Deputada dá aula ao MBL sobre como não ser uma patricinha

Por: Gilberto Dimenstein | Comunicar erro

Um vídeo feito pela deputada Tabata Amaral ensina o que é não ser uma patricinha.

O vídeo tem um endereço: o MBL.

A deputada Tabata Amaral (PDT-SP) foi até o apartamento funcional sorteado para ela e descobriu que o filho de Hildo Rocha (MDB-MA) estava morando no imóvel. Ele se recusou a sair.

“Ele estava irregularmente, ilegalmente ocupando dois imóveis”, contou a deputada. “Eu liguei pra Câmara, expliquei a situação, tentei resolver e o próprio deputado falou que eu podia fazer o barulho que fosse que o filho dele não ia sair.”

O MBL resolveu atacar não o abuso do filho do deputado.

Atacou a Tabata, chamando-a de “Patricinha”.

Daí ela resolveu contar sua vida.

Já escrevi aqui. Chamá-la de patricinha é uma ofensa e uma ignorância.

Tabata deveria, na verdade, ser admirada pelo MBL com seus ideiais liberais.

Ela, aliás, me lembra o Fernando Holiday. Discordo dele em muita coisa. Mas tenho razões para admirá-lo pelas mesmas razões que admiro Tabata: pobre, negro e gay, venceu pela sua persistência, enfrentando todas as dificuldades.

Ela vem da periferia paulistana. Estudou em escola pública.

Tabata tem uma frase primorosa: “Descobri que o preconceito tem gênero, cor e CEP”.

Consegue bolsas por seus méritos e esforço.

É aceita em Harvard para estudar astrofísica. Quem já estudou em Harvard – eu estudei – sabe o que isso significa.

Ela é muito melhor do que eu: sou de uma família de classe média, sempre estudei em escolas privadas, tive a chance de viajar pelo mundo. Comecei a aprender inglês quando era menino e, depois, adolescente, fui estudar nos Estados Unidos para aprimorar a língua.
Na minha escola, aprendíamos quatro línguas ao mesmo tempo: hebraico, francês, inglês e português.
Ou seja, tive todas as condições.

Mais importante. Tababa volta para o Brasil com um dos melhores diplomas do mundo e monta um projeto para ajudar incluir jovens em educação.

Isso é ser patricinha?

Se a explicação não serviu, sugiro outro vídeo mais didática.

Tem um canal no Youtube perfeito

Compartilhe:

Autor: Gilberto Dimenstein

Jornalista, educador e fundador da Catraca Livre.

1 / 8
1
04:53
Como a passagem de um livro virou uma música sublime
Numa passagem da obra-prima "O tempo e o Vento", de Érico Veríssimo, a protagonista Ana Terra se encanta com sua …
2
02:49
O sonho de uma cidade catraca livre
A Catraca Livre acredita que a educação e a cultura podem derrubar os muros do medo e construir pontes de …
3
03:44
O fascinante jogo de ilusão das pinturas corporais
Johannes Stötter é conhecido no mundo todo por seu surpreendente trabalho de body painting, pintura corporal. Antes de mais nada, vale …
4
02:28
Bolsonaro deveria ser processado por homicídio culposo
Está repercutindo no país o desfecho da morte da modelo Caroline Bittencourt. O empresário Jorge Sestini, marido de Caroline, será indiciado …
5
03:05
Um tanque de guerra que dispara conhecimento
Um tanque de guerra que dispara livros e conhecimento? Conheça o projeto de intervenção urbana "Arma de Instrução em Massa" …
6
04:41
Fãs de Heavy Metal e a música erudita de João Carlos Martins
O ex-vocalista do Angra, Edu Falaschi, resolveu comemorar os 15 anos do álbum “Temple of Shadows”, com uma turnê que …
7
03:54
A arte da improvisação: criatividade em alta velocidade
A arte da improvisação necessita de grande capacidade criativa do artista. A multi-instrumentista Carol Panesi consegue ouvir sons de estilos diferentes …
8
01:28
Menino inventa brinquedos e o resultado é surpreendente
Um menino de uma região pobre das Filipinas, país localizado no sudeste asiático, usou de sua criatividade para superar os …