstenções.

Aprovada pela Câmara em junho, a proposta queria liberar a interrupção da gravidez durante as primeiras 14 semanas de gestação. Para avançar no Senado, eram necessários 37 votos dos 72 senadores. Com a decisão, a legislação argentina segue permitindo o aborto apenas em caso de gravidez decorrente de estupro ou quando a mãe corra risco de morte. O procedimento é crime nas demais situações e pode ser punido com até quatro anos de prisão.

O projeto só poderá ser reapresentado para apreciação dos legisladores do país daqui um ano. A única alternativa após a rejeição do texto é se os senadores que defendem a legalização pedirem o debate da iniciativa da parlamentar Lucila Crexell (MPN), que despenaliza o aborto até a 12ª semana de gravidez. Ela foi uma das senadoras que se absteve na votação desta quinta.

Protestos

Durante toda a sessão, manifestantes contra e a favor da legalização do aborto ocuparam as ruas do país.

Com o anúncio do resultado, os grupos denominados “pró-vida”, que usaram lenços azuis como símbolo contrário ao projeto, festejaram com fogos de artifício. Do outro lado, o movimento feminista, com lenços verdes em apoio à proposta, manteve silêncio e indignação.

Lei

O projeto de lei foi aprovado na Câmara de Deputados da Argentina em 14 de junho, por 129 votos a favor, 125 contra e uma abstenção. Desde então, teve resistência principalmente de setores ligados a igrejas. A proposta propunha permitir o aborto até a  14ª semana de gravidez e incluí-lo nos serviços de saúde pública.

Na América Latina, somente Cuba e Uruguai permitem a interrupção voluntária da gravidez. O aborto também é legal na Cidade do México. Na maior parte dos países latino-americanos, como o Brasil, pode ser feito em caso de risco para a vida da mulher, quando é resultado de estupro ou se há inviabilidade da vida extrauterina. Em El Salvador, Honduras e Nicarágua é totalmente proibido.

Confira mais imagens dos protestos:

https://twitter.com/LetrasPlin/status/1027418877603532800

Compartilhe:

1 / 8
1
11:47
Não é Não: tatuagens contra o assédio no Carnaval
Luka Campos, idealizadora da campanha Não é Não, foi a convidada pelo programa Entrevista por Catraca Livre desta semana para …
2
01:40
Desvio em fundos de incentivo para mulheres
O Supremo Tribunal Federal e Tribunal Superior Eleitoral determinaram que 30% dos fundos públicos de financiamiento de campanhas sejam destinados …
3
15:17
Sai Jean Wyllys, entra David Miranda
David Miranda, substituto de Jean Wyllys como deputado federal, é o convidado de estreia do programa Entrevista por Catraca Livre. …
4
01:37
Saiba o que muda com o novo decreto de posse de armas
Conforme prometido durante a campanha eleitoral, o presidente Jair Bolsonaro assinou o decreto que flexibiliza a posse de armas no Brasil. …
5
01:27
Rosa para meninas e azul para meninos?
Ao longo da história muita coisa mudou, inclusive a forma como meninos e meninas eram vestidos. No século XVIII, por …
6
01:38
O que é e o que faz o COAF?
O Conselho de Controle de Atividades Financeiras é um órgão de inteligência do governo federal, criado em 1998, para combater …
7
01:51
Brumadinho e a situação das barragens de rejeito no Brasil
De acordo com informações da Agência Nacional de Água (ANA), existem mais de 24 mil barragens no Brasil. Desse total, …
8
01:37
Saiba o que muda com o novo decreto de posse de armas
Conforme prometido durante a campanha eleitoral, o presidente Jair Bolsonaro assinou na manhã desta terça-feira, 15, o decreto que flexibiliza a …