Simulando bombardeio, bolsonaristas soltam fogos de artifício contra STF

Retirados pela PM, integrantes do "300 do Brasil" atacaram STF na noite do último sábado, 13, com fogos de artifício

Por: Redação

Na noite do último sábado, 13, integrantes do grupo  “300 do Brasil” se reuniram em frente à Praça dos Três Poderes, em Brasília, para atacar a sede do Supremo Tribunal Federal (STF) com fogos de artifício.

A ação foi gravada por celulares dos integrantes e divulgada nas redes sociais, com mensagens de ofensa aos ministros da casa e ao governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB).

Bolsonaristas STF
Bolsonaristas atacam STF e ameaçam ministros em vídeos divulgados na redes sociais

Horas antes, na tarde do sábado, o acampamento montado pelo grupo na Esplanada dos Ministérios há semanas, e que permaneceu ali mesmo após decreto federal que impedia sua permanência, foi desmantelado por agentes da Polícia Militar do DF, a pedido do Governo do Distrito Federal.

O atentado contra o prédio do STF foi encarado com uma reação à operação policial. No vídeo, um dos participantes do grupo de apoiadores a Bolsonaro, enfatiza os objetivos do ataque: “(Estamos) em frente aos bandidos do STF. Isso é para mostrar para eles e para o bandido do GDF: não vamos arregar”. E continua: “É o povo, seus comunistas, seus bandidos… Está entendendo o recado?”.

Entre os participantes do atentado estava um homem identificado como “Cavalieri do Otoni”, assessor do deputado federal Otoni de Paula (PSC), do Rio de Janeiro. A informação é do blog O Antagonista.

Polícia Civil investigará ataque e PM chama ato de ‘culto’

Segundo informação do Correio Braziliense, a Secretaria de Segurança Pública informou que a Polícia Civil do DF vai instaurar um inquérito para apurar os responsáveis pelo episódio.

Em resposta ao atentado, o governador Ibaneis Rocha assinou um decreto que proíbe a circulação de pessoas na Esplanada dos Ministérios neste domingo, 14.

Ao se manifestar sobre o atentado da noite de sábado, a Polícia Militar do DF tratou de minimizar a gravidade da ocasião. “Segundo informações cerca de 30 pessoas realizaram um culto na praça, por volta de 21h, e após o término soltaram alguns foguetes. Logo após, entraram em um ônibus e se retiraram do local.”